8.5 C
Bruxelas
Sexta-feira, Março 1, 2024
Escolha dos editoresCompromisso NY 75 promove resgate do significado original da DUDH

Compromisso NY 75 promove resgate do significado original da DUDH

É no âmbito da 5ª Cimeira Transatlântica que a vida, a família e as liberdades são destacadas no quadro do direito à vida, a família e as liberdades no quadro do direito à vida.

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Central de notícias
Central de notíciashttps://europeantimes.news
The European Times Notícias visa cobrir notícias importantes para aumentar a conscientização dos cidadãos em toda a Europa geográfica.

É no âmbito da 5ª Cimeira Transatlântica que a vida, a família e as liberdades são destacadas no quadro do direito à vida, a família e as liberdades no quadro do direito à vida.

O compromisso de resgatar o significado original da Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH) emergiu na sede da Organização das Nações Unidas (ONU) endossado por mais de 200 líderes políticos e cívicos de 40 países participantes da 5ª Cimeira Transatlântica. É o Compromisso de Nova Iorque que celebra o 75º aniversário da DUDH.

Protegendo a vida e a formação religiosa

Neste sentido, os presentes concordaram em trabalhar para estabelecer ambientes propícios à formação e estabilidade familiar; proteger as crianças, antes e depois do nascimento; e respeitar a liberdade dos pais e tutores legais de providenciarem a educação religiosa e moral dos seus filhos de acordo com as suas próprias convicções. Comprometeram-se também a promover o respeito pelos diversos valores religiosos e éticos, antecedentes culturais e convicções filosóficas dos povos do mundo.

“Estamos aqui para trazer ao presente, no seu sentido original, aquele acordo de 1948, devemos voltar à pessoa humana e, a partir daí, garantir os seus direitos fundamentais. É precisamente aqui, nas Nações Unidas, que a nossa voz deve ser ouvida. Reivindicamos os princípios básicos que inspiraram a DUDH, são princípios atemporais e transcendentes”, disse José Antonio Kast, presidente da Rede Política para Valores, instituição organizadora do evento.

O Compromisso 75 de Nova Iorque para os Direitos Humanos Universais dá visibilidade a um amplo consenso que existe em todos os continentes sobre a necessidade de afirmar a dignidade da pessoa e os valores fundamentais, especialmente a vida, a família e as liberdades.

“Somos muitos de nós que pensamos assim e somos muito ativos nas esferas social, política e cultural e acreditamos que há sempre espaço para o diálogo. É nosso dever lembrar aqueles que esquecem ou querem distorcer o significado original da DUDH”, disse ele.

Da mesma forma, Santiago Santúrio, deputado nacional argentino, declarou: “Não pode ser que hoje o lugar mais perigoso do mundo seja o útero, onde a vida humana corre maior risco. É aí que temos que defendê-lo com mais força, com mais convicção. E isso o Estado tem que proteger. E que as famílias devem promovê-lo. Da mesma forma que temos de proteger as famílias dos abusos dos Estados e dos governos, da mesma forma que temos de proteger os Estados dos abusos das organizações internacionais. Há aqui um caso específico, o caso Beatriz del Salvador, onde corremos o risco de que algumas pessoas da Costa Rica queiram legislar o aborto para todas as Américas. Isto é muito grave para a defesa dos direitos humanos e da soberania dos Estados. O caso Beatriz deve ser um exemplo de que os direitos humanos devem ser defendidos nos organismos internacionais e que estes órgãos não devem ser abusados ​​para impor a vontade dos Estados e dos Parlamentos.

Ito Bisonó, Ministro da Indústria e Comércio da República Dominicana, destacou que nunca foi tão oportuno reafirmar os princípios que deram origem à DUDH diante das ameaças que hoje sofrem a vida, a liberdade e a dignidade das pessoas, em particular .

Samuel Jorge, membro do Parlamento do Gana, sublinhou que a Carta Magna da ONU consagra o direito à vida, a protecção que deve ser dada à família com base no casamento de um homem e uma mulher, a protecção da maternidade e da infância, o direito preferencial de aos pais a escolha da educação dos seus filhos, da liberdade de pensamento, de consciência, de religião, de opinião e de expressão, razão pela qual é incompreensível que as organizações internacionais as violem.

Margarita de Pisa, membro do Parlamento Europeu, salientou que estes direitos, longe de serem regressivos, são a base do verdadeiro desenvolvimento humano. “Defender a vida, por exemplo, significa um compromisso político com a prosperidade”, disse ela.

Na mesma veia, Hafid El-Hachimi, funcionário da Comissão Permanente Independente para os Direitos Humanos da Organização de Cooperação Islâmica, disse que as famílias são a unidade fundamental para o desenvolvimento sustentável, cultural e económico da sociedade, pelo que procurar redefinições da família significa comprometer o futuro.

Neydy Casillas, especialista em organismos multilaterais e vice-presidente do Centro Global para os Direitos Humanos (GCHR) referiu-se ao caso de Beatriz, a jovem salvadorenha cuja filha, Leilani, morreu horas após o nascimento devido à anencefalia, e cujo caso foi levado para Corte Interamericana de Direitos Humanos por grupos abortistas: “Ao ver este trágico caso, grupos abortistas que afirmam proteger as mulheres, obtiveram ilegalmente o prontuário médico de Beatriz, seu endereço e foram até sua casa, assediaram-na, encheram-na de medo independentemente de sua doença (ela sofria de lúpus) e a convenceu de que morreria se não fizesse um aborto”.

Dirigiu-se então aos legisladores de vários países, alertando que a sua “autoridade está a ser prejudicada, pois têm a legitimidade do povo, que lhes deu voz para falar em seu nome, pelo que a democracia está a ser acabada ao silenciá-los”, disse ela. .

O deputado paraguaio, Raul Latorre, também denunciaram que procuram mudar o consenso e o conceito que a Declaração Universal dos Direitos Humanos originalmente representava: “Os organismos de direito internacional atacam abertamente o direito daqueles que não podem se defender, daqueles que não podem falar”, em referência a o nascituro.

Qual é o Compromisso de Nova York?

No Compromisso de Nova Iorque, os participantes da reunião comprometeram-se a formar uma aliança global para os direitos humanos e as liberdades fundamentais consagrados e universalmente reconhecidos na DUDH.

Trabalharão para estabelecer ambientes propícios à formação e estabilidade familiar; proteger as crianças, antes e depois do nascimento; e garantir que seja respeitada a liberdade dos pais e tutores legais de proporcionarem a educação religiosa e moral dos seus filhos, de acordo com as suas próprias convicções.

Comprometeram-se também a promover o respeito pelos diversos valores religiosos e éticos, antecedentes culturais e convicções filosóficas dos povos do mundo, bem como pela soberania dos Estados em questões da sua jurisdição interna.

Um tipo diferente de cimeira dentro da ONU

A 5ª Cimeira Transatlântica, convocada sob o tema “Afirmando os Direitos Humanos Universais – Unindo Culturas para a Vida, a Família e as Liberdades”, teve lugar de 16 a 17 de Novembro na Sala 4 da Sede da ONU, no âmbito do 75º aniversário da DUDH. O evento foi organizado pela Rede Política para Valores (PNfV) e organizações parceiras.

Os participantes incluíram Erwin Ronquillo, Ministro da Proteção Infantil do Equador; Raúl Latorre, Presidente da Câmara dos Deputados do Paraguai; Kinga Gál e Margarita de la Pisa, deputadas ao Parlamento Europeu pela Hungria e Espanha, respetivamente; Lucy Akello, Membro do Parlamento de Uganda; Päivi Räsänen, Membro do Parlamento da Finlândia; Corina Cano, Vice-Presidente da Assembleia Nacional do Panamá; Germán Blanco, senador da Colômbia; Nikolas Ferreira do Brasil; Santiago Santurio, Membro do Parlamento da Argentina; e Rafael López Aliaga, prefeito de Lima (por vídeo).

Também Lila Rose, presidente da Live Action; Valerie Huber, promotora da Declaração do Consenso de Genebra e Presidente do Instituto de Saúde da Mulher; Sharon Slater, presidente da Family Watch International; Dawn Hawkins, Diretora Executiva do Centro Internacional sobre Exploração Sexual; Neydy Casillas, vice-presidente de Assuntos Internacionais do Centro Global para Direitos Humanos; Ádám Kavecsánszki, Presidente da Fundação para uma Hungria Cívica; Austin Ruse, presidente da C-Fam; Brett Schaefer, pesquisador da Heritage Foundation; e Peter Torcsi, Diretor de Operações do Centro para os Direitos Fundamentais; entre outros.

O evento é oficialmente apoiado pelo Governo da Guatemala e patrocinado pela The Heritage Foundation, Centro para os Direitos Fundamentais, Fundação para uma Hungria Cívica, Centro Global para os Direitos Humanos, Centro Internacional sobre Exploração Sexual, Family Watch International, C-Fam, ADF Internacional, Instituto de Saúde da Mulher, Organização Internacional para a Família e Grupo de Talentos.

A Cúpula foi presidida por José Antonio Kast, fundador do Partido Republicano do Chile, ex-candidato presidencial em seu país e presidente do PNfV.

O PNfV é uma rede internacional de políticos ativamente empenhados na promoção e defesa da vida, da família e das liberdades. As Cimeiras Transatlânticas são uma pedra angular da Rede. Reúnem políticos e líderes cívicos de diferentes países para fortalecer laços, partilhar histórias de sucesso e melhores práticas e construir agendas conjuntas. Normalmente são realizados a cada dois anos.

A primeira Cimeira foi realizada nas Nações Unidas, em Nova Iorque, em 2014, seguida de outras no Parlamento Europeu, em Bruxelas, em 2017, no Capitólio colombiano, em Bogotá, em 2019, e na Academia Húngara de Ciências, em Budapeste, no ano passado.

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -