5.6 C
Bruxelas
Domingo fevereiro 25, 2024
OpiniãoCrise educacional em Marrocos: a responsabilidade do primeiro-ministro Aziz Akhannouch em...

Crise educacional em Marrocos: a responsabilidade do primeiro-ministro Aziz Akhannouch em questão

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Rede de Lahcen
Rede de Lahcenhttps://www.facebook.com/lahcenhammouch
Lahcen Hammouch é jornalista. CEO Bruxelas-Média. Socióloga pela ULB.

A crise contínua no sector da educação em Marrocos está a suscitar preocupações sobre as consequências devastadoras que poderão resultar da actual gestão. Após anos de fracasso do sistema educativo marroquino, a confiança da maioria dos cidadãos parece ter diminuído, levantando questões sobre a responsabilidade do governo liderado por Aziz Akhannouch, o actual primeiro-ministro e um empresário com ligações bilionárias.

Os relatórios, tanto internacionais como nacionais, continuam a destacar o estado alarmante da educação em Marrocos. De acordo com um estudo do Bank al-Maghrib, a taxa de analfabetismo em Marrocos é de 32.4%, evidenciando as deficiências persistentes do sistema educativo. Além disso, 67% das crianças marroquinas não conseguem responder corretamente a uma única questão de compreensão de leitura, revelando uma profunda crise na aquisição de competências fundamentais.

Neste contexto, a responsabilidade do governo, liderado pelo empresário e primeiro-ministro Aziz Akhannouch, está a tornar-se motivo de preocupação, sobretudo devido ao seu papel na definição de políticas e alocações orçamentais. As estatísticas do Ministério da Educação Nacional mostram que a proporção do orçamento atribuído à educação permanece abaixo das recomendações internacionais, não ultrapassando 5.5% do PIB em 2006.

A escassez de recursos financeiros atribuídos à educação, tal como salientado num estudo da UNESCO, realça as escolhas políticas que podem ter um impacto negativo no sector da educação. Como Primeiro-Ministro e um interveniente importante no governo, a responsabilidade de Aziz Akhannouch e da sua equipa governamental pela crise educativa é indiscutível. As decisões políticas, incluindo a centralização administrativa e a falta de apoio nas zonas rurais, estão a contribuir para o agravamento das disparidades educativas.

É imperativo que o governo, sob a liderança de Aziz Akhannouch, assuma a sua quota-parte de responsabilidade pela crise educativa, reconhecendo as deficiências existentes e tomando medidas concretas para reformar o sistema. Isto envolve uma revisão das políticas orçamentais, reformas estruturais e um compromisso com uma educação de qualidade para todos os cidadãos marroquinos. Em suma, a responsabilidade do governo por esta crise educativa não pode ser ignorada e são necessárias medidas significativas para garantir um futuro educativo mais brilhante para a juventude marroquina.

Os grevistas, exigindo o cancelamento de todas as decisões disciplinares e sanções relacionadas com as suas actividades militantes, rejeitam firmemente o estatuto, tanto na forma como no conteúdo. O seu apelo também inclui uma exigência premente de salários e pensões mais elevados. Infelizmente, esta situação está a ter um impacto negativo nos estudantes, que sofrem as repercussões deste conflito.

À sombra desta persistente crise educativa, destaca-se a responsabilidade do governo, encarnado por Aziz Akhannouch, primeiro-ministro e empresário bilionário. A necessidade de reformas de grande alcance no sistema educativo marroquino torna-se imperativa para garantir um futuro educativo mais promissor para os jovens do país.

O governo e o seu primeiro-ministro Aziz Akhannouch prometeram criar um milhão de empregos e tirar um milhão de famílias da pobreza. Os partidos maioritários do governo também prometeram aumentar os salários dos professores para 7,500 dirhams no início das suas carreiras, com um aumento de cerca de 300 dólares, bem como aumentar os salários dos trabalhadores do sector da saúde.

Depois de uma inflação de intenções e promessas, vivemos agora num silêncio preocupante, com um governo que nada diz sobre o combate à corrupção ou a reforma tributária.

Originalmente publicado em Almouwatin. com

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -