2.8 C
Bruxelas
Domingo janeiro 29, 2023

Jerusalém – a Cidade Santa

IMPORTANTE: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de quem as declara e são de sua responsabilidade. A publicação no The European Times não significa automaticamente o endosso da opinião, mas o direito de expressá-la.

Central de notícias
Central de notíciashttps://www.europeantimes.news
O European Times News visa cobrir notícias importantes para aumentar a conscientização dos cidadãos em toda a Europa geográfica.

Escrito por arquimandrita assoc. prof. Pavel Stefanov, Universidade Shumen “Bishop Konstantin Preslavski” – Bulgária

A visão de Jerusalém banhada por uma luz espiritual deslumbrante é emocionante e única. Situada entre montanhas mais altas nas margens de um desfiladeiro profundo, a cidade irradia um brilho constante e imperecível. Mesmo que não tivesse um significado histórico particular, ainda assim despertaria fortes sentimentos com sua aparência incomum. Visto dos picos de Skopos e Eleon, o horizonte está repleto de fortificações e torres medievais, cúpulas douradas, ameias, restos em ruínas da época romana e árabe. Ao seu redor, vales e encostas, transformados em amplos gramados verdes que alteram até as propriedades da luz. A vista é fascinante.

De acordo com as tradições do rei Davi, ele é chamado de Jebus. Em hebraico, Yerushalayim significa “cidade de paz” (esta etimologia não é bem especificada – pr), o que é um paradoxo, pois em sua história de mil anos conheceu pouquíssimos períodos de paz. Em árabe, seu nome é al-Quds, que significa “santo”. É uma antiga cidade do Oriente Médio na bacia hidrográfica entre o Mediterrâneo e o Mar Morto, a uma altitude de 650-840 m. Representa uma mistura incrível de monumentos de história, cultura e povos com uma enorme quantidade de pontos turísticos. Desde os tempos antigos, essa pequena cidade provinciana era chamada de “umbigo” ou “centro” do mundo por causa de seu excepcional significado religioso (assim também é chamada no profeta Ezequiel 5:5 – b. r). [i] Em diferentes épocas, Jerusalém foi possessão do Reino da Judéia, do Estado de Alexandre, o Grande, da Síria Selêucida, do Império Romano, de Bizâncio, do Califado Árabe, dos Cruzados, do Estado Aiúbida, dos tártaros-mongóis, dos Mamelucos, o Império Otomano e o Império Britânico.[ii]

A idade de Jerusalém excede 3500 anos.[1] A pesquisa arqueológica desta cidade, que ocupa um lugar excepcional na história espiritual do mundo, começou em 1864 e continua até hoje.[2] O nome Shalem (Salem) foi mencionado pela primeira vez em 2300 aC. nos documentos de Ebla (Síria) e nas inscrições da XII dinastia egípcia. De acordo com uma versão, é um provável predecessor de Jerusalém.[3] No século 19 aC, é feita menção a Melquisedeque, rei de Salém. Segundo a Bíblia, ele encontrou Abraão e o rei de Sodoma depois de uma batalha vitoriosa e o presenteou com pão e vinho, levando o dízimo deles (Gn 14:18-20). Na epístola do Novo Testamento aos Hebreus (5:6, 10; 6:20; 7:1, 10-11, 15, 17, 21) São Apóstolo Paulo prova a dignidade sacerdotal de Jesus Cristo na ordem de Melquisedeque.

No século XIV aC. durante as escavações dos padres franciscanos ao redor da capela “Dominus Flevit” (“Lamento do Senhor”), objetos de cerâmica e faiança que datam do século XVI aC, bem como um ornamento em forma de escaravelho do Egito, foram descoberto. Um achado casual, um conjunto de tabuinhas cuneiformes de Tell el-Amarna no Alto Egito (ca. 16 aC), lança luz sobre o arquivo real de Amenhotep III e seu filho Akhenaton. Entre cerca de 1350 avisos em argila de príncipes e chefes na Palestina, Fenícia e sul da Síria estão oito por um Abdu Heba, governante de Jerusalém e vassalo do Egito. Em suas ansiosas cartas ao faraó, Abdu Heba implora reforços, que não recebe, e perde a terra do faraó “de habiru”. Quem eram essas tribos “habiru”? A conexão entre eles e os antigos judeus permanece uma questão de conjectura.

A história de Jerusalém começa com o período proto-urbano, ao qual se referem vários sepultamentos. Com seu primeiro assentamento no final da Idade do Bronze, tornou-se uma cidade dos jebuseus, uma tribo cananéia. Ele está localizado no Monte Ofel (nos arredores sudeste da atual Jerusalém). “Mas os filhos de Judá não puderam expulsar os jebuseus, moradores de Jerusalém, e, portanto, os jebuseus vivem com os filhos de Judá em Jerusalém até hoje” (Isa. Nav. 15:63).[4]

De 922 a 586 aC. Jerusalém é a capital do reino judaico. A cidade foi capturada pelos judeus, liderados pelo rei Davi (na última década, prevalecia a opinião de que a cidade não foi capturada à força – br). David encontrou um antigo santuário existente aqui e renomeou a cidade de Sião.[5] Ele construiu um palácio (2 Reis 5:11), mas seus fundamentos ainda não foram descobertos. O rei renovou a cidade e os muros, incluindo o chamado Milo (1 Crônicas 11:8). O significado deste termo não é claro, mas pensa-se que se refere aos terraços e fundações da acrópole. Salomão transforma Jerusalém em uma capital luxuosa. Ele dobrou o tamanho da cidade e construiu um complexo de templos no Monte Moriá (2 Crônicas 3:1).[6] O piedoso rei Ezequias (727-698) reconstruiu as muralhas da fortaleza e cavou um túnel de abastecimento de água.[7] O rei assírio Senaqueribe sitiou Jerusalém em 701, mas um anjo do Senhor matou 185,000 de seus soldados e os invasores recuaram.

Em 598 aC. o rei babilônico Nabucodonosor sitia Jerusalém, que cai, e o rei judeu Jeconias é levado cativo para a Babilônia. Zedequias foi colocado no trono como vassalo. Ele se rebelou, esperando a ajuda do Egito. Em 587, o exército babilônico retornou e destruiu Jerusalém. Quase todos os habitantes foram levados cativos para a Babilônia. Em 539 AC, o rei persa Ciro, o Grande, derrotou os babilônios e emitiu um decreto permitindo que os judeus retornassem a Jerusalém e reconstruíssem o templo.[8]

O ano é 332 AC. Os habitantes de Jerusalém renderam-se sem resistência a Alexandre, o Grande, que confirmou os privilégios dados à cidade pelos governantes persas.[9]

Sob a liderança dos irmãos Macabeus, eclodiu uma revolta dos judeus, que durou de 167 a 164 aC. Os ocupantes sírios de Antíoco IV Epifânio, que estavam impondo o paganismo, foram expulsos.[10]

As tropas romanas sob a liderança de Pompeu capturaram Jerusalém em 63 aC. A cidade tornou-se o centro administrativo do protetorado romano da Judéia.[11] O plano moderno de Jerusalém data da época de Herodes, o Grande (37-34 aC).[12] Este sátrapa é o maior construtor da história da cidade. Ele reconstruiu as muralhas dos asmoneus e acrescentou três grandes torres, construiu um complexo administrativo-palácio na colina ocidental, mais tarde chamado de “pretório”, e reconstruiu o templo. Os judeus da diáspora anseiam pela cidade, liderados por intelectuais eminentes como Filo de Alexandria.[13]

A opressão romana alimentou o movimento secreto de libertação dos zelotes. O apóstolo de Cristo, Judas Iscariotes, provavelmente pertence a eles.[14] Em 66-70, os judeus lideraram uma revolta contra os romanos. Após um longo cerco, Jerusalém cai. A revolta fracassada entra para a história como a Guerra Judaica. Apesar da ordem do general romano Tito para preservar o templo, ele foi queimado e destruído em 9 de agosto de 70.[15] Mais tarde, por ordem do imperador Adriano, começou a construção de uma cidade chamada Elia Capitolina em homenagem ao imperador (Elius Adriano) e a tríade capitolina (Júpiter, Juno e Minerva) nas ruínas de Jerusalém. A cidade foi construída no modelo de um acampamento militar romano – uma praça em que as ruas se cruzam em ângulos retos. Um santuário de Júpiter foi construído no local do templo judaico.

Indignados com a imposição do culto pagão, os judeus levantaram uma segunda revolta contra os conquistadores romanos. De 131 a 135, Jerusalém esteve nas mãos dos rebeldes judeus de Shimon bar Kochba, que até cunharam suas próprias moedas. Mas em 135 as tropas romanas recapturaram a cidade. O imperador Adriano emitiu um decreto proibindo todas as pessoas circuncidadas de entrar na cidade. Após o colapso do Império Romano, o período bizantino começou e a cidade gradualmente assumiu uma aparência cristã.[16]

No local do Gólgota, os romanos ergueram um templo para Afrodite. Em 326, Santa Helena e o bispo Macário lideraram a construção da Igreja do Santo Sepulcro. Milhões de peregrinos de todo o mundo começaram a se reunir aqui ao longo dos séculos.

Em 1894, um famoso mosaico representando São Jorge foi descoberto na Igreja Ortodoxa de São Jorge em Madaba (atual Jordânia). Terra e Jerusalém. Data do século VI e hoje mede 6 x 16 m. A maior e mais detalhada imagem no centro da obra é de Jerusalém e seus marcos.[5]

Em 614, a cidade foi capturada e saqueada pelo persa Shah Khozroi, e a Igreja do Santo Sepulcro foi queimada. Após 24 anos, São Patriarca Sofrônio abriu as portas da cidade para um novo conquistador – o califa árabe Omar ibn al-Khattab, e Jerusalém gradualmente começou a adquirir uma aparência muçulmana. Um pouco mais tarde, Mu'af I, fundador da dinastia omíada, foi proclamado califa em Jerusalém. Uma mesquita foi construída no local do templo judaico destruído, que para os muçulmanos é o terceiro mais sagrado depois dos de Meca e Medina.

Em 1009, o insano califa al-Hakim ordenou a destruição completa da Igreja do Santo Sepulcro. Este sacrilégio provoca uma onda de protestos no Ocidente e prepara a era das Cruzadas. Em 1099, os participantes da primeira campanha sob a liderança do Conde Gottfried de Bolonha capturaram Jerusalém, massacraram todos os muçulmanos e judeus e transformaram a cidade na capital do Reino de Jerusalém chefiado pelo rei Baldwin I. Em 1187, após um longo cerco , as tropas do sultão egípcio Salah-at-din (Saladino, 1138-1193) conquistaram Jerusalém. Todas as igrejas da cidade, exceto a Igreja da Ascensão, foram convertidas em mesquitas. [18]

Mas os cristãos ocidentais não se desesperaram e em 1189-1192 organizaram a Segunda Cruzada sob a liderança do rei inglês Ricardo Coração de Leão. A cidade novamente cai nas mãos dos cruzados. Em 1229, Friedrich II Hohenstaufen tornou-se rei do Reino de Jerusalém, que conseguiu restaurar temporariamente o poder dos cruzados em Jerusalém, aproveitando as contradições entre os estados muçulmanos. No entanto, em 1244, os mongóis-tártaros conquistaram a cidade. Em 1247, Jerusalém foi capturada por um sultão egípcio da dinastia aiúbida. Os mamelucos chegaram ao poder – guarda-costas dos sultões egípcios, cujo exército foi recrutado de escravos de origem turca e caucasiana (principalmente circassiana). Em 1517, o exército do Império Otomano, após uma vitória na Síria sobre os mamelucos, conquistou a terra de Eretz-Israel (o território da Palestina) sem derramamento de sangue.

Durante a Primeira Guerra Mundial, a Grã-Bretanha estabeleceu o controle sobre a Palestina.[19] De 1920 a 1947, Jerusalém foi o centro administrativo do território britânico da Palestina. Durante este período, a população judaica aumentou 1/3 principalmente devido à migração da Europa. A Resolução da Assembléia Geral da ONU nº 181, de 29 de novembro de 1947, conhecida como Resolução sobre a Partilha da Palestina, assumia que a comunidade internacional assumiria o controle do futuro de Jerusalém após o fim do Mandato Britânico (15 de maio de 1948). ).[20] Em 1950, Israel declarou Jerusalém como sua capital e todos os ramos do governo israelense estavam localizados lá, embora esta decisão não tenha sido aceita pela comunidade mundial. A parte oriental da cidade tornou-se parte da Jordânia. [21]

Após sua vitória na Guerra dos Seis Dias em 1967, Israel ganhou o controle de todo o território da cidade, separou legalmente Jerusalém Oriental da Cisjordânia e declarou sua soberania sobre Jerusalém. Com uma lei especial de 30 de julho de 1980, Israel declarou Jerusalém como sua capital única e indivisível. Todos os escritórios estaduais e governamentais de Israel estão localizados em Jerusalém. [22] A ONU e todos os seus membros não reconhecem a anexação unilateral de Jerusalém Oriental. Quase todos os países têm suas embaixadas na área de Tel Aviv, com exceção de vários países latino-americanos, cujas embaixadas estão localizadas no subúrbio de Mevaseret-Zion, em Jerusalém. Já em 2000, o Congresso dos EUA aprovou a decisão de transferir a embaixada para Jerusalém, mas o governo americano constantemente adiava a implementação dessa decisão. Em 2006, as embaixadas latino-americanas se mudaram para Tel Aviv, e agora não há embaixadas estrangeiras em Jerusalém. Jerusalém Oriental abriga os consulados dos Estados Unidos e alguns outros países que têm contato com a Autoridade Palestina.

O status de Jerusalém continua sendo um tópico muito controverso. Tanto Israel quanto a Autoridade Palestina reivindicam oficialmente Jerusalém como sua capital e não reconhecem esse direito a nenhum outro país, embora a soberania israelense sobre parte da cidade não seja reconhecida pela ONU ou pela maioria dos países, e as autoridades da Autoridade Palestina nunca tenham sido não em Jerusalém. Os árabes até negam completamente o período judaico da história de Jerusalém, contestando assim a Bíblia, aceita como revelação em seu Alcorão. Após a vitória da revolução islâmica no Irã, o aiatolá Khomeini estabeleceu um novo feriado em 5 de outubro – o dia de al-Quds (Jerusalém). Todos os anos nesta data, os muçulmanos rezam para que a cidade seja libertada da presença militar israelense.[23]

De acordo com os números mais recentes, os habitantes de Jerusalém são 763,800, enquanto em 1948 eram apenas 84,000. Existem 96 santuários cristãos, 43 islâmicos e 36 judeus localizados no território da cidade velha, que cobre apenas 1 km quadrado. Ele está associado à paz através de seu nome. É uma cidade de tamanho médio, provinciana, em muitos aspectos modesta e, no entanto, irresistivelmente atraente, que inspira admiração e admiração. Duas religiões mundiais foram fundadas em Jerusalém, e a terceira, o islamismo, adotou suas várias tradições em seu credo. Mas em vez de ser como seu nome “cidade de paz”, Jerusalém acaba sendo uma arena de confronto.

A violência continua como atos em um drama antigo sem fim, mas no qual não há catarse. Das mesmas muralhas escaladas pelos romanos em 70 d.C. e pelos cruzados em 1099, jovens palestinos armados como Davi com estilingues passando por carros de polícia blindados com pedras. Helicópteros circulam acima, lançando bombas de gás lacrimogêneo. Perto dali, nas ruas estreitas, os sons das três religiões que consagram a cidade se elevam incessantemente – a voz do muezzin chamando os fiéis muçulmanos à oração; o toque dos sinos das igrejas; o canto dos judeus rezando no Muro das Lamentações – a única parte preservada do antigo templo judaico.

Alguns chamam Jerusalém de “necrocracia” – a única cidade onde o voto decisivo é dado aos mortos. Em toda parte aqui se sente o pesado fardo do passado pesando sobre o presente. Para os judeus, é sempre a capital da memória. Para os muçulmanos é al-Quds, ou seja. O santuário, desde o surgimento do Islã no século VII até hoje. Para os cristãos, é o epicentro de sua fé, associada à pregação, morte e ressurreição do Deus-homem.[7]

Jerusalém é uma cidade onde o espírito da história é diariamente invocado de forma implacável e supersticiosa por países rivais. Jerusalém é a personificação da influência da memória nas mentes dos homens. É uma cidade de monumentos que têm uma linguagem própria. Despertam memórias mutuamente contraditórias e constroem sua imagem de cidade querida por mais de um povo, sagrada para mais de uma fé. Em Jerusalém, religião se mistura com política. Ele vive profundamente absorto no fascínio de poderosas crenças religiosas e religiões.[25] A reverência e o fanatismo das religiões e nacionalidades que aqui convivem interagem. Nunca houve uma única verdade religiosa em Jerusalém. Sempre houve muitas verdades e imagens mutuamente contraditórias da cidade. Essas imagens refletem ou distorcem umas às outras e o passado flui para o presente.

Em nosso tempo, os homens pisaram na lua em busca de novas terras prometidas e novas Jerusalém, mas até agora a velha Jerusalém ainda não foi substituída. Ele mantém um controle extraordinário sobre a imaginação, sustentando para três fés ao mesmo tempo, perto e longe, o medo e a esperança de um Apocalipse expressos em frases inteiramente intercambiáveis.[26] Aqui, a luta religiosa para conquistar territórios é uma antiga forma de culto. Nacionalismo e religião sempre estiveram entrelaçados em Jerusalém, onde a ideia de uma terra prometida e um povo escolhido foi revelada aos judeus pela primeira vez há 3,000 anos.

Os escribas e profetas de Jerusalém desafiaram a noção antiga predominante de que a história necessariamente se move em círculos, repetindo-se uma e outra vez. Eles expressam a esperança abrangente de um progresso irreversível em direção a uma vida melhor e mais valiosa. Variedades do Pentateuco e os livros de Josué, Samuel e Reis circularam em Jerusalém como tradições orais no início do século VII ou IX aC. Evidências arqueológicas e epigráficas confirmam repetidamente com notável precisão os detalhes factuais das fontes bíblicas. Aqui o rei Davi compôs os poemas dos Salmos, e Salomão construiu o templo e desfrutou de suas centenas de esposas. Aqui Isaías clama no deserto, e Jesus usa a coroa de espinhos e é crucificado com os ladrões. Os cristãos se reuniram depois de Sua morte nesta cidade e em nome da esperança conquistaram o Império Romano e todo o mundo mediterrâneo. Aqui, de acordo com a lenda islâmica, Maomé vem em um misterioso cavalo branco alado e sobe ao céu em uma escada de luz. Desde o século 7, os judeus rezam no Muro das Lamentações três vezes ao dia, para que possam “retornar por misericórdia à tua cidade de Jerusalém e viver nela, como prometeste”.

Quatro mil anos de história, inúmeras guerras e terremotos extremamente fortes, alguns dos quais causaram a destruição completa de edifícios e muros, deixaram sua marca na topografia da cidade. Passou por 20 cercos devastadores, dois períodos de completa desolação, 18 restaurações e pelo menos 11 conversões de uma religião para outra. Jerusalém permanece sagrada para judeus, cristãos e muçulmanos, para todas as pessoas do mundo. “Pedi paz para Jerusalém” (Sl. 121:6)!

notas:

[i] Wolf, B. Jerusalém e Rom: Mitte, Nabel – Zentrum, Haupt. Die Metaphern «Umbilicus mundi» e «Caput mundi» em den Weltbildern der Antike und des Abendlands bis in the Zeit der Ebstorfer Weltkarte. Berna, 2010.

[ii] Dicionário enciclopédico. Cristandade. TIM 1997, pág. 586. Cf. Otto, E. Das antike Jerusalém. Archaeologie und Geschichte. Munique, 2008 (Beck'sche Reihe, 2418).

[1] Elon, A. Jerusalém: Cidade dos Espelhos. Londres, 1996, p. 30.

[2] Whiting, C. Imaginações Geográficas da “Terra Santa”: Topografia Bíblica e Prática Arqueológica. – Contextos do Século XIX, 29, 2007, Nos. 2 e 3, 237-250.

[3] Elon, A. Op. cit., pág. 54.

[4] Para a história antiga da cidade, veja Harold Mare, W. The Archaeology of the Jerusalem Area. Grand Rapids (MI), 1987; Jerusalém na História Antiga e Tradição. Ed. por TL Thompson. Londres, 2004 (Seminário Internacional de Copenhaga).

[5] Cogan, M. David's Jerusalem: Notas e Reflexões. – In: Tehillah le-Moshe: Estudos Bíblicos e Judaicos em Honra de Moshe Greenberg. Editado por M. Cogan, BL Eichler e JH Tigay. Lago Winona (IN), 1997.

[6] Goldhill, S. O Templo em Jerusalém. S., 2007.

[7] O livro Jerusalém na Bíblia e Arqueologia: O Período do Primeiro Templo é dedicado à história bíblica de Jerusalém. Ed. por AG Vaughn e AE Killebrew. Atlanta (GA), 2003 (Série de Simpósios, 18)

[8] Dicionário enciclopédico. Cristandade. TIM, 1997, 587. Cf. Ritmeyer, L. Jerusalém no tempo de Neemias. Chicago, 2008.

[9] Ameling, W. Jerusalém als helenistische Polis: 2 Makk 4, 9-12 und eine neue Inschrift. – Biblische Zeitschrift, 47, 2003, 117-122.

[10] Tromp, J. O significado religioso de Jerusalém para os judeus no período greco-romano. – Em: À la recherche des villes saintes. Actes du colloque franco-néerlandais “Les Villes Saintes”. Ed. A. Le Boulluec. Turnhout, 2004 (Bibliothèque de l'École des hautes études. Sciences religieuses, 122), 51-61.

[11] Mirasto, I. Cristo Ressuscitou (Na Terra de Deus durante a Semana Santa). S., 1999, pág. 9.

[12] Julia Wilker, Fuer Rom e Jerusalém. Die herodianische Dynastie im 1. Jahrhundert n.Chr. Frankfurt am Main, 2007 (Stuien zur Alten Geschichte, 5)

[13] Pearce, S. Jerusalém como “Mãe-Cidade” nos escritos de Filo de Alexandria. – In: Negociando a Diáspora: Estratégias Judaicas no Império Romano. Ed. por JMG Barclay. Londres e Nova York, 2004, 19-37. (Biblioteca de Estudos do Segundo Templo, 45).

[14] Hengel, M. Os Zelotes: Investigações sobre o Movimento de Libertação Judaico no Período de Herodes I até 70 dC. Londres, 1989.

[15] Rives, JB Flavian Política Religiosa e a Destruição do Templo de Jerusalém. – In: Flávio Josefo e Flávio Roma. Eds. J. Edmondson, S. Mason e J. Rives. Oxford, 2005, 145-166.

[16] Belayche, N. Déclin ou reconstrução? La Palaestina romaine após a revolta de 'Bar Kokhba'. – Revue des études juives, 163, 2004, 25-48. Cf. Colbi, P. Uma Breve História do Cristianismo na Terra Santa. Jerusalém, 1965; Wilken, R. A Terra Chamada Santa: Palestina na História e Pensamento Cristão. Nova York, 1992.

[17] Damyanova, E. Jerusalém como o centro topográfico e espiritual do mosaico Madaba. – In: Reflexões Teológicas. Recolha de materiais. S., 2005, 29-33.

[18] Shamdor, A. Saladino. Um nobre herói do Islã. São Petersburgo, 2004. Cf. L'Orient au temps des croisades. Textos árabes apresentados e traduit par A.-M. Eddé et F. Micheau. Paris, 2002.

[19] Grainger, J. A Batalha pela Palestina, 1917. Woodbridge, 2006.

[20] A herança cristã na Terra Santa. Ed. Por A. O'Mahony com G. Gunner e K. Hintlian. Londres, 1995, p. 18.

[21] Keay, J. Semeando o Vento: As Sementes do Conflito no Oriente Médio. Nova York, 2003.

[22] Tessler, M. História do conflito israelo-palestino. Bloomington (IN), 1994. Cf. Kailani, W. Reinventando Jerusalém: Reconstrução israelense do bairro judeu depois de 1967. – Estudos do Oriente Médio, 44, 2008, No. 4, 633-637.

[23] Emelyanov, V. O que fazer com o problema de al-Quds – Jerusalém? Em Moscou, eles comemoraram uma data comemorativa estabelecida há 27 anos pelo Imam Khomeini. – https://web.archive.org/web/20071011224101/http://portal-credo.ru:80/site/?act=news&id=57418&cf=, 8 de outubro de 2007.

[24] A Herança Cristã.., p. 39.

[25] Kalian, M., S. Catinari, U. Heresco-Levi, E. Witztum. “Fome espiritual” em um espaço sagrado: uma forma de “síndrome de Jerusalém”. – Saúde Mental, Religião e Cultura, 11, 2008, nº 2, 161-172.

[26] Elon, A. Op. cit., pág. 71.

Endereço curto desta publicação: https://dveri.bg/uwx

- Propaganda -

Mais do autor

- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda - spot_img

Deve ler

Artigos Mais Recentes