13.9 C
Bruxelas
Wednesday, May 22, 2024
SaúdeACNUDH e OMS lançaram diretrizes para acabar com os maus-tratos nos serviços de saúde mental

ACNUDH e OMS lançaram diretrizes para acabar com os maus-tratos nos serviços de saúde mental

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Juan Sanches Gil
Juan Sanches Gil
Juan Sanchez Gil - em The European Times Notícias - Principalmente nas linhas de trás. Reportando questões de ética corporativa, social e governamental na Europa e internacionalmente, com ênfase em direitos fundamentais. Dando voz também àqueles que não são ouvidos pela mídia em geral.

Em antecipação ao Dia Mundial da Saúde Mental, a Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Gabinete do Alto Comissariado para os Direitos Humanos (ACNUDH) apresentaram hoje em conjunto uma orientação intitulada “Orientação e Prática para Saúde Mental, Direitos Humanos e Legislação.” O objectivo é apoiar os países em reformar as suas leis para eliminar as violações dos direitos humanos e melhorar o acesso a cuidados de saúde mental de qualidade.

Abusos dos direitos humanos e práticas coercitivas em psiquiatria

Os casos de abusos dos direitos humanos e de práticas coercivas no domínio dos cuidados de saúde persistem em todo o mundo, muitas vezes apoiados pelas leis e políticas existentes. Estes incluem hospitalização e tratamento de condições de vida precárias, bem como físico, maus-tratos psicológicos e emocionais prevalentes em vários serviços de saúde mental.

Embora vários países tenham feito esforços para rever as suas leis, políticas e serviços desde a adopção da Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência em 2006, apenas um número limitado tomou medidas para alterar a legislação relevante numa escala significativa. Isto é necessário para pôr fim a estes abusos e promover os direitos no âmbito dos cuidados de saúde mental.

Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus, Diretor Geral da OMS enfatiza que “A saúde mental é um componente indissociável do direito à saúde. "

Ele também argumenta que isso orientação atualizada permitirá aos países fazer mudanças para prestar cuidados de saúde mental de alta qualidade que promovam a recuperação dos indivíduos e respeitem a sua dignidade. Isto capacita as pessoas com problemas de saúde e deficiências psicossociais a levarem vidas plenas e saudáveis ​​nas suas comunidades.

Volker Turk, o Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos sublinha a importância de transformar os serviços de saúde mental não só em termos do seu alcance, mas também nos seus valores fundamentais, garantindo que estejam verdadeiramente alinhados com as necessidades e a dignidade de cada pessoa. Afirma que esta publicação oferece orientações sobre como uma abordagem baseada nos direitos pode facilitar a transformação necessária nos sistemas de saúde.

Incentivar cuidados de saúde mental eficazes baseados nas comunidades

A maior parte da despesa governamental em saúde mental é atribuída a hospitais psiquiátricos, especialmente em países de rendimento elevado, que representam 43% do orçamento. Contudo, as evidências mostram que os serviços de cuidados de base comunitária não são apenas mais acessíveis, mas também mais rentáveis ​​e eficientes em comparação com os modelos institucionais de cuidados de saúde mental.

A orientação descreve os passos para acelerar o processo de desinstitucionalização e estabelecer uma abordagem orientada para a comunidade aos cuidados de saúde mental com base nos princípios dos direitos humanos. Isto inclui a implementação de legislação que substitua gradualmente as instituições por sistemas de apoio comunitário inclusivos e serviços convencionais, como apoio ao rendimento, assistência à habitação e redes de apoio entre pares.

Acabando com as práticas abusivas

Segundo os participantes do evento de lançamento e todos os que participaram das orientações, é fundamental acabar com práticas coercitivas em saúde mental. Estas práticas, como a detenção e o tratamento forçado, o isolamento e as restrições, violam o direito dos indivíduos de tomarem decisões informadas sobre os seus próprios cuidados de saúde e opções de tratamento.

Além disso, há evidências crescentes que mostram os efeitos destas práticas coercivas no bem-estar físico e mental. Eles pioram as condições existentes e isolar os indivíduos das suas redes de apoio.

A orientação sugere a incorporação de disposições que eliminem a coerção nos serviços de saúde mental. Enfatiza a importância de estabelecer o consentimento informado como a pedra angular de todas as intervenções de saúde mental. Além disso, fornece recomendações sobre como lidar com os casos dentro dos quadros jurídicos e políticos sem recorrer a medidas coercivas.

Adotando uma abordagem de saúde mental baseada em direitos

Reconhecendo que a promoção da saúde vai além do sector da saúde, esta nova orientação dirige-se aos legisladores e decisores políticos envolvidos na elaboração, alteração e implementação de leis relacionadas com a saúde mental. Isto inclui legislação que aborda questões como a pobreza, a desigualdade e a discriminação.

A orientação também inclui uma lista de verificação para os países avaliarem se a sua legislação relacionada com a saúde está alinhada com as obrigações internacionais em matéria de direitos humanos. Além disso, destaca a importância de procurar aconselhamento de indivíduos que tenham experiências e das organizações que os representam como parte essencial deste processo. Também enfatiza a importância da educação e da sensibilização sobre questões relacionadas com os direitos.

Embora as orientações sugiram um conjunto de princípios e disposições que podem servir de enquadramento para a legislação, reconhecem que os países têm flexibilidade para os adaptar e adaptar de acordo com as suas circunstâncias específicas. Isto inclui considerar factores como o contexto, as línguas, as sensibilidades culturais, os sistemas jurídicos e muito mais – tudo isto ao mesmo tempo que defendemos os padrões de direitos humanos.

No dia 10 de outubro, a Organização Mundial da Saúde (OMS) juntou-se às comunidades na celebração do Dia Mundial da Saúde Mental de 2023 sob o tema “A saúde mental é um direito fundamental, para todos”.


Grande e importante lista de Agradecimentos

O desenvolvimento e a coordenação deste Guia foram liderados por Michelle Funk e Natalie Drew Bold sob a supervisão geral de Dévora Kestel do Departamento de Saúde Mental e Uso de Substâncias da Organização Mundial da Saúde (OMS) em conjunto com a Seção de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais do Gabinete do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH). Equipe de redatores Esta publicação foi escrita em conjunto pela OMS e pelo ACNUDH. Em nome da OMS Alberto Vásquez Encalada (Consultor, Suíça), Michelle Funk (Departamento de Saúde Mental e Uso de Substâncias, OMS) e Natalie Drew Bold (Departamento de Saúde Mental e Uso de Substâncias, OMS). Em nome dos membros do pessoal do ACDH da Secção dos Direitos Económicos, Sociais e Culturais. WHO and OHCHR would like to thank the following individuals and organizations for their valuable contributions, feedback and inputs: External contributors and reviewers Natalie Abrokwa (University of Groningen, Kingdom of the Netherlands), Nazish Arman (Shuchona Foundation, Bangladesh), Peter Bartlett (Centre for Mental Health and Human Rights, Institute of Mental Health, Nottingham University/WHO Collaborating Centre on Mental Health, Disability and Human Rights, United Kingdom of Great Britain and Northern Ireland), Shreya Bhardwaj (Charles University, Czech Republic), Valerie Bichelmeier (Make Mothers Matter, France), Joann Bond (Attorney General’s Chambers and the Ministry of Legal Affairs, Guyana), Mauro Giovanni Carta (University of Cagliari, Italy), Francesca Centola (Mental Health Europe, Belgium), Pyali Chatterjee (ICFAI University, India), Dixon Chibanda, (Friendship Bench and University of Zimbabwe, Zimbabwe), María Soledad Cisternas (former Special Envoy of the United Nations Secretary-General on Disability and Accessibility, Chile), Lee Allison Clark (Native Women’s Association of Canada, Canada), Jarrod Clyne (International Disability Alliance, Switzerland), Ria Mohammed-Davidson (Attorney at Law, Human Rights and Mental Health, Trinidad and Tobago), Maria de Lourdes Beldi de Alcântara (Universidade de São Paulo, Brazil), Eric Diaz Mella (Centro de Reorganimación Regional y Observatorio Social, Chile), Robert Dinerstein (American University Washington College of Law, the United States of America), Zuzana Durajová (Charles University, Czech Republic), Julian Eaton (CBM Global, the United Kingdom), Elisabetta Pascolo Fabrici (Azienda Sanitaria Universitaria Giuliano Isontina (ASUGI)/WHO Collaborating Centre for Research and Training in Mental Health, Italy), Alexandra Finch (Georgetown University, the United States), Leon Garcia (Centro and Hospital das Clínicas, Brazil), Neeraj Gill (Griffith University, Australia), Guilherme Gonçalves Duarte (Permanent Mission of Portugal in Geneva, Ministry of Foreign Affairs, Portugal), Piers Gooding (La Trobe Law School, Australia), Lawrence Gostin (O’Neill Institute for National and Global Health Law at Georgetown University Law Center, Georgetown University/WHO Collaborating Center for National and Global Health Law, the United States), Kristijan Grđan (Association for Psychological Support Croatia, Croatia, and Mental Health Europe, Belgium), Vivian Hemmelder (Mental Health Europe, Belgium), Edgar Hilario (Department of Health, Philippines), Torsten Hjelmar (Citizens Commission on Human Rights Europe, Denmark), Mushegh Hovsepyan (Disability Rights Agenda, Armenia), Dr Irmansyah (The National Research and Innovation Agency, Indonesia), Simon Njuguna Kahonge (Ministry of Health, Kenya), Olga Kalina (Georgian Network of (Ex)Users and Survivors of Psychiatry, Georgia, and the European Network of (Ex)Users and Survivors of Psychiatry (ENUSP), Denmark), Elizabeth Kamundia (Kenya National Commission on Human Rights, Kenya), Sylvester Katontoka (Mental Health Users Network of Zambia, Zambia), Brendan Kelly (Trinity College Dublin, Ireland), Hansuk Kim (Ministry of Health and Welfare, Republic of Korea), Seongsu Kim (Dawon Mental Health Clinic, Republic of Korea), Bernard Kuria (Ministry of Health, Kenya), Karilė Levickaitė (NGO Mental Health Perspectives, Lithuania, and Mental Health Europe, Belgium), Carlos Augusto de Mendonça Lima (World Psychiatric Association Section of Old Age Psychiatry, Switzerland), Laura Marchetti (Mental Health Europe, Belgium), Claudia Marinetti (Mental Health Europe, Belgium), Nemache Mawere (Ingutsheni Central Hospital, Zimbabwe), Felicia Mburu (Article 48 Initiative, Kenya), Roberto Mezzina (International Mental Health Collaborating Network and World Federation for Mental Health, Italy), Kendra Milne (Health Justice, Canada), Angelica Chiketa Mkorongo (Zimbabwe Obsessive Compulsive Disorder Trust, Zimbabwe), Guadalupe Morales Cano (Fundación Mundo Bipolar and European Network of (Ex)Users and Survivors of Psychiatry, Spain), Fabian Musoro (Ministry of Health, Zimbabwe), Macharia Njoroge (Championing for Community Inclusion in Kenya, Kenya), Nasri Omar (Ministry of Health, Kenya), Cheluchi Onyemelukwe-Onuobia (Babcock University, Nigeria), Hazel Othello (Ministry of Health, Trinidad and Tobago), Gemma Parojinog (Commission on Human Rights, Philippines), Soumitra Pathare (Indian Law Society, India), Eduardo Pinto da Silva (Ministry of Foreign Affairs, Portugal), Gerard Quinn (UN Special Rapporteur on the Rights of Persons with Disabilities, Ireland), Carlos Rios-Espinosa (Human Rights Watch, the United States), Gabriele Rocca (World Association for Psychosocial Rehabilitation and WAPR Human Rights Committee, Italy), Jean-Luc Roelandt (Service de recherche et de formation en santé mentale, Etablissement Public de Santé Mentale (EPSM) Lille Métropole/Centre collaborateur de l’OMS pour la Recherche et la Formation en Santé mentale, France), Marta Rondon (Instituto Nacional Materno Perinatal, Peru), Artur Sakunts (Helsinki Citizens’ Assembly – HCA Vanadzor, Armenia), San San Oo (Aung Clinic Mental Health Initiative, Myanmar), Liuska Sanna (Mental Health Europe, Belgium), Josep Maria Solé Chavero (Support-Girona Catalonia, Spain), Slađana Štrkalj Ivezić (University Psychiatric Hospital Vrapče, Croatia), Charlene Sunkel (Global Mental Health Peer Network, South Africa), Kate Swaffer (Dementia Alliance International, Australia), Bliss Christian Takyi (St.

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -