8.3 C
Bruxelas
Quarta-feira, fevereiro 21, 2024
InternacionaisEUA vetam resolução sobre Gaza que pedia “cessar-fogo humanitário imediato”

EUA vetam resolução sobre Gaza que pedia “cessar-fogo humanitário imediato”

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Os Estados Unidos vetaram mais uma vez na sexta-feira uma resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas que apela a um cessar-fogo humanitário imediato no conflito entre Israel e o Hamas.

Na sexta-feira, 8 de Dezembro, pela segunda vez, os Estados Unidos vetaram uma resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas que apelava a um “cessar-fogo humanitário imediato” em Gaza, “à medida que aumentavam as baixas civis na campanha militar de Israel contra o Hamas”.

Treze dos quinze membros do Conselho de Segurança votaram a favor da resolução, com a abstenção do Reino Unido. O projecto de resolução foi co-patrocinado por 97 estados membros da ONU.

Robert Wood, vice-embaixador dos EUA na ONU, disse após a votação: “Não apoiamos uma resolução que apela a um cessar-fogo insustentável que simplesmente lançará as sementes da próxima guerra”, explicou, denunciando também o “fracasso moral ”representado pela ausência no texto de qualquer condenação do Hamas

O Secretário-Geral da ONU, António Guterres, agradeceu aos embaixadores pela sua resposta à sua invocação do Artigo 99 após a sua carta urgente – uma das ferramentas mais poderosas à sua disposição – dizendo que tinha escrito porque “estamos no ponto de ruptura” na guerra entre Israel e o Hamas.

O Artigo 99, contido no Capítulo XV da Carta: diz que o chefe da ONU “pode chamar a atenção do Conselho de Segurança para qualquer assunto que, na sua opinião, possa ameaçar a manutenção da internacionalmente paz e segurança.”

Foi a primeira vez que Guterres usou a cláusula raramente invocada.

“Enfrentando um grave risco de colapso do sistema humanitário em Gaza, apelo ao Conselho para que ajude a evitar uma catástrofe humanitária e apelo para que seja declarado um cessar-fogo humanitário”, escreveu Guterres no X, antigo Twitter, após enviar a carta.

Ele instou o órgão a ajudar a acabar com a carnificina no enclave devastado pela guerra através de um cessar-fogo humanitário duradouro.

“Temo que as consequências possam ser devastadoras para a segurança de toda a região”, disse ele, acrescentando que a Cisjordânia ocupada, o Líbano, a Síria, o Iraque e o Iémen já tinham sido atraídos para o conflito em vários graus.

Existe claramente, na minha opinião, um sério risco de agravamento das ameaças existentes à manutenção da paz e da segurança internacionais”.

O Secretário-Geral reiterou também a sua “condenação sem reservas” dos ataques brutais do Hamas a Israel em 7 de Outubro, sublinhando que está “horrorizado” com os relatos de violência sexual.

“Não há qualquer justificação possível para matar deliberadamente cerca de 1,200 pessoas, incluindo 33 crianças, ferir milhares de outras e fazer centenas de reféns”, disse ele, acrescentando “ao mesmo tempo, a brutalidade perpetrada pelo Hamas nunca poderá justificar a punição colectiva de o povo palestino.”

“Embora o lançamento indiscriminado de foguetes pelo Hamas contra Israel e o uso de civis como escudos humanos constituam uma violação das leis da guerra, tal conduta não absolve Israel das suas próprias violações”, disse Guterres.

“Este é um dia triste na história do Conselho de Segurança”, mas “não vamos desistir”, lamentou o embaixador palestiniano na ONU, Riyad Mansour.

O embaixador israelense na ONU, Gilad Erdan, agradeceu aos Estados Unidos “por permanecerem firmemente ao nosso lado”.

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -