7.2 C
Bruxelas
Sexta-feira, abril 19, 2024
InstituiçõesIsrael-Palestina: A proteção dos civis 'deve ser fundamental' na guerra Guterres diz à Segurança...

Israel-Palestina: A proteção dos civis “deve ser primordial” na guerra, diz Guterres ao Conselho de Segurança

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Conselho de Segurança da ONU tem-se reunido na sede da ONU em Nova Iorque para o que foi um debate aberto trimestral programado sobre o conflito em curso Israel-Palestina, agora com maior urgência devido aos ataques do Hamas de 7 de Outubro e ao aprofundamento da crise humanitária à medida que o bombardeamento israelita da Faixa de Gaza continua . 

O chefe da ONU disse que a situação “está a tornar-se mais terrível a cada hora”, repetindo o seu apelo a um cessar-fogo humanitário imediato. Acompanhe as atualizações das lives aqui:

Alemanha

Annalena Baerbock, ministra das Relações Exteriores da Alemanha, falou reconhecendo o maior crime de todos cometido pelo regime nazista no século passado.

“Nunca mais”, para mim, como alemão, significa que não descansaremos sabendo que os netos dos sobreviventes do Holocausto estão agora mantidos como reféns por terroristas em Gaza, disse o Ministro Federal.

Para a Alemanha, a segurança de Israel não é negociável. Como qualquer outro Estado do mundo, Israel tem o direito de se defender contra o terrorismo no âmbito do direito internacional.  

Abordar a situação dos palestinianos não contradiz de forma alguma esta posição clara e inabalável. É uma parte fundamental disso, declarou ela.

Para uma cobertura completa do debate até agora e das dezenas de oradores que virão sobre a crise Israel-Palestina, você pode visite nossa seção especial de cobertura de reuniões da ONU, aqui.

Egito

Sameh Shoukry Ministro das Relações Exteriores do Egito disse que “os territórios palestinos estão passando por desenvolvimentos horríveis”, observando que milhares de pessoas foram mortas ali, incluindo milhares de crianças. 

“É vergonhoso que alguns continuem a justificar o que está a acontecer, citando o direito à legítima defesa e à resistência ao terrorismo”.

Afirmou que o silêncio neste caso equivale a dar a bênção e que apelar ao respeito pelo direito humanitário internacional sem descrever violações específicas equivale a participar nos crimes.

Confira nosso explicador de notícias da ONU publicado na semana passada, descrevendo o que acontece se os embaixadores servindo no Conselho de Segurança não conseguem chegar a acordo sobre uma linha de acção como tem sido o caso até agora com a crise em Gaza.

Diplomata israelense pede renúncia do chefe da ONU

O embaixador israelita na ONU, Gilad Erdan, apelou ao secretário-geral da ONU para “renunciar imediatamente” num tweet às 11.22hXNUMX, e na vigilância fora do Conselho de Segurança. O ministro das Relações Exteriores, Eli Cohen, também tuitou que não se reuniria hoje com o chefe da ONU para uma reunião bilateral programada. 

O Embaixador Erdan disse aos repórteres na vigilância que, ao notar que os ataques do Hamas “não aconteceram no vácuo” no seu discurso ao Conselho, o chefe da ONU estava a “justificar o terrorismo”.

Em resposta a questões relativas ao tweet do Ministro dos Negócios Estrangeiros, o porta-voz da ONU, Stéphane Dujarric, disse que o Secretário-Geral se reuniria com representantes das famílias dos reféns detidos pelo Hamas em Gaza, acrescentando que seriam acompanhados por um representante da Missão Permanente de Israel no UN.  

480?&flashvars[parentDomain]=https%3A%2F%2Fnews.un Israel-Palestina: A proteção dos civis 'deve ser fundamental' na guerra, diz Guterres ao Conselho de Segurança

China

Embaixador da China, Zhang Jun disse que “os olhos do mundo inteiro estão voltados para esta Câmara”, apelando ao Conselho para enviar uma mensagem poderosa e unida.

Isto inclui um cessar-fogo imediato, que o Conselho deve expressar em linguagem clara e inequívoca. Caso contrário, a solução de dois Estados poderá ficar comprometida. Os Estados devem defender uma consciência moral e não padrões duplos.

O Embaixador Zhang Jun da China discursa na reunião do Conselho de Segurança da ONU sobre a situação no Médio Oriente, incluindo a Questão Palestiniana.
UN Photo/Eskinder Debebe – O Embaixador Zhang Jun da China discursa na reunião do Conselho de Segurança da ONU sobre a situação no Médio Oriente, incluindo a Questão Palestiniana.

Voltando-se para a situação humanitária em Gaza, ele disse que são necessários esforços urgentes. Os suprimentos de ajuda atualmente autorizados a entrar no enclave são “uma gota no oceano”. O cerco total a Gaza deve ser levantado juntamente com a punição colectiva dos palestinianos.

Neste sentido, apelou a Israel para que cessasse os seus ataques e permitisse a entrega de ajuda, acrescentando que o direito humanitário internacional deve ser respeitado. O Conselho deve defender o Estado de direito a todos os níveis e opor-se a quaisquer violações, disse ele.

A causa profunda do conflito reside na ocupação prolongada do território palestino e na falta de respeito pelos seus direitos, disse ele, acrescentando que as ações do Conselho não devem desviar-se disso.

Palestinos fazem fila por água em Gaza.
© OMS/Ahmed Zakot – Palestinos fazem fila por água em Gaza.

Rússia

Vasily Nebenzya Embaixador da Rússia na ONU disse ser lamentável que a reunião tenha ocorrido no Dia da ONU, tendo como pano de fundo uma violência “sem precedentes” que causou vítimas “catastróficas” de ambos os lados, com russos entre as vítimas.

O número de mortos e feridos “testemunha o facto de que a escala do desastre humanitário na Faixa de Gaza excedeu todas as nossas piores imaginações”, disse ele.

Os “atos terríveis” de 7 de Outubro e os “acontecimentos trágicos” que se seguiram foram o resultado de anos de “posições destrutivas” que Washington tinha assumido, acusando os EUA de sabotar potenciais soluções para o conflito prolongado na região.

O Embaixador Vassily Nebenzia da Federação Russa discursa na reunião do Conselho de Segurança da ONU sobre a situação no Médio Oriente, incluindo a Questão Palestiniana.
ONU Photo/Manuel Elías – O Embaixador Vassily Nebenzia da Federação Russa discursa na reunião do Conselho de Segurança da ONU sobre a situação no Oriente Médio, incluindo a Questão Palestina.

“Nós, juntamente com muitos outros, alertamos há vários anos que a situação está à beira da explosão e a explosão ocorreu”, disse Nebenzya.

“Esta crise mostrou mais uma vez que sem uma solução justa do conflito israelo-palestiniano, em conformidade com as resoluções do Conselho de Segurança e da Assembleia Geral e com base nas decisões internacionais aprovadas sobre a solução de dois Estados, a estabilização regional estará fora de alcance”, acrescentou. , reiterando a posição da Rússia de que é necessário um processo de negociação sustentável.

“Depois disto, deve haver o estabelecimento de um Estado Palestino soberano, dentro das fronteiras de 1967, com Jerusalém Oriental como sua capital, coexistindo em paz e segurança com Israel.”

Reino Unido

Tom Tugendhat, o Ministro da Segurança do Reino Unido expressou apoio resoluto ao direito de Israel à autodefesa. Ao mesmo tempo, reconheceu que os palestinianos estão a sofrer, observando que o Reino Unido comprometeu 37 milhões de dólares adicionais para apoiar os civis em Gaza.

“Temos de evitar que este conflito provoque conflitos para além de Gaza e envolva toda a região numa guerra”, disse ele, apontando para os ataques do Hezbollah na fronteira norte de Israel e para o aumento das tensões na Cisjordânia. “É do interesse dos civis israelitas e palestinianos e de todos os Estados da região que este conflito não se alastre ainda mais.”

O Ministro das Relações Exteriores, Tom Tugendhat, do Reino Unido, discursa na reunião do Conselho de Segurança da ONU sobre a situação no Oriente Médio, incluindo a Questão Palestina.
ONU Photo/Manuel Elías – O Ministro das Relações Exteriores, Tom Tugendhat, do Reino Unido, discursa na reunião do Conselho de Segurança da ONU sobre a situação no Oriente Médio, incluindo a Questão Palestina.

A posição de longa data do Reino Unido no Processo de Paz no Médio Oriente apoia um acordo negociado que conduza a um Israel seguro e protegido que viva ao lado de um Estado palestiniano viável e soberano.

“Os acontecimentos da semana passada mostram com total clareza a necessidade de atingir estes objetivos”, afirmou. “A esperança e a humanidade devem vencer.”

França

Catherine Colonna Ministra da Europa e dos Negócios Estrangeiros de França disse que já é “mais do que tempo” de o Conselho assumir o seu dever de condenar o ataque do Hamas em Israel.

A França apoia firmemente Israel, que tem o direito de se defender, respeitando ao mesmo tempo o direito humanitário internacional. Na verdade, todas as vidas civis devem ser protegidas, sublinhou.

A Ministra das Relações Exteriores, Catherine Colonna, da França, discursa na reunião do Conselho de Segurança da ONU sobre a situação no Oriente Médio, incluindo a Questão Palestina.
UN Photo/Eskinder Debebe – A Ministra das Relações Exteriores, Catherine Colonna, da França, discursa na reunião do Conselho de Segurança da ONU sobre a situação no Oriente Médio, incluindo a Questão Palestina.

O acesso rápido e seguro à ajuda é urgentemente necessário em Gaza; “cada minuto conta”, disse ela, apelando a pausas humanitárias e a uma trégua que possa levar a uma paz sustentada, sublinhando a contínua prestação de ajuda por parte da França ao enclave.

Ao mesmo tempo, o Conselho deve mobilizar-se e exercer plenamente as suas responsabilidades, acrescentou.

“É nosso dever preparar o caminho para a paz”, disse ela. “A única solução viável é a solução de dois Estados. Precisamos fazer tudo o que pudermos. Este Conselho deve agir e deve agir agora.”

Estados Unidos

Secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken disse aos embaixadores à volta da mesa em forma de ferradura que entre as mais de 1,400 pessoas que o Hamas matou em 7 de Outubro estavam cidadãos de mais de 30 Estados-membros da ONU, incluindo americanos.

“Cada um de nós tem um interesse, cada um de nós tem uma responsabilidade na derrota do terrorismo”, disse ele.

Ele também sublinhou a necessidade vital de proteger os civis, acrescentando que Israel tem “o direito e a obrigação” de se defender e “a forma como o faz é importante”.

O Secretário de Estado dos EUA, Antony J. Blinken, discursa na reunião do Conselho de Segurança sobre a situação no Médio Oriente, incluindo a questão palestina.
ONU Photo/Manuel Elías – O secretário de Estado dos EUA, Antony J. Blinken, discursa na reunião do Conselho de Segurança sobre a situação no Oriente Médio, incluindo a questão palestina.

O secretário Blinken disse que o Hamas não representa o povo palestino e que os civis palestinos não são culpados pela “carnificina” cometida pelos militantes.

“Os civis palestinos devem ser protegidos, o que significa que o Hamas deve parar de usá-los como escudos humanos. É difícil pensar em um ato de maior cinismo”, disse ele.

Ele observou que Israel deve tomar todas as precauções possíveis para evitar danos aos civis e que alimentos, água, medicamentos e outra assistência humanitária devem poder fluir para Gaza e para as pessoas que deles necessitam.

Ele também disse que os civis devem ser capazes de sair do perigo, instando a consideração de pausas humanitárias.

No meio da violência implacável, famílias fogem das suas casas destruídas no bairro de Tal al-Hawa, procurando refúgio no sul da Faixa de Gaza.
© UNICEF/Eyad El Baba – No meio da violência implacável, famílias fogem das suas casas destruídas no bairro de Tal al-Hawa, procurando refúgio no sul da Faixa de Gaza.

Brazil

Maura Viera Ministra das Relações Exteriores do Brasil sublinhou que, ao abrigo do Direito Internacional Humanitário, Israel, como potência ocupante, “tem a obrigação legal e moral” de proteger a população de Gaza.

“Os acontecimentos recentes em Gaza são particularmente preocupantes, incluindo a chamada ordem de evacuação, que está a conduzir a um nível de miséria sem precedentes para pessoas inocentes.”

O Ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, do Brasil, discursa na reunião do Conselho de Segurança da ONU sobre a situação no Oriente Médio, incluindo a Questão Palestina.
UN Photo/Eskinder Debebe – O Ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, do Brasil, discursa na reunião do Conselho de Segurança da ONU sobre a situação no Oriente Médio, incluindo a Questão Palestina.

Acrescentou que a quantidade de ajuda que flui para Gaza através da passagem de Rafah é “certamente insuficiente” para satisfazer as necessidades da população civil no enclave, observando que a falta de energia está a afectar os profissionais de saúde e os hospitais – com o abastecimento de água potável muito limitado.

“Os civis devem ser respeitados e protegidos em todos os momentos e em todos os lugares”, sublinhou o Ministro, lembrando que todas as partes devem “cumprir estritamente” as suas obrigações ao abrigo do direito internacional.

“Destaco a este respeito o princípio fundamental da distinção, proporcionalidade, humanidade, necessidade e precaução que deve orientar e informar todas as ações e operações militares”, afirmou.

Israel

11.04: O ministro das Relações Exteriores de Israel, Eli Cohen segurando uma colagem dos sequestrados pelo Hamas, disse que a situação dos reféns é um “pesadelo vivo”. Relembrando o ataque de 7 de Outubro a Israel, disse que o dia “ficará na história como um massacre brutal” e um “alerta” contra o extremismo e o terrorismo.

O Ministro das Relações Exteriores, Eli Cohen, de Israel, discursa na reunião do Conselho de Segurança da ONU sobre a situação no Oriente Médio, incluindo a questão palestina.
ONU Photo/Manuel Elías – O Ministro das Relações Exteriores, Eli Cohen, de Israel, discursa na reunião do Conselho de Segurança da ONU sobre a situação no Oriente Médio, incluindo a questão palestina.

“O Hamas é os novos nazis”, disse ele, apelando ao acesso imediato aos reféns e à sua libertação incondicional.

O Catar poderia facilitar. 

“Vocês, membros da comunidade internacional, deveriam exigir que o Catar fizesse exatamente isso”, disse ele. “A reunião deve terminar com uma mensagem clara: traga-os para casa.”

Israel tem o direito e o dever de se defender, disse ele. “Não é apenas a guerra de Israel. É a guerra do mundo livre.”

A resposta proporcional ao massacre de 7 de Outubro é “uma questão de sobrevivência”, disse ele, agradecendo às nações por apoiarem Israel.

“Vamos vencer porque esta guerra é para toda a vida; esta guerra deve ser a sua guerra também”, disse ele. Neste momento, o mundo enfrenta uma “escolha clara de clareza moral”.

“Alguém pode fazer parte do mundo civilizado ou estar rodeado pelo mal e pela barbárie”, disse ele. "Não há meio termo."

Se todas as nações não se mantiverem decisivamente na missão de Israel de “eliminar os monstros da face da Terra”, ele disse que esta será “a hora mais negra da ONU” que “não terá qualquer justificação moral para existir”.

O Ministro das Relações Exteriores, Riad Al-Malki, do Estado da Palestina, discursa na reunião do Conselho de Segurança sobre a situação no Oriente Médio, incluindo a questão palestina.
ONU Photo/Eskinder Debebe – O Ministro das Relações Exteriores, Riad Al-Malki, do Estado da Palestina, discursa na reunião do Conselho de Segurança sobre a situação no Oriente Médio, incluindo a questão palestina.

Estado da Palestina

10.45Riyad al-Maliki Ministro das Relações Exteriores do Estado da Palestina afirmou que o Conselho de Segurança e a comunidade internacional têm o dever e a obrigação de salvar vidas.

“O fracasso contínuo neste Conselho [de Segurança] é indesculpável”, sublinhou.

Ele enfatizou que apenas “o direito internacional e a paz” eram dignos de apoio incondicional por parte dos países, acrescentando que “mais injustiça e mais matança não tornarão Israel mais seguro”.

“Nenhuma quantidade de armas, nenhuma aliança lhe trará segurança – apenas a paz o fará, a paz com a Palestina e o seu povo”, disse ele, afirmando: “o destino do povo palestino não pode continuar a ser a desapropriação, o deslocamento, a negação de direitos e a morte. Nossa liberdade é a condição para compartilhar paz e segurança.”

Al-Maliki sublinhou que, para evitar uma catástrofe humanitária ainda maior e repercussões regionais, “deve ficar claro que isto só pode ser alcançado pondo fim imediato à guerra israelita lançada contra o povo palestiniano na Faixa de Gaza. Pare o derramamento de sangue.”

480?&flashvars[parentDomain]=https%3A%2F%2Fnews.un Israel-Palestina: A proteção dos civis 'deve ser fundamental' na guerra, diz Guterres ao Conselho de Segurança

'A humanidade pode prevalecer'

Informando o Conselho, Lynn Hastings, Coordenador Humanitário da ONU no Território Palestino Ocupado, disse que o acordo sobre a retomada das entregas de ajuda através da travessia de Rafah, no Egito, e a libertação de um pequeno número de reféns nos últimos dias “mostra que através da diplomacia e da negociação, a humanidade pode prevalecer , e podemos encontrar soluções humanitárias, mesmo nas profundezas do conflito".

O mundo está olhando
para o membro
Estados em torno disso
Conselho a desempenhar o seu papel

Lynn Hastings

Instando todos os países com influência a exercê-la e a garantir o respeito pela Direito Internacional Humanitário, ela disse que os civis devem ter o essencial para sobreviver. Como tal, a passagem da ajuda humanitária rápida e desimpedida deve ser facilitada e as ligações de água e electricidade devem ser retomadas, acrescentou.

Ela disse que mais 20 caminhões deverão passar hoje pela passagem de Rafah “embora estejam atualmente atrasados”. Ela disse que a ONU estava determinada “a fazer a nossa parte para garantir que essas entregas continuem”.

Ela prestou homenagem aos 35 colegas da agência de ajuda humanitária da ONU à Palestina (UNRWA) que foram tragicamente mortos durante o bombardeio israelense. 

As partes de todos os lados “devem ter cuidado constante, para poupar os civis”, com a retomada das ligações de água e eletricidade, de acordo com as regras da guerra. 

10.38: “Se quisermos evitar qualquer queda nesta catástrofe humanitária, o diálogo deve continuar – para garantir que suprimentos essenciais possam chegar a Gaza na escala necessária, para poupar os civis e a infraestrutura da qual dependem, para libertar reféns, e para evitar qualquer escalada e repercussões adicionais”, disse ela. “O mundo espera que os Estados-Membros em torno deste Conselho desempenhem o seu papel na liderança do caminho.”

480?&flashvars[parentDomain]=https%3A%2F%2Fnews.un Israel-Palestina: A proteção dos civis 'deve ser fundamental' na guerra, diz Guterres ao Conselho de Segurança

'As apostas são astronomicamente altas': Wennesland

Abordando o risco actual de expansão do conflito para toda a região o Coordenador Especial da ONU para o Processo de Paz no Médio Oriente Tor Wennesland, disse que ele e o Secretário-Geral da ONU têm procurado “toda e qualquer oportunidade” para resolver a situação no terreno e para evitar mais mortes e miséria de civis.

10.28: “É fundamental que nós, como comunidade internacional unida, empreguemos todos os nossos esforços colectivos para acabar com o derramamento de sangue e evitar uma maior expansão das hostilidades, inclusive na região”, disse ele. “Os riscos são astronomicamente elevados e apelo a todos os intervenientes relevantes para que atuem de forma responsável. "

Qualquer erro de cálculo pode ter “consequências imensuráveis”, advertiu, acrescentando que estes acontecimentos devastadores não estavam divorciados do contexto mais amplo do Território Palestiniano Ocupado, de Israel e da região.

Durante uma geração, a esperança foi perdida, sublinhou.

“Só uma solução política nos fará avançar”, disse ele. “As medidas que tomamos para enfrentar esta crise devem ser implementadas de uma forma que, em última análise, promova uma paz negociada que satisfaça as aspirações nacionais legítimas dos palestinianos e dos israelitas – a visão de longa data de dois Estados, em linha com as resoluções da ONU, o direito internacional e acordos anteriores.”

'Mais terrível a cada hora': Guterres

10.11: O Sr. Guterres fez o que chamou de uma introdução à crise actual, dizendo que a situação no Médio Oriente é “ficando mais terrível a cada hora".

“As divisões estão a fragmentar as sociedades e as tensões ameaçam transbordar”, disse ele.

“É vital ter princípios claros”, acrescentou, começando pela protecção dos civis.

O Secretário-Geral Guterres sublinhou a necessidade de um cessar-fogo humanitário imediato, “para aliviar o sofrimento épico, tornar a entrega de ajuda mais fácil e segura e facilitar a libertação de reféns”.

Assista aos comentários completos do chefe da ONU aqui:

480?&flashvars[parentDomain]=https%3A%2F%2Fnews.un Israel-Palestina: A proteção dos civis 'deve ser fundamental' na guerra, diz Guterres ao Conselho de Segurança

Salientou também que o mundo não pode perder de vista a única base realista para a paz e a estabilidade no Médio Oriente – uma solução de dois Estados.

“Os israelitas devem ver a sua necessidade legítima de segurança materializada e os palestinianos devem ver a sua necessidade legítima de um Estado independente concretizada, em conformidade com as resoluções da ONU, o direito internacional e acordos anteriores.”

O que está em jogo

Esta será a quarta vez que os 15 embaixadores do principal órgão de paz e segurança da ONU se reunirão desde o início do intenso ciclo de violência.

Você pode acompanhar todos os procedimentos ao vivo no X transmitido por nossos colegas da ONU Web TV – clique no tweet aqui na página, ou clique no vídeo incorporado na área principal da foto desta história.

Até agora, não há acordo sobre qualquer acção para aliviar o sofrimento dos civis apanhados no conflito crescente entre militantes do Hamas, que controlam o enclave de mais de dois milhões de palestinianos.

O Conselho não adoptou dois projectos de resolução anteriores que abordavam a escalada. O primeiro da Rússia a pedir um cessar-fogo imediato não conseguiu votos suficientes, enquanto um projecto brasileiro foi vetado pelos Estados Unidos. Embora tenham apelado a pausas humanitárias para o acesso à ajuda, os EUA objectaram decididamente ao facto de não mencionar o direito de Israel à autodefesa.

O chefe da ONU, António Guterres, deverá informar hoje juntamente com o Coordenador Especial da ONU para o Processo de Paz no Médio Oriente, Tor Wennesland. 

A Coordenadora Humanitária da ONU para o Território Palestino Ocupado, Lynn Hastings, também foi breve. Ela também recebeu o mandato de vice-coordenadora especial.

Também participarão ministros das Relações Exteriores de vários países.

Até agora, 92 países diferentes inscreveram-se para falar.

Hoje é também o Dia das Nações Unidas, assinalando-se 78 anos desde a Carta das Nações Unidas entrou em vigor. Numa declaração, o chefe da ONU disse que “nesta hora crítica, Apelo a todos para que se afastem do abismo antes que a violência ceife ainda mais vidas e se espalhe ainda mais.”

UN Photo/Eskinder Debebe – Os 15 membros do Conselho de Segurança da ONU reúnem-se para discutir o conflito em Gaza.

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -