8.6 C
Bruxelas
Quarta-feira, fevereiro 21, 2024
EuropaCrianças em conflitos armados, a ONU e a UE

Crianças em conflitos armados, a ONU e a UE

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Willy Fautre
Willy Fautrehttps://www.hrwf.eu
Willy Fautré, antigo encarregado de missão no Gabinete do Ministério da Educação belga e no Parlamento belga. Ele é o diretor do Human Rights Without Frontiers (HRWF), uma ONG com sede em Bruxelas que fundou em dezembro de 1988. A sua organização defende os direitos humanos em geral, com especial enfoque nas minorias étnicas e religiosas, na liberdade de expressão, nos direitos das mulheres e nas pessoas LGBT. A HRWF é independente de qualquer movimento político e de qualquer religião. Fautré realizou missões de apuramento de factos sobre direitos humanos em mais de 25 países, incluindo em regiões perigosas como o Iraque, a Nicarágua sandinista ou os territórios maoístas do Nepal. Ele é professor em universidades na área de direitos humanos. Publicou muitos artigos em revistas universitárias sobre as relações entre o Estado e as religiões. É membro do Press Club de Bruxelas. É defensor dos direitos humanos na ONU, no Parlamento Europeu e na OSCE.

Em 2022, um total de 2,496 crianças, algumas com apenas 8 anos de idade, foram verificadas pelas Nações Unidas como detidas pela sua associação real ou alegada com grupos armados, incluindo grupos designados como terroristas pela ONU. no Iraque, na Cisjordânia ocupada, incluindo Jerusalém Oriental, e na República Árabe Síria.

Estes números foram destacados por Anne Schintgen no Parlamento Europeu durante uma conferência intitulada “Crianças Privadas de Liberdade no Mundo” organizada em 28 de Novembro por Eurodeputada Soraya Rodríguez Ramos (Grupo Político Renovar a Europa). Vários especialistas de alto nível foram convidados como painelistas para falar sobre suas respectivas áreas de especialização:

Manfred Nowak, ex-relator especial da ONU sobre tortura e especialista independente que liderou a elaboração de um estudo global da ONU sobre crianças privadas de liberdade;

Benoit van Keirsbilck, membro do Comitê das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança;

Manu Krishan, Campus Global de Direitos Humanos, pesquisadora com experiência em direitos e melhores práticas da criança;

Anne Schintgen, Chefe do Gabinete de Ligação Europeu do Representante Especial do Secretário-Geral da ONU para as Crianças e os Conflitos Armados;

Rasha Muhrez, Diretor de Resposta à Síria da Save the Children (online);

Marta Lourenço, Diretor do Escritório de Representação da UNRWA para a Europa (Agência das Nações Unidas de Assistência e Obras para os Refugiados da Palestina no Oriente Próximo).

Relatório da ONU sobre Crianças em Conflitos Armados

Manfred Nowak, ex-relator especial da ONU sobre a tortura e especialista independente que liderou a elaboração de um estudo global da ONU sobre crianças privadas de liberdade, foi convidado para a conferência no Parlamento Europeu e sublinhou que 7.2 milhões de crianças estão, de várias formas, privadas de liberdade no mundo.

Referiu-se em particular ao relatório do Secretário-Geral da ONU sobre as crianças em conflitos armados, dirigido aos 77th Sessão do Conselho de Segurança da Assembleia Geral da ONU (A/77/895-S/2023/363) em 5 de junho de 2023, que dizia:

“Em 2022, as crianças continuaram a ser desproporcionalmente afectadas por conflitos armados, e o número de crianças verificadas como afectadas por violações graves aumentou em comparação com 2021. As Nações Unidas verificaram 27,180 violações graves, das quais 24,300 foram cometidas em 2022 e 2,880 foram cometidas antes. mas verificadas apenas em 2022. As violações afectaram 18,890 crianças (13,469 rapazes, 4,638 raparigas, 783 sexo desconhecido) em 24 situações e num acordo de monitorização regional. O maior número de violações foi o assassinato (2,985) e a mutilação (5,655) de 8,631 crianças, seguido do recrutamento e utilização de 7,622 crianças e do rapto de 3,985 crianças. As crianças foram detidas por associação real ou alegada com grupos armados (2,496), incluindo aqueles designados como grupos terroristas pelas Nações Unidas, ou por razões de segurança nacional.”

O mandato do Representante Especial da ONU para Crianças em Conflitos Armados

O Representante Especial que atualmente é Virgínia Gamba serve como principal defensor da ONU para a proteção e o bem-estar das crianças afetadas por conflitos armados.

O mandato foi criado pela Assembleia Geral (Resolução A/RES/51/77) na sequência da publicação, em 1996, de um relatório de Graça Machel intitulado “Impacto do Conflito Armado nas Crianças”. O seu relatório destacou o impacto desproporcional da guerra nas crianças e identificou-as como as principais vítimas do conflito armado.

O papel do Representante Especial para as Crianças e os Conflitos Armados é reforçar a protecção das crianças afectadas pelos conflitos armados, aumentar a sensibilização, promover a recolha de informações sobre a situação das crianças afectadas pela guerra e promover a cooperação internacional para melhorar a sua protecção.

Detenção de crianças no Iraque, RD Congo, Líbia, Mianmar Somália

Seis violações graves que afectam crianças em tempos de conflito foram destacadas por Anne Schintgen, membro do painel da conferência: recrutamento e utilização de crianças para combater, matar e mutilar crianças, violência sexual, ataques a escolas e hospitais, rapto e negação de acesso humanitário .

Além disso, a ONU está a monitorizar a detenção de crianças pela sua associação real ou alegada com grupos armados.

A este respeito, ela citou uma série de países que suscitam especial preocupação:

No Iraque, em Dezembro de 2022, 936 crianças permaneciam detidas sob acusações relacionadas com a segurança nacional, incluindo pela sua associação real ou alegada com grupos armados, principalmente o Da'esh.

Na República Democrática do Congo, a ONU verificou em 2022 a detenção de 97 rapazes e 20 raparigas, com idades entre os 9 e os 17 anos, pela sua alegada associação com grupos armados. Todas as crianças foram libertadas.

Na Líbia, a ONU recebeu relatos da detenção de cerca de 64 crianças, com as suas mães, de diversas nacionalidades, pela alegada associação das suas mães com o Da'esh,

Em Myanmar, 129 rapazes e raparigas foram detidos pelas forças armadas nacionais.

Na Somália, um total de 176 rapazes, dos quais 104 foram libertados e 1 foi morto, foram detidos em 2022 pela sua alegada associação com grupos armados.

As crianças devem ser consideradas principalmente como vítimas de violações ou abusos dos seus direitos e não como perpetradores e uma ameaça à segurança, disse Anne Schintgen, sublinhando que a detenção de crianças pela sua alegada associação com grupos armados é um problema em 80% dos países abrangidos. pelo mecanismo da ONU para Crianças e Conflitos Armados.

Deportação de crianças ucranianas pela Rússia

Durante o debate que se seguiu às apresentações dos painelistas, foi levantada a questão da deportação de crianças ucranianas dos Territórios Ocupados pela Rússia. Tanto Manfred Nowak como Benoit Van Keirsblick, membro do Comité das Nações Unidas para os Direitos da Criança convidado como painelista, expressaram as suas profundas preocupações sobre esta situação.

Em um relatório intitulado “Crianças ucranianas em busca de um caminho de casa vindo da Rússia”publicado em três idiomas (inglês, russo e ucraniano) em 25 de agosto de 2023, Human Rights Without Frontiers salientou que as autoridades ucranianas tinham uma lista nominativa de cerca de 20,000 crianças deportadas pela e para a Rússia, que estão agora a ser russificadas e educadas numa mentalidade anti-ucraniana. No entanto, muitos mais foram retirados dos territórios ocupados pela Rússia.

Recorde-se que, em 17 de março de 2023, a Câmara de Instrução do Tribunal Penal Internacional em Haia emitiu mandados de prisão para O presidente russo, Vladimir Putin, e a comissária russa para os direitos da criança, Maria Lvova-Belova, sobre a sua responsabilidade na deportação de crianças ucranianas.

Um apelo à UE

Os peritos convidados para a conferência incentivaram a União Europeia a garantir que o tema das crianças afectadas por conflitos seja sistematicamente integrado e avançado na sua vasta gama de acções externas. Instaram também a UE a incluir a questão da detenção de crianças pela sua alegada associação com grupos armados nas suas Directrizes sobre Crianças e Conflitos Armados que estão actualmente a ser revistas.

A eurodeputada Soraya Rodriguez Ramos concluiu dizendo:

“O relatório de iniciativa parlamentar que dirijo e que será votado na sessão plenária de dezembro é uma oportunidade para dar visibilidade ao sofrimento de milhões de crianças privadas de liberdade no mundo e para apelar à comunidade internacional à ação e à ação eficaz compromisso de acabar com isso.”

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -