17.1 C
Bruxelas
Thursday, June 20, 2024
ReligiãoPROIBIDOPatriarca Kirill permanece em silêncio após a morte de Gorbachev

Patriarca Kirill permanece em silêncio após a morte de Gorbachev

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Jan Leonid Bornstein
Jan Leonid Bornstein
Jan Leonid Bornstein é repórter investigativo da The European Times. Ele tem investigado e escrito sobre extremismo desde o início de nossa publicação. Seu trabalho lançou luz sobre uma variedade de grupos e atividades extremistas. Ele é um jornalista determinado que persegue temas perigosos ou polêmicos. Seu trabalho teve um impacto no mundo real ao expor situações com um pensamento inovador.

Há um ano, o Patriarca Kirill, da Igreja Ortodoxa Russa, parabenizou Gorbachev por seus 90 anosth aniversário. Mas isso foi antes da guerra. Quando o último presidente da União Soviética faleceu há alguns dias, Kirill permaneceu em silêncio, sem oferecer condolências e sem emitir declarações. Isso não parece ser um erro.

Na verdade, os radicais da Igreja Ortodoxa Russa (ROC) guardam rancor contra Gorbachev. Isso pode parecer estranho, quando você sabe que foi ele quem pôs fim a 70 anos de repressão (com altos e baixos) dos crentes ortodoxos na União Soviética. Em 1988, Gorbachev teve uma reunião de 90 minutos com o Patriarca Pimen, onde reconheceu os erros da União Soviética em relação à Igreja e prometeu uma nova era de liberdade religiosa. E ele cumpriu sua promessa.

O encontro de Gorbachev com João Paulo II

Mas mesmo antes de promulgar a famosa lei sobre liberdade religiosa em 1990, Gorbachev estendeu a clemência russa a mais do que apenas a Igreja Ortodoxa Russa. Em dezembro de 1989, ele se encontrou com o Papa João-Paulo II (que foi uma estreia) e prometeu que a União Soviética garantiria a liberdade de religião em casa. “Pessoas de muitas confissões, incluindo cristãos, muçulmanos, judeus, budistas e outros vivem na União Soviética. Todos eles têm o direito de satisfazer suas necessidades espirituais”, disse Gorbachev naquele dia. A palavra “outros” foi definitivamente uma porta aberta para muitas denominações religiosas, e uma visão que tem sido o pesadelo do regime de Putin, justificando parte do ódio que hoje juram a Mikhail Gorbachev.

Gorbachev era ateu, mesmo tendo sido batizado como ortodoxo quando criança. Mas sua disposição de permitir a liberdade religiosa na União deu origem a rumores de que ele era católico. Até o então presidente americano Reagan especulou que Gorby poderia ter sido um “crente do armário”. Embora pudesse ter sido um elogio para Reagan, esse não era o caso na União Soviética, onde os líderes políticos e membros do partido tinham que ser ateus, ou então. Mas para a ROC, ser suspeito de catolicismo é pior do que ser ateu. Finalmente, em 2008, Gorbachev teve que confirmar à Interfax que era ateu: “”Para resumir e evitar mal-entendidos, deixe-me dizer que fui e continuo sendo ateu”, afirmou.

Uma nova lei que garante a liberdade de religião

Em 1990, ele assinou a nova lei que garante a liberdade de religião na União. Esta lei, a “lei da liberdade religiosa”, adotada pelo Supremo Tribunal da URSS, criou uma verdadeira lufada de ar fresco para a qual se precipitaram numerosos movimentos religiosos do Ocidente. Isso foi demais para o ROC. Embora permitisse que a ROC aumentasse seus ativos em milhões e crescesse como nunca nos últimos 70 anos, eles não podiam suportar a chegada de concorrentes em potencial e não podiam imaginar que teriam que ficar em pé de igualdade com todos esses “ falsos profetas”, fossem eles católicos, evangélicos, Testemunhas de Jeová ou pertencentes a alguma das mil “seitas” que começaram a se expandir no país.

Por essas razões, o Patriarca Alexy II de Moscou e seus colegas apparatchiks ortodoxos lutaram por uma nova lei que eles mesmos redigiram, e que Yeltsin aprovou em 1997. Esse foi o fim da liberdade religiosa para todos na Rússia, e o ROC conseguiu todos os proteção e privilégios que desejava ao mesmo tempo. A partir dessa data, novas leis se somaram a esta, restringindo ainda mais a liberdade religiosa na Rússia, que agora está prestes a se tornar um sério concorrente da China no que diz respeito à repressão religiosa.

Para o ROC, a liberdade de religião é a decadência ocidental

Você então entende por que Gorby não recebeu nenhuma atenção do Patriarca Kirill quando ele faleceu. Acho que Gorbachev não se importa muito. No entanto, agora que Kirill foi um dos mais contundentes defensores da guerra russa na Ucrânia, justificando-o com considerações metafísicas, ele definitivamente não poderia ser gentil com aquele que concedeu liberdade a todos os “cultos” ocidentais que ele acredita serem as forças por trás da revolução Maidan na Ucrânia e que são uma ameaça à hegemonia da ROC na antiga área da União Soviética. Os nacionalistas russos, ou devo dizer, os nacionalistas do “mundo russo”, odeiam o Ocidente, por isso odeiam Gorbachev por ter aberto a porta para os crentes nas religiões ocidentais. Elogiam a liberdade quando lhes é concedida e acreditam que os outros não a merecem.

Acreditamos que a liberdade de religião para todos é um direito universal. Eles acreditam que é decadência. Ou acreditam em seus próprios lucros e não querem compartilhar. Seja qual for o motivo, Gorby não era o mocinho para eles. Putin acredita que vendeu a União. Kirill acredita que vendeu a paisagem religiosa da Grande Rússia. Na verdade, Gorbachev não vendeu nada. Ele deu uma certa liberdade ao seu povo, e que, aconteça o que acontecer nos próximos anos, vai ficar e até voltar mais longe. Como o povo da Rússia experimentou a liberdade de religião, eles sempre se lembrarão de que é possível, desejável e, finalmente, vital viver uma vida livre e simples.

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -