5.6 C
Bruxelas
Domingo fevereiro 25, 2024
EuropaPoluição: acordo com o Conselho para reduzir as emissões industriais

Poluição: acordo com o Conselho para reduzir as emissões industriais

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

As novas regras reduzirão a poluição do ar, da água e do solo e orientarão as grandes instalações agroindustriais na transição verde.

Na noite de terça-feira, os negociadores do Parlamento e do Conselho chegaram a um acordo político provisório sobre a revisão do directiva relativa às emissões industriais (IED) e directiva relativa à deposição de resíduos em aterros e o novo regulamento sobre o Portal de Emissões Industriais. O objectivo é continuar a combater a poluição do ar, da água e do solo proveniente de grandes instalações agro-industriais, que também pode levar a problemas de saúde como asma, bronquite e cancro.

Instalações industriais

As novas regras tornarão obrigatório o estabelecimento dos níveis de emissões mais rigorosos possíveis e incentivarão as instalações industriais a concentrarem-se mais na eficiência e reutilização de energia, água e materiais, além de promoverem a utilização de produtos químicos mais seguros, menos tóxicos ou não tóxicos nos processos industriais. , através de metas de emissões ou de desempenho ambiental. Para combater a escassez de água, as metas de desempenho ambiental tornar-se-ão obrigatórias para o consumo de água. Para os resíduos, a eficiência dos recursos, a eficiência energética e a utilização de matérias-primas, essas metas estarão dentro de um determinado intervalo e, para as novas técnicas, as metas serão indicativas.

Os colegisladores concordaram em alargar a DEI às instalações da indústria extrativa (minas) e às grandes instalações de produção de baterias.

Fazendas de gado

Os co-legisladores concordam em alargar as medidas IED às explorações suinícolas com mais de 350 unidades pecuárias (LSU). Estão excluídas as explorações que criam suínos de forma extensiva ou biológica, e no exterior durante um período significativo de tempo num ano. Para aves de capoeira, aplicar-se-ia a explorações com galinhas poedeiras com mais de 300 LSU e a explorações com frangos de corte com mais de 280 LSU. Para fazendas de criação de suínos e aves, o limite será de 380 LSU.

A Comissão propôs originalmente um limiar de 150 LSU para todos os animais, incluindo o gado. Os colegisladores concordaram em incumbir a Comissão de rever, até 31 de dezembro de 2026, a necessidade de uma ação da UE para fazer face às emissões provenientes da criação de gado, incluindo o gado, bem como de uma cláusula de reciprocidade para garantir que os produtores fora da UE cumpram requisitos semelhantes às regras da UE ao exportar para a UE.

Participação pública, penalidades e sanções

Os negociadores também concordaram em aumentar a transparência e a participação pública em relação ao licenciamento, operação e controlo de instalações regulamentadas. O Registro Europeu de Liberação e Transferência de Poluentes será transformado num Portal de Emissões Industriais da UE, onde os cidadãos poderão aceder a dados sobre todas as licenças da UE e atividades poluentes locais. Além disso, os sistemas de licenciamento eletrónico deverão estar em vigor o mais tardar até 2035.

As empresas que não cumpram podem enfrentar sanções de pelo menos 3% do volume de negócios anual do operador na UE pelas infrações mais graves e os Estados-Membros devem dar aos cidadãos afetados pelo incumprimento o direito de reclamar uma indemnização por danos à sua saúde.

Parâmetros

Após a votação, relator Radan Kanev (PPE, Bulgária), disse: “Estou satisfeito com o resultado global, uma vez que o Parlamento defendeu os pontos mais importantes do seu mandato, incluindo a redução significativa das emissões sem criar mais burocracia para as indústrias e os agricultores, bem como o nível de sanções para os não- empresas cumpridoras.”

Próximos passos

O acordo ainda terá de ser adotado pelo Parlamento e pelo Conselho, após o que a nova lei será publicada no Jornal Oficial da UE e entrará em vigor 20 dias depois. Os Estados-Membros terão então 22 meses para cumprir esta directiva.

Contexto

diretiva de emissões industriais estabelece regras sobre a prevenção e o controlo da poluição proveniente das emissões das grandes instalações agroindustriais para a atmosfera, a água e o solo, bem como a produção de resíduos, a utilização de matérias-primas, a eficiência energética, o ruído e a prevenção de acidentes. As instalações abrangidas pelas regras são obrigadas a operar de acordo com uma licença que abrange todo o desempenho ambiental da instalação.

Esta legislação responde às expectativas dos cidadãos relativamente ao princípio do poluidor-pagador e acelera a transição ecológica e promove processos de produção mais ecológicos, tal como expresso nas propostas 2(2), 3(1), 11(1) e 12(5) do conclusões da Conferência sobre o Futuro da Europa.

Leia mais:

Reduzir a poluição nas águas subterrâneas e superficiais da UE

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -