19.7 C
Bruxelas
Quinta-feira setembro 28, 2023
NotíciasRússia bloqueia ação do Conselho de Segurança sobre a Ucrânia

Rússia bloqueia ação do Conselho de Segurança sobre a Ucrânia

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

[td_block_21 category_id="_more_author" limit="4" m16_el="0" m16_tl="15" custom_title="Mais do autor" block_template_id="td_block_template_17" speech_bubble_text_size="9" subtitle_text_size="12" header_color="#c6c6c6 " header_text_color="#000000"]

Enquanto 11 dos 15 membros do Conselho votou a favor do texto, China Índia e Emirados Árabes Unidos se abstiveram.

Um voto "não" de qualquer um dos cinco membros permanentes do Conselho interrompe a ação sobre qualquer medida apresentada a ele. Os membros permanentes do órgão são: China, França, Federação Russa, Reino Unido e Estados Unidos.

O Conselho de SegurançaA mais recente tentativa de encerrar a crise na Ucrânia encerra uma semana de atividades nas Nações Unidas buscando uma abertura diplomática para a ação militar russa no país, incluindo visitas quase diárias da imprensa pelo secretário-geral, três sessões de emergência do Conselho e uma reunião de os 193 membros Assembleia Geral, que viu orador após orador pedir desescalada.

'Nunca desista'

Falando aos jornalistas após a reunião do Conselho desta noite, Secretário-Geral António Guterres, enfatizou que embora as Nações Unidas não tenham hoje alcançado seu objetivo principal de acabar com a guerra, “nunca devemos desistir”.

“Devemos dar outra chance à paz. Os soldados precisam retornar aos seus quartéis. Os líderes precisam se voltar para o caminho do diálogo e da paz”, disse ele.

E, apesar dos crescentes desafios operacionais, ele assegurou que a ONU está ampliando a entrega de apoio que salva vidas em ambos os lados da linha de contato.

Coordenador dedicado da ONU

Contra o pano de fundo das necessidades humanitárias multiplicadas, civis moribundos e pelo menos 100,000 ucranianos supostamente fugindo de suas casas – com muitos cruzando para países vizinhos, sublinhando a natureza regional desta crise crescente – Guterres anunciou a nomeação de Amin Awad como Coordenador de Crise da ONU para a Ucrânia.

Um colega próximo de Guterres quando ele era chefe da agência de refugiados da ONU, ACNUR, o Sr. Awad liderará a coordenação de todos os esforços da ONU, incluindo sua resposta humanitária, em ambos os lados da linha de contato.

“Todos os envolvidos neste conflito devem respeitar o direito internacional humanitário e garantir a segurança e a liberdade de movimento do pessoal da ONU e outros humanitários. Especialmente em um momento como este, é importante lembrar que a ONU… são dezenas de milhares de mulheres e homens em todo o mundo”, disse ele.

Superar desafios 

O alto funcionário da ONU destacou o trabalho da Organização, desde alimentar os famintos, vacinar crianças e promover o desenvolvimento até proteger civis em operações de manutenção da paz, mediar conflitos e apoiar refugiados e migrantes, tudo isso enquanto “de pé, entregando, estendendo uma linha de vida de esperança”. ”

Ele ressaltou que, embora a Carta das Nações Unidas tem sido contestada no passado, tem “mantido firme do lado da paz, segurança, desenvolvimento, justiça, direito internacional e direitos humanos”.

"Vez após vez, quando a comunidade internacional se uniu em solidariedade, esses valores prevaleceram. Eles vão prevalecer, independentemente do que aconteceu hoje”, disse o chefe da ONU.

“Devemos fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para que prevaleçam na Ucrânia, mas prevaleçam para toda a humanidade”, concluiu o secretário-geral.

Uma 'posição de princípios'

Apresentando o projeto de resolução, que seu país ajudou a elaborar, a embaixadora dos EUA Linda Thomas-Greenfield pintou um quadro da invasão russa da Ucrânia que foi “tão ousada, tão descarada” que ameaça o sistema internacional “como o conhecemos”.

“Temos a solene responsabilidade de não desviar o olhar”, disse ela, enfatizando que a Rússia deve ser responsabilizada e suas forças imediatamente, completa e incondicionalmente retiradas.

“Hoje estamos assumindo uma posição de princípios neste Conselho”, disse a Sra. Thomas-Greenfield. “Não há meio termo”, os Estados responsáveis ​​não invadem seus vizinhos.

Não pode vetar responsabilidade 

Depois que o texto foi derrotado, a Sra. Thomas-Greenfield tomou a palavra novamente.

“Você pode vetar esta resolução, mas você não pode vetar nossas vozes; Você não pode vetar a verdade; Você não pode vetar nossos princípios; Você não pode vetar o povo ucraniano; não pode vetar a Carta da ONU… e você não vai vetar a responsabilidade”, ressaltou.

O embaixador dos EUA disse que, apesar das ações de um Estado-membro “imprudente e irresponsável”, os Estados Unidos continuarão ao lado da Ucrânia contra a agressão da Rússia.

Uma foto / Mark Garten

Linda Thomas-Greenfield, Representante Permanente dos Estados Unidos nas Nações Unidas, discursa na reunião do Conselho de Segurança sobre a situação na Ucrânia.

'Agressão nua'

A embaixadora do Reino Unido, Dame Barbara Woodward, descreveu como mulheres e crianças em Kiev, aposentados em Odessa e pessoas em toda a Ucrânia estão “se protegendo do ataque da Rússia”.

Ela afirmou que o projeto de resolução enviou “uma mensagem ao mundo de que as regras que construímos juntos devem ser defendidas, caso contrário, quem será o próximo”.

Além disso, a “invasão maciça” do presidente Vladimir Putin da Ucrânia para remover o governo é “uma agressão nua” que deve ser condenada, acrescentou Woodward.

Após a votação, o Embaixador do Reino Unido destacou que a Rússia foi o único membro do Conselho a votar contra o projeto.

"Não se engane, a Rússia está isolada, não tem apoio para a invasão da Ucrânia”, disse ela, observando que a história registraria o que aconteceu hoje e que o Reino Unido “apóia firmemente” o povo ucraniano e responsabilizará a Rússia por suas ações.

Um veto contra o direito internacional

Após votar a favor da resolução, o embaixador da França, Nicolas de Rivière, disse que a “agressão premeditada” da Rússia está matando civis e destruindo infraestrutura com o objetivo de reconstruir o império russo.

Enquanto outros membros expressaram seu compromisso com o direito internacional, a Rússia o vetou.

“A Rússia está sozinha”, observou, acrescentando que “dentro da ONU e em todos os órgãos, a França continuará a se mobilizar com seus parceiros para apoiar a Ucrânia e o povo ucraniano”.

Abstenções

O embaixador indiano TS Tirumurti, que se absteve, disse que “o diálogo é o único caminho a seguir”, por mais assustador que possa parecer, e instou o Conselho a restaurar o difícil caminho a seguir.

Também se abstendo, a embaixadora dos Emirados Árabes Unidos, Lana Nusseibeh, disse que agora que a resolução foi vetada, os Emirados Árabes Unidos continuarão a buscar “processos inclusivos e consultivos” para um caminho a seguir.

Não é um posto avançado

Enquanto isso, como único membro do Conselho Permanente a se abster, o embaixador chinês Zhang Jun alertou contra ações que possam “fechar a porta” para um acordo negociado. Ele lembrou que a crise da Ucrânia não ocorreu “da noite para o dia” e que a segurança de um Estado não pode vir à custa da de outros.

"A Ucrânia deve se tornar uma ponte entre o Oriente e o Ocidente, não um posto avançado”, disse ele, acrescentando que as mentalidades da guerra fria devem ser abandonadas para construir mecanismos europeus equilibrados e todas as partes devem retornar à diplomacia.

'Tabuleiro de xadrez ucraniano'

O embaixador russo Vasily Nebenzya disse que não responderia àqueles que o acusaram de abusar do poder de veto de seu país.

Russia blocks Security Council action on Ukraine

Ele acusou os patrocinadores do alistamento de “falsidades” sobre a verdadeira situação na Ucrânia, incluindo as tentativas de aliados ocidentais de encobrir o fato de que eles estavam inundando o Donbas com armas.

"Você fez da Ucrânia um peão em seu próprio jogo... esta resolução nada mais é do que mais um movimento brutal e desumano neste tabuleiro de xadrez ucraniano", Disse ele.

Falando aos representantes da França, Reino Unido e EUA, ele disse que não havia confirmação verificável sobre a morte de civis ucranianos; que fotografias de suposta artilharia russa “são falsas”; e que os relatos de ataques à infraestrutura civil eram falsos.

Além disso, com seu histórico de agressões contra outros países, os Estados Unidos “não estavam em condições de moralizar”.

'Um lugar no inferno'

O embaixador da Ucrânia, Sergiy Kyslytsya, afirmou que não dignificaria o “roteiro diabólico” lido pelo embaixador russo, que na verdade era “um pedido bastante detalhado para… um assento no inferno”.

Ele lembrou que durante as discussões do Conselho de Segurança sobre a situação na Ucrânia no início da semana, a Rússia começou a bombardear seu país e envio de forças através da fronteira, inclusive através da Bielorrússia.

Portanto, ele não ficou surpreso que a Rússia tenha votado contra o texto, disse ele, denunciando as ações do “regime do Kremlin”.

O Sr. Kyslytsya pediu ao Conselho que lembrasse quantas vezes o embaixador russo disse que seu país não invadiria ou bombardearia a Ucrânia. Mas depois do que aconteceu nos últimos dias, “como podemos confiar em você? Você não tem ideia do que está na mente do seu presidente”, declarou.

O Embaixador da Ucrânia também observou que, de acordo com as regras de procedimento, o Embaixador da Rússia não deveria estar presidindo uma reunião da qual seu país era o assunto.

Conselho de Segurança se reúne sobre situação atual na Ucrânia Conselho de Segurança se reúne sobre a situação atual na Ucrânia - Foto ONU / Evan Schneider

Momento de silêncio para a paz

O embaixador da Ucrânia pediu ao Conselho para dedicar um momento de silêncio “pela paz… e rezar pelas almas daqueles que já foram ou podem ser mortos”, convidando o embaixador russo a “rezar pela salvação”.

Isto foi seguido por aplausos solenes em toda a Câmara.

Observando que nada poderia justificar o bombardeio de hospitais e jardins de infância – considerados crimes de guerra pelo Estatuto de Roma – ele disse que a Ucrânia estava coletando provas para enviar ao Tribunal Penal Internacional (ICC).

Separar laços

Finalmente, o Sr. Kyslytsya pediu às nações que rompam as relações diplomáticas com a Federação Russa e às organizações internacionais que cortem os laços com aquele país.

"Você deve parar de limpar os pés” nas palavras do Secretário-Geral e no trabalho da ONU, e “mostrar respeito pelos princípios consagrados na Carta", Disse ele.

Para encerrar, o embaixador sustentou que, embora a Ucrânia permanecesse aberta a negociações, foi a Rússia que lançou uma ofensiva que enviou “milhares de soldados” ao seu território.

- Propaganda -
- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -