8.8 C
Bruxelas
Quinta-feira, fevereiro 29, 2024
Ásia“Oligarca russo” ou não, a UE ainda pode estar atrás de você seguindo “liderança...

“Oligarca russo” ou não, a UE ainda pode estar atrás de você após a reformulação da marca de “empresário líder”

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Gastão de Persigny
Gastão de Persigny
Gaston de Persigny - Repórter da The European Times News

Após a invasão em grande escala da Ucrânia em Fevereiro de 2022, a Rússia foi sujeita às sanções mais abrangentes e severas alguma vez impostas a qualquer nação. A União Europeia, outrora o maior parceiro comercial da Rússia, liderou o caminho com onze pacotes de sanções nos últimos 20 meses, abrangendo uma vasta gama de pessoas, instituições e entidades estatais, empresas privadas e sectores inteiros da economia. Embora moralmente compreensíveis e politicamente prudentes, era inevitável que tais sanções amplas surgissem cada vez mais como um caso de danos colaterais.

Parte disso deve-se obviamente à própria natureza da União Europeia, uma vez que necessita de alcançar o consenso de todos os seus membros, que muitas vezes têm opiniões políticas e interesses económicos contraditórios em relação à Rússia e à Ucrânia, mas a utilização deliberada de palavras vagas e a linguagem ofuscante também tem sido aparente, e em nenhum lugar mais do que no uso da palavra “oligarca”. Mencionados excessivamente na imprensa ocidental desde o final da década de 1990, os oligarcas passaram a simbolizar o poder e o excesso da nova classe de empresários ultra-ricos que fizeram fortuna nas águas turvas da Rússia pós-soviética, muitas vezes através da sua ligação ao Kremlin.

Uma palavra mal definida mesmo no seu apogeu na década de 2000, “oligarca” foi, no entanto, adoptada pelos decisores políticos da UE como o termo genérico para designar qualquer pessoa, desde um bilionário na lista da Forbes até gestores de topo e membros do conselho de empresas de vários sectores, muitos sem qualquer ligação com o Kremlin e sem influência política. Por vezes, não se conseguia ver qualquer diferença entre os gestores de topo russos designados e os gestores de topo estrangeiros não designados que trabalham para grandes empresas apresentadas na Rússia. Escusado será dizer que isto deixou a UE num terreno muito instável do ponto de vista jurídico: se você está na lista porque é um “oligarca”, mas esse mesmo termo é evasivo e subjetivo, o que destrói a lógica da imposição de sanções e torna mais fácil desafiá-las com sucesso em corte.

A UE demorou mais de um ano a perceber isso e agora deixou de usar a palavra “oligarca” como justificação para sanções contra empresas russas, confiando em vez disso em algo que chama de “um empresário líder”. Embora o termo não seja carregado e não tenha conotações negativas pré-concebidas, é, em última análise, tão vago e sem sentido como um “oligarca”. Sem mencionar o facto de que não é nada claro por que razão alguém deveria ser sancionado pelo facto de ser um “empresário líder”, independentemente da influência real na economia russa ou na tomada de decisões do Kremlin. Por exemplo, a UE impôs sanções a quase todos os empresários e altos executivos que se reuniram com o Presidente Vladimir Putin em 24 de fevereiro de 2022, na sequência da invasão da Ucrânia pela Rússia. Como a participação nessa reunião significa a plena aceitação das políticas do Kremlin para a Ucrânia ou a capacidade de influenciar as decisões de Putin é uma incógnita. Em particular, grande parte do raciocínio para as designações não reflecte a capacidade de uma pessoa influenciar as políticas do governo russo.

Além disso, pode argumentar-se que, na sequência das políticas de Vladimir Putin para marginalizar os oligarcas multimilionários da primeira geração, como Mikhail Khodorkovsky ou Boris Berezovsky, não existem oligarcas no verdadeiro sentido da palavra (isto é, empresários com influência política desproporcional, por vezes ultrapassando a de o governo) partiu para a Rússia. Os principais empresários de hoje são antigos oligarcas que mantiveram o capital obtido na década de 1990, magnatas ligados ao Estado, ou uma nova geração de empresários e CEOs orientados para o Ocidente, que, ao contrário da geração anterior, não ganharam dinheiro após a controversa privatização da antiga indústria soviética e não dependem de contratos e conexões estatais.

Em Outubro, a Marco-Advisory, uma importante consultoria empresarial estratégica focada na economia da Eurásia, publicou um relatório intitulado “Relações Empresa-Governamentais na Rússia – Por que alguns oligarcas são sancionados e outros não”. Embora tenha elogiado a recente decisão da UE de ser mais preciso na sua formulação, o relatório ainda observou que “a actual abordagem às sanções visadas baseia-se num mal-entendido sobre como as empresas e o governo se relacionam entre si na Rússia”.

Sugerir, como a UE parece estar a fazer, que ser “um empresário líder” equivale à capacidade de influenciar o governo russo a deturpar grosseiramente o seu papel e impacto real. Isto é duplamente verdade para os CEO de empresas privadas russas como Dmitry Konov da empresa petroquímica Sibur, Alexander Shulgin do gigante do comércio electrónico Ozon e Vladimir Rashevsky do fabricante de fertilizantes Eurochem, que foram sancionados por representarem as suas empresas em reuniões com o Presidente Putin. Posteriormente, eles deixaram suas funções para reduzir o risco para suas empresas. Embora Shulgin, juntamente com os bilionários Grigory Berezkin e Farkhad Akhmedov, tenham sido retirados da lista de sanções da UE em 15 de setembro, tal decisão está pendente para muitos outros que foram sancionados por motivos semelhantes e com pouca consideração dada às suas funções reais ou ao facto de eles, como Konov de Sibur, renunciaram precisamente por causa das sanções que lhes foram impostas. 

Como afirmou a Marco-Advisory, existe um grupo muito vasto de empresários “que foram sancionados simplesmente por serem conhecidos nos meios de comunicação ocidentais ou porque estão em listas de ricos, uma vez que as suas empresas realizaram IPOs no Reino Unido ou nos EUA ou por outras razões, sem ter qualquer tipo de relação mutuamente benéfica com o governo russo.” Em última análise, parece haver poucos fundamentos legais ou mesmo lógicos para mantê-los sancionados.

Dada a abordagem burocrática e ampla à imposição de sanções, não é de admirar que tenham feito pouco para atingir o objectivo declarado – ou seja, mudar o rumo da Rússia em relação à Ucrânia. Na verdade, apenas tornaram o Kremlin mais determinado, ao mesmo tempo que o forçaram a redireccionar as suas exportações e fluxos financeiros para países amigos, como a China e a Índia, colegas BRIC – algo que pode ser impossível de reverter em detrimento da Rússia e da Europa. , cujas relações estão agora prestes a permanecer envenenadas durante anos, mesmo assumindo que a crise na Ucrânia esteja totalmente resolvida.

Mais ainda, as sanções parecem ter o efeito oposto ao previsto pelos políticos ocidentais, mesmo sobre os oligarcas da primeira geração, como o bilionário do Grupo Alfa, Mikhail Fridman. Fridman, cujo patrimônio líquido segundo a Forbes é de US$ 12.6 bilhões, o que faz dele o nonoth indivíduo mais rico, foi em Outubro forçado a regressar a Moscovo da sua casa em Londres. Numa entrevista recente à Bloomberg News, o bilionário disse que foi essencialmente “espremido” por restrições excessivas que o impossibilitaram de abandonar a vida a que estava habituado e até chamou aos seus vastos projectos de investimento no Reino Unido ao longo dos anos “um erro colossal”.

Ao eliminar os “oligarcas” da sua lista de sanções, os decisores da UE parecem estar a avançar na direcção certa. Ainda não se sabe se isso é apenas uma reformulação da marca ou um sinal de uma reformulação mais ambiciosa das políticas de sanções da Europa. Afinal de contas, como nos ensina a história das sanções económicas, elas são muito mais fáceis de impor do que de levantar.

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -