10.1 C
Bruxelas
Quarta-feira, fevereiro 21, 2024
InstituiçõesNações UnidasIsrael-Palestina: Gaza cede devido à escassez de combustível, cuidados de saúde em crise

Israel-Palestina: Gaza cede devido à escassez de combustível, cuidados de saúde em crise

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Notícias das Nações Unidas
Notícias das Nações Unidashttps://www.un.org
Notícias das Nações Unidas - Histórias criadas pelos serviços de notícias das Nações Unidas.

ATUALIZADA: O bombardeamento de Gaza teve um impacto devastador nas suas crianças, afirmou o Fundo das Nações Unidas para a Infância UNICEF na terça-feira, com 2,360 mortes relatadas e 5,364 feridos sofridos.

Isto equivale a mais de 400 crianças supostamente mortas ou feridas diariamente. Adicionalmente, mais de 30 crianças israelenses teriam perdido a vida, e dezenas permanecem em cativeiro na Faixa de Gaza. O período de 18 dias é a escalada de hostilidades mais mortal na Faixa de Gaza e em Israel que a ONU testemunhou desde 2006, disse a agência.

Quase todas as crianças na Faixa de Gaza foram expostas a acontecimentos e traumas profundamente angustiantes.

“O assassinato e a mutilação de crianças, o rapto de crianças, os ataques a hospitais e escolas e a negação do acesso humanitário constituem graves violações dos direitos das crianças”, afirmou Adele Khodr, Directora Regional da UNICEF para o Médio Oriente e Norte de África.

“A UNICEF apela urgentemente a todas as partes para que concordem com um cessar-fogo, permitam o acesso humanitário e libertem todos os reféns. Até as guerras têm regras. Os civis devem ser protegidos – especialmente as crianças – e todos os esforços devem ser feitos para poupá-los em todas as circunstâncias.”

Investigadores independentes de direitos humanos pedem acesso

ONU Conselho de Direitos Humanos-mandado Comissão Independente de Inquérito sobre os Territórios Palestinianos Ocupados, apelou a Israel, à Autoridade Palestiniana na Cisjordânia e ao Hamas, que controla Gaza, para apoiarem as suas investigações em curso sobre “crimes graves”, incluindo homicídio, violação e outras formas de violência sexual.

A Comissão foi criada através de uma resolução do Conselho em Maio de 2021, para investigar alegadas violações do direito internacional, incluindo “todas as causas subjacentes de tensões recorrentes…incluindo discriminação e repressão sistemáticas”.

Ao apresentar o seu último relatório à Assembleia Geral na terça-feira, a Comissão afirmou que “condena inequivocamente o assassinato de mais de 1,000 cidadãos israelitas pelo Hamas e outros grupos armados palestinianos, ferindo mais milhares e fazendo mais de 200 reféns, incluindo crianças”.

Os investigadores também condenaram inequivocamente “os ataques militares israelitas que resultaram na morte de milhares de civis palestinianos, bem como de centenas de crianças”.

A Comissão apelou à cessação imediata das hostilidades e ao regresso imediato e seguro de todos os reféns.

A presidente Navi Pillay disse na sua declaração que havia “indicações claras de que crimes internacionais foram e estão sendo cometidos”.

De acordo com o seu documento “e na promoção da justiça e da responsabilização, a Comissão começou imediatamente a recolher e preservar provas”.

Ela disse que eles “não se concentrariam apenas em crimes e violações, mas também identificariam a responsabilidade criminal individual”. 

Cirurgia sem anestesia: OMS

Os médicos têm realizado cirurgias sem anestesia ou outros suprimentos cirúrgicos básicos, informou a Organização Mundial da Saúde da ONU (QUEM) disse numa actualização, observando que o combustível se tornou o “mercadoria mais vital” em Gaza.

Sem ela, “os camiões não podem circular e os geradores não podem produzir eletricidade para hospitais, padarias e fábricas de dessalinização de água”, disse Tamara Alrifai, porta-voz da agência da ONU para os refugiados palestinos (UNRWA).

Até à data, não houve combustível nos comboios de ajuda autorizados até agora.

"Estamos de joelhos pedindo operações humanitárias sustentadas, ampliadas e protegidas”, Agência de saúde da ONU (QUEM) Disse o Diretor de Emergências da Região do Mediterrâneo Oriental, Dr. Rick Brennan.

Ao informar os repórteres do Cairo, ele apelou “a todos aqueles que se encontram numa situação para tomarem uma decisão ou influenciarem os decisores, para nos darem o espaço humanitário para enfrentar esta catástrofe humana”.

Sistema de diligência para ajuda

Os 54 caminhões que cruzaram Gaza vindos do Egito como parte de três comboios desde sábado continham uma mistura de alimentos, suprimentos médicos e itens não alimentares, disse Alrifai.

Em comparação, ela ressaltou que antes do conflito, 500 camiões usados ​​para entrar em Gaza todos os dias – estes incluíam camiões comerciais e pelo menos 100 camiões de ajuda humanitária, cerca de 45 deles transportando combustível.

A Sra. Alrifai sublinhou que a logística, coordenação, transporte e armazenamento dos três comboios de Rafah foram organizados no lado da Faixa de Gaza pela UNRWA. Questionada sobre o risco de segurança de qualquer entrega de combustível cair em mãos erradas, a Sra. Alrifai explicou que, tal como acontece com outros equipamentos, a UNRWA seria responsável por receber e manusear o combustível, e entregá-lo a hospitais e estações de dessalinização de água.

“Temos em vigor um sistema de diligência muito robusto para garantir que tudo o que recebemos seja usado apenas para fins humanitários”, insistiu ela.

Surtos 'apenas uma questão de tempo'

Brennan, da OMS, destacou as terríveis consequências da falta de acesso à água potável, agravadas pela superlotação. Entre um e três litros por pessoa por dia estavam disponíveis em Gaza, enquanto o mínimo absoluto era de 15 litros, disse ele.

As pessoas eram obrigadas a consumir água contaminada e a propagação de doenças infecciosas era “apenas uma questão de tempo”.

Dr. Brennan também disse que a OMS estava trabalhando com a UNRWA para estabelecer um sistema de vigilância de doenças com relatórios diários. As doenças infecciosas mais comuns eram infecções do trato respiratório e diarreia, mas também eram esperadas catapora e infecções de pele como sarna e piolhos.

Instalações de saúde sobrecarregadas

A OMS destacou a extrema gravidade da situação sanitária na Faixa de Gaza, sob bombardeamento israelita durante mais de duas semanas. 

Um em cada três hospitais e duas em cada três clínicas não funcionavam, e as unidades de saúde e os trabalhadores ficaram sobrecarregados com uma enorme carga de casos de trauma, muitos deles com lesões complexas devido a explosões. O Dr. Brennan citou o exemplo do Hospital Al-Shifa na cidade de Gaza, que tinha 1.5 pacientes para cada cama.

Com 1.4 milhões de pessoas deslocadas em todo o território, a sobrelotação era um grande desafio para o sistema de saúde.

“Trabalho na assistência humanitária há 30 anos e não me lembro do número de pessoas deslocadas num período tão curto de tempo”, disse o Dr. Brennan.

Aumento de medicamentos

Alguns dos medicamentos e suprimentos da OMS provenientes dos três comboios autorizados a entrar no enclave já foram entregues a três principais hospitais de referência no sul de Gaza e à Sociedade do Crescente Vermelho Palestino para distribuição às suas duas unidades de saúde e equipes de ambulâncias. 

Eles retiraram caixas de remédios dos caminhões e foram direto para as salas de cirurgia

“Os profissionais de saúde ficaram tão aliviados com os reabastecimentos que retiraram caixas de medicamentos dos camiões e levaram-nos directamente para as salas de operações”, disse a OMS.

Cerca de 200 mulheres por dia têm filhos em Gaza e têm dificuldade em encontrar um local seguro para o parto, alertou a Dra. Brennan. Pode-se esperar que mais da metade deles sofra complicações e corra o risco de não receber os cuidados de que necessitam.

Além disso, sob constante bombardeamento, as necessidades de saúde mental da população são “enormes”, disse ele.

‘A mortalidade aumentará’

O Dr. Brennan destacou a situação dos habitantes de Gaza com condições crónicas, incluindo doenças renais e diabetes, que têm cada vez mais dificuldades no acesso aos serviços. Alertou que sofrerão complicações e que “a mortalidade aumentará”.

Do outro lado da fronteira, no Egito, a OMS afirmou ter medicamentos e equipamentos médicos adicionais de prontidão que são suficientes para fornecer intervenções cirúrgicas a 3,700 pacientes traumatizados, serviços essenciais de saúde para 110,000 pessoas e cuidados para 20,000 pacientes com doenças crónicas. 

Vive na linha

Brennan sublinhou, no entanto, que mesmo quando os fornecimentos atravessam a fronteira, a entrega aos hospitais fica comprometida não só devido à falta de combustível, mas também devido aos “enormes riscos de segurança” para o pessoal da ONU e parceiros que tentam levar ajuda aos hospitais em uma zona de guerra ativa.

Alrifai, da UNRWA, lembrou que a agência estava de luto pela perda de 35 funcionários até agora, a maioria dos quais estavam deslocados e trabalhavam dentro dos abrigos e instalações da agência para ajudar as cerca de 400,000 pessoas que ali procuravam segurança.

Um total de 40 instalações da UNRWA foram danificadas desde 7 de Outubro.

Questionada sobre a responsabilização pelas mortes e destruição, a Sra. Alrifai reiterou a importância de respeitar os princípios do direito humanitário internacional em tempos de guerra.

“O que quer que tenha acontecido aos nossos colegas e aos nossos edifícios é inaceitável – não importa quem o fez”, disse ela.

Link Fonte

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -