8.8 C
Bruxelas
Quinta-feira, fevereiro 29, 2024
InstituiçõesNações UnidasCom a trégua em Gaza no horizonte, as equipes de socorro da ONU estão prontas para intensificar...

Com a trégua em Gaza no horizonte, as equipas de socorro da ONU estão prontas para aumentar a ajuda

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Notícias das Nações Unidas
Notícias das Nações Unidashttps://www.un.org
Notícias das Nações Unidas - Histórias criadas pelos serviços de notícias das Nações Unidas.

De acordo com relatos dos meios de comunicação social, as negociações em curso sobre o acordo Israel-Hamas sobre uma pausa humanitária de quatro dias e a libertação dos reféns detidos pelo grupo armado palestiniano desde os seus ataques terroristas de 7 de Outubro indicaram que a entrada em vigor do acordo era considerada improvável antes Sexta-feira.

Em meio ao aumento da fome, o Programa Mundial de Alimentos da ONU (PAMA chefe do governo, Cindy McCain, disse que a agência estava “se mobilizando rapidamente para aumentar a assistência dentro de Gaza” assim que o acesso seguro for concedido. Seus comentários seguiram os comentários do chefe de ajuda emergencial da ONU, Martin Griffiths. afirmação na disponibilidade da Organização para aumentar o volume de ajuda trazida para o enclave e distribuída por toda a Faixa.

Sra. McCain disse que PAM camiões estão “à espera na passagem de Rafah, carregados com alimentos destinados às famílias em abrigos e casas em Gaza, e farinha de trigo para as padarias retomarem as operações”.

Os últimos relatórios humanitários da ONU indicaram que a farinha de trigo já não está disponível nos mercados do norte de Gaza e que não existem padarias a funcionar devido à falta de combustível, água, farinha e danos estruturais.

Esperanças por uma tábua de salvação

Desde que as entregas limitadas de ajuda através da passagem de Rafah com o Egipto foram retomadas em 21 de Outubro, pouco mais de 73 camiões de ajuda alimentar do PAM chegaram a Gaza, ficando muito aquém das necessidades.

McCain expressou esperança de que mais combustível seja introduzido no enclave “para que os nossos camiões possam transportar os suprimentos tão necessários e que mais uma vez o pão esteja disponível como tábua de salvação para centenas de milhares de pessoas todos os dias”.

Cerca de 75,000 mil litros de combustível entraram em Gaza vindos do Egito na quarta-feira, após uma decisão israelense na semana passada de permitir a “entrada diária de pequenas quantidades de combustível para operações humanitárias essenciais”, de acordo com o escritório de coordenação de assuntos humanitários da ONU. OCHA.

O combustível está sendo distribuído pela agência da ONU para os refugiados palestinos, UNRWA, para apoiar a distribuição de alimentos e o funcionamento de geradores em hospitais, instalações de água e saneamento, abrigos e outros serviços críticos no sul da Faixa, uma vez que o acesso ao norte foi cortado pelas operações militares israelitas. 

Chefe da OCHA e chefe de ajuda de emergência da ONU, Martin Griffiths disse semana passada que eram necessários cerca de 200,000 litros de combustível por dia.

Atualização sobre evacuação hospitalar

Uma nova evacuação de 190 feridos e doentes, seus acompanhantes e profissionais médicos do hospital Al-Shifa, na cidade de Gaza, foi concluída na quarta-feira.

O desenvolvimento foi anunciou pela agência de saúde da ONU QUEM como um esforço conjunto entre agências da ONU e parceiros humanitários liderados pela Sociedade do Crescente Vermelho Palestino (PRCS).

Os evacuados foram transportados em um comboio de ambulâncias para o sul.

O OCHA citou relatórios do PRCS afirmando que a evacuação “durou quase 20 horas, pois o comboio foi obstruído e sujeito a inspecção ao passar pelo posto de controlo que separa o norte e o sul de Gaza” e deplorou o facto de as vidas dos pacientes terem sido postas em perigo.

Os pacientes evacuados em diálise foram transferidos para o Hospital Abu Youssef An Najjar em Rafah, Gaza, enquanto outros pacientes foram transportados para o hospital europeu da Faixa de Gaza em Khan Younis. Estima-se que cerca de 250 pacientes e funcionários estejam em Al-Shifa, que não está mais operacional, disse o OCHA.

Entretanto, na quarta-feira assistiu-se ao menor número de pessoas deslocadas que deixaram o norte de Gaza para atravessar para o sul usando o “corredor” aberto pelas Forças de Defesa Israelenses ao longo da principal artéria de tráfego da Faixa, Salah Ad Deen Road.

De acordo com o monitoramento do OCHA, apenas cerca de 250 pessoas se mudaram para o sul. O Escritório da ONU disse que o declínio é “em grande parte atribuído às expectativas geradas pela pausa humanitária” que ainda não foi implementada.

Até à data, mais de 1.7 milhões de pessoas em Gaza estão deslocadas internamente.

A vida dentro de Gaza

Entretanto, um membro do pessoal da UNRWA que fugiu de Gaza esta semana falou com Notícias da ONU sobre viver e trabalhar durante o conflito.

Maha Hijazi, Oficial de Armazenagem e Distribuição da UNRWA, foi responsável por garantir alimentos para centenas de milhares de pessoas deslocadas (PDI) que agora estão abrigadas nas suas instalações.

“O nosso plano…era ter 150,000 deslocados palestinos dentro dos abrigos da UNRWA, número que agora chega a cerca de um milhão”, disse ela.

A ONU e os parceiros continuam a apelar para que mais ajuda seja permitida na Faixa de Gaza, que continua a enfrentar uma grave escassez de alimentos, água, combustível, medicamentos e outros artigos desesperadamente necessários.

Abrigos cheios, mercados vazios

A maior parte do pessoal da UNRWA são eles próprios refugiados palestinos e alguns também procuraram refúgio nos seus abrigos enquanto continuavam o seu trabalho de salvamento de vidas. Mais de 100 de seus colegas foram mortos até o momento.

Embora a família da Sra. Hijazi não estivesse hospedada em nenhum dos abrigos, ela disse que seus pais mal encontravam comida nos mercados.

“Fomos ao mercado, mas está vazio. Não encontramos nada para comprar. Temos dinheiro, mas não temos nada para comprar”, disse ela. 

A decisão de uma mãe

Na segunda-feira, a Sra. Hijazi e a sua família fugiram de Gaza para o Egipto. Ela estava com raiva e relutante em deixar sua terra natal, apartamento e trabalho.

“Nem os meus filhos, nem nenhum dos nossos filhos palestinos se sentem seguros, seguros e protegidos. Noite e dia inteiros ouvem bombardeios por toda parte”, disse ela.

A Sra. Hijazi lembrou que antes de ir para a cama, os seus filhos perguntavam-lhe se iam morrer como os seus vizinhos e familiares.

“Tive que abraçá-los e prometer que se morrermos, morreremos completamente, então não sentiremos nada. E se você ouvir o bombardeio, estará seguro. O foguete que vai te matar, você não ouvirá seu som”, disse ela.

Apesar da dor de partir de Gaza para o Egipto, a Sra. Hijazi sentiu que esta era a melhor decisão para os seus filhos, que têm dupla nacionalidade.

“Preciso ter essa chance para que eles durmam e sintam que são parecidos com as outras crianças”, disse ela.

“Posso dizer-vos que durante toda a viagem chorei com os meus filhos porque não queremos sair da nossa terra, não queremos sair de Gaza. Mas somos forçados a fazer isso em busca de segurança e proteção.”

Link Fonte

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -