6.4 C
Bruxelas
Quarta-feira, fevereiro 1, 2023

O metropolita estoniano Eugene obrigado a expressar sua distância ao Patriarcado de Moscou

IMPORTANTE: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de quem as declara e são de sua responsabilidade. A publicação no The European Times não significa automaticamente o endosso da opinião, mas o direito de expressá-la.

Central de notícias
Central de notíciashttps://www.europeantimes.news
O European Times News visa cobrir notícias importantes para aumentar a conscientização dos cidadãos em toda a Europa geográfica.

Metropolita da Estônia Eugene: Não concordo que todos os pecados dos soldados mortos no cumprimento de seu dever militar serão perdoados

Em 12 de outubro de 2022, o metropolita Eugene de Tallinn e toda a Estônia enviou ao Ministro do Interior do país Lauri Laanemets e à Ministra da Justiça Lea Danilson-Jarg uma resposta à carta recebida pelo Ministério do Interior em 7 de outubro de 2022.

Em sua resposta, o Metropolita Eugênio de Tallinn e de toda a Estônia afirmou que diverge da afirmação do Patriarca russo em seu sermão de 25 de setembro deste ano. Ele afirmou não concordar “que todos os pecados dos soldados mortos na execução dos militares sejam perdoados”. Teólogos já comentaram que a carta provavelmente trará resultados e reduzirá as tensões nas relações com o Estado, mas não convencerá a sociedade estoniana de que a Igreja Ortodoxa estoniana não apóia a ideologia militar do Patriarcado de Moscou.

Segue o texto completo da resposta:

“Ao Ministro do Interior da República da Estônia

Ministro da Justiça da República da Estônia

Prezado Sr. Lauri Lyaanemets

Prezada Sra. Lea Danilson-Yarg

Em carta datada de 07.10.2022, dirigida a mim e ao Sínodo de nossa igreja, o Vice-Chanceler do Ministério do Interior, Sr. Raivo Kuit, me pediu (com advertência para iniciar um procedimento para revogar minha residência temporária permissão) para fazer uma declaração pública na mídia até 12.10.2022 na qual

1) expressar de forma inequívoca e clara se compartilho ou não das opiniões de Sua Santidade o Patriarca Kirill de Moscou e de Toda a Rússia, expressa em seu sermão de 09/25/2022, justificando as ações militares da Federação Russa em Ucrânia;

2) convencer o Ministério do Interior e o público estoniano de que a Igreja Ortodoxa da Estônia – Patriarcado de Moscou não realiza nenhuma atividade incitante na Estônia que possa ser provocada pela pregação de Sua Santidade o Patriarca Kirill de Moscou e de toda a Rússia, e faz não propagar tal ideologia.

Em resposta a este recurso, declaro o seguinte:

1. Em sua atividade, nossa igreja é guiada pelo Estatuto da Igreja Ortodoxa da Estônia – MP e pelas leis da República da Estônia.

Com base no ensino ortodoxo, a Igreja Ortodoxa da Estônia se opõe à guerra e apoia a paz e a resolução pacífica de todos os conflitos, o que foi confirmado na declaração do Sínodo da Igreja Ortodoxa da Estônia em 6 de outubro deste ano.

A este respeito, gostaria de informar que não compartilho o que Sua Santidade o Patriarca Kirill disse em seu sermão de 25 de setembro de 2022 sobre o perdão de todos os pecados dos soldados mortos no cumprimento do dever.

Em 19 de março deste ano, juntei-me à declaração do Conselho de Igrejas da Estônia condenando a guerra e pedindo o fim das hostilidades. Minha posição não mudou desde então.

2. Para convencer o governo da Estônia e o público de que a Igreja Ortodoxa da Estônia – MP não está espalhando uma ideologia pedindo guerra na Estônia, devo começar com o seguinte:

No discurso do Sínodo da Igreja Ortodoxa da Estônia – MP em conexão com a guerra em curso na Ucrânia, afirmamos solenemente à nossa congregação e ao povo da Estônia que oramos a Deus pelo fim imediato desta guerra, assim como todas as igrejas cristãs na Estônia. Em todas as nossas igrejas, durante cada liturgia, são oferecidas orações pelo fim da guerra e pela breve restauração da paz em solo ucraniano.

Desde o início das hostilidades em Ucrânia, exortei meus pais a não cederem a sentimentos de inimizade e ódio, a não se envolverem em discussões políticas, especialmente no ambiente da igreja, mas a se empenharem em ajudar os refugiados que ficaram sem casa e meios de subsistência. As doações de 10,000 euros coletadas em nossas igrejas foram transferidas para a conta do MTÜ Eesti Pagulasabi. Os paroquianos da nossa igreja trabalham nos centros de acolhimento de refugiados, ajudando a recolher roupas, alimentos e produtos de primeira necessidade e, quando possível, também ajudam a resolver os problemas de alojamento. Nossos padres forneceram e continuam a fornecer apoio espiritual aos refugiados ucranianos que vêm às igrejas da Igreja Ortodoxa da Estônia – Patriarcado de Moscou.

Atualmente na Estônia existem 38 paróquias da Igreja Ortodoxa Estoniana – Patriarcado de Moscou, que une a maioria dos crentes ortodoxos em nosso país. Desde março de 2022, quase todas as nossas paróquias têm paroquianos dos refugiados ortodoxos ucranianos que vieram para a Estônia. E isso só pode confirmar que não há propaganda militar e discurso de ódio em nossas paróquias. Tais ações serão rapidamente conhecidas, pois as atividades de cada uma de nossas paróquias são abertas e transparentes.

Quanto ao resto, espero uma troca de pontos de vista significativa na reunião do Ministério da Administração Interna, para a qual sou convidado em 18.10.2022.

Com respeito

Metropolitano de Tallinn e de toda a Estônia Evgeny”

- Propaganda -

Mais do autor

- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda - spot_img

Deve ler

Artigos Mais Recentes