8.4 C
Bruxelas
Segunda-feira, abril 22, 2024
OpiniãoApós o conflito, os crimes de guerra devem ser processados ​​como uma questão de...

Após o conflito, os crimes de guerra devem ser processados ​​com urgência

Escrito por Isaac Debelle; Pensando no pós-guerra em Israel e na Palestina: um primeiro passo para a paz

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Autor convidado
Autor convidado
Autor convidado publica artigos de colaboradores de todo o mundo

Escrito por Isaac Debelle; Pensando no pós-guerra em Israel e na Palestina: um primeiro passo para a paz

Há 75 anos que Israel tenta conciliar as suas políticas com as do seu ambiente regional. Nas últimas semanas, esta tarefa nada fácil parece ter-se transformado numa missão quase impossível. Porque Israel rejeita todas as resoluções das Nações Unidas, impondo não só a retirada dos territórios ocupados desde 1948, a questão palestina foi radicalizada ano após ano para chegar hoje a esta polarização que divide mais do que nunca duas sociedades que querem acabar com cada uma outro.

O sionismo, que teve a sua origem na criação de um Estado de Israel na Palestina, já não tem nada a ver com o projecto imaginado por Theodor Herzl. De socialista, coletivista, humanista e secular, tornou-se hoje ainda mais, sob a liderança do imaculado primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, um sionismo nacionalista, religioso, colonialista, ultraliberal e reacionário em toda a região. Hoje já não se trata de procurar as causas e os responsáveis, pois este é um processo sem fim. Para nos prepararmos para uma hipotética paz um dia, precisamos de afirmar que o governo israelita e o Hamas terão primeiro de responder pelas suas acções, que são claramente crimes de guerra, e depois integrar todas as componentes da paisagem política israelita e palestiniana na para encontrar uma solução para a situação impossível: e esta solução única é a criação de um Estado Palestiniano nas fronteiras da Linha Verde de 5 de Junho de 1967, e permitir que os dois Estados vivam em coexistência pacífica, no quadro de uma solução política justa e duradoura. Não há solução militar para a questão israelo-palestiniana.

A responsabilidade de Netanyahu

O ataque do Hamas em 7 de Outubro mostra até que ponto o campo palestiniano é dominado por islamistas e que a Autoridade Palestiniana em Ramallah está reduzida à impotência. Mas eles estão lutando pela mesma causa. O nascimento morto do Estado palestiniano apenas levou a uma sucessão de tragédias vividas pelos palestinianos de guerra em guerra desde 1948. Israel fez tudo para condenar este estado, tudo para enfraquecer a Autoridade Palestiniana e para favorecer extremos a fim de dividir . O próprio Netanyahu reconheceu em 2019 que era necessário fortalecer o Hamas, responsável por muitos dos males de hoje, para enfraquecer Mahmoud Abbas, o Presidente da Autoridade, e impedir a criação de um Estado palestiniano. Para satisfazer as partes que o trouxeram de volta ao cargo de primeiro-ministro, Netanyahu continuou a colonizar a Cisjordânia, fortalecendo a segurança dos colonos ali, minando a segurança do sul de Israel e transformando o sionismo num projecto que visa destruir qualquer esperança de ver o nascimento de um Estado palestiniano num futuro próximo. Pior ainda, Benjamin Netanyahu foi informado do ataque do Hamas pela inteligência israelita, segundo o seu antecessor Yair Lapid. Na verdade, o antigo primeiro-ministro israelita disse ter recebido informações dos serviços de inteligência antes do ataque do Hamas. Segundo ele, seu sucessor, Benjamin Netanyahu, também o recebeu. Foi também sob o comando de “Bibi” que as escutas telefónicas de inteligência em Gaza foram interrompidas há mais de um ano, por falta de interesse e utilidade, segundo os mesmos serviços.

O apoio cego de Washington a Tel Aviv

Já temos de pensar no período pós-guerra e recorrer aos mediadores tradicionais entre os dois campos: essencialmente o Egipto e o Qatar. A retirada americana enfraqueceu a situação geral na região e deu liberdade a muitos grupos terroristas. A opinião pública israelita está a virar-se cada vez mais contra Netanyahu, que é acusado de fazer o jogo dos palestinianos através da sua ganância pelo poder, em resposta às constantes provocações dos membros nacionalistas e extremistas religiosos da sua maioria. O primeiro-ministro colocou em perigo o país, que é cegamente apoiado por Washington: muitos já estão a pensar na era pós-Netanyahu, pois o Estado judeu não pode continuar com alguém que ficará na história como o líder sob o qual 1,400 civis israelitas foram mortos em solo israelense. Os Estados Unidos têm uma dupla responsabilidade: financiar indefinidamente Israel e deixá-los gerir através da retirada. Será que o farão agora que Washington está tão consciente da falta de coerência e de estratégia na actual política de Israel?

Que tipo de justiça para punir crimes de guerra?

A campanha de represálias de Tel Aviv em Gaza já ceifou mais de 7,000 vidas, incluindo 3,500 crianças. Quem pode tolerar isso? Os países árabes? O Oeste? Os Estados Unidos? Até Joe Biden condenou o excesso da retaliação de Israel contra os civis de Gaza. Esta operação “Hannibal” é uma luta até ao fim para erradicar o mal: Israel não irá parar até derrotar o Hamas. E os reféns civis? Isto tornou-se secundário, o que preocupa cada vez mais as famílias dos prisioneiros, que protestam manifestando-se e expressando-se amplamente nos meios de comunicação israelitas e internacionais. É aqui que a criação de uma comissão de inquérito em Israel desempenhará um papel fundamental no futuro. Netanyahu já concordou em fazer isso. Mas mais do que isso, a nível internacional, quem irá punir o Hamas, por um lado, e Israel, por outro, pelos crimes cometidos este mês? Fala-se de crimes de guerra, mas há quem já fale de genocídio em Gaza. Especialmente porque o Estado hebreu não reconhece o Tribunal Penal Internacional e, portanto, não é obrigado a cumprir as suas decisões ou julgamentos. Como o seu irmão mais velho americano, claro!

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -