14.2 C
Bruxelas
Quinta-feira, abril 11, 2024
ReligiãoCristianismoOuranopolitismo e patriotismo

Ouranopolitismo e patriotismo

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Autor convidado
Autor convidado
Autor convidado publica artigos de colaboradores de todo o mundo

Pelo padre Daniil Sysoev

“O ouranopolitismo é (do grego Ouranos – céu, polis – cidade) uma doutrina que afirma a primazia das leis divinas sobre as terrenas, a primazia do amor ao Pai celestial e ao Seu Reino celestial sobre todas as aspirações naturais e pecaminosas do homem. O ouranopolitismo afirma que o parentesco principal não é o parentesco de sangue ou país de origem, mas o parentesco em Cristo. O ouranopolitismo afirma que os cristãos não têm aqui a cidadania eterna, mas procuram o futuro Reino de Deus e, portanto, não podem dar o seu coração a nada na Terra. O ouranopolitismo afirma que no mundo mortal os cristãos são cada vez mais estranhos, e sua pátria está no céu.”

Sobre sentimentos patrióticos e o Céu

“Ao discutir o ouranopolitismo, um dos problemas mais importantes é o problema da linguagem. Quando falo de patriotismo, refiro-me a uma ideologia específica que coloca os interesses da pátria terrena como o valor mais elevado.

Por patriotismo quero dizer o que a Wikipedia diz:

“O patriotismo (grego πατριώτης – compatriota, πατρίς – pátria) é um princípio moral e político, um sentimento social, cujo conteúdo é o amor à pátria e a vontade de subordinar os interesses privados de alguém aos seus interesses. O patriotismo pressupõe o orgulho pelas conquistas e pela cultura da sua Pátria, o desejo de preservar o seu carácter e características culturais e a identificação com os outros membros da nação, a vontade de subordinar os seus interesses aos interesses do país, o desejo de proteger o interesses da Pátria e do seu povo.”

A cidadania celestial é incompatível com esta ideologia, pois Deus não deu o mandamento do “amor à Pátria” nas Escrituras e na Tradição e, portanto, é inaceitável considerar o patriotismo uma virtude religiosa. O que Deus não ordenou não é um mandamento.

“Orgulho pelas conquistas e pela cultura da Pátria” também é inaceitável para um cristão. Afinal, Deus resiste aos orgulhosos, mas dá graça aos humildes. E a existência real de uma pátria terrena não é de forma alguma evidente para um cristão. O consenso do Patrum estará antes do lado daqueles que afirmam que um cristão tem apenas uma pátria – a celestial. Outras opiniões foram expressas apenas por raros santos dos últimos dois séculos, o que contradiz o princípio de São Vicente: “Tradição é o que todos acreditaram, sempre e em toda parte”.

Outra coisa é o sentimento de amor pela Pátria. Para muitas pessoas, o patriotismo é apenas um sentimento, e não um sistema ideológico. Como avaliar esse sentimento do ponto de vista do Céu? Mas de jeito nenhum. É neutro em si. Como qualquer outro sentimento, por si só é desprovido de valor independente. Como exemplo, darei uma sensação mais primitiva – a sensação de fome. O homem realmente queria presunto. Isso é bom ou ruim? Não importa. Mas se esse sentimento despertou na Sexta-feira Santa, então esta é uma tentação diabólica. E não porque o presunto seja mau ou mau, mas porque é jejum. Da mesma forma, o amor (no sentido de apego) ao local e país de nascimento é algo indiferente em si. Pode levar ao bem quando, por exemplo, uma pessoa movida por este sentimento converte o seu próximo a Cristo. Pode levar ao mal quando uma pessoa, a pretexto desse sentimento, começa a justificar crimes cometidos em nome da Pátria e, mais ainda, a participar deles. Mas esse sentimento em si é neutro.

Fazer desse sentimento uma virtude é inútil. As habilidades humanas em si não são virtudes. Não há justificativa para acreditar que todos deveriam tê-lo. Esse sentimento não é inicial e nem universal. Os povos nômades e os caçadores não o possuem, mas os moradores das megacidades o possuem naturalmente fraco. Entre os povos cristãos era extremamente fraco enquanto a Igreja moldava o pensamento das pessoas. E as pessoas tentavam identificar-se não pela componente estatal ou nacional da sua existência, mas pela religião a que pertenciam. Não é evidente para uma pessoa, caso contrário a educação patriótica não seria necessária. Não é exigido por Deus e, portanto, quem somos nós para exigi-lo de outras pessoas.

Portanto, como bem observou um de meus oponentes, o patriotismo, nesse aspecto, tem um significado semelhante ao desejo de pôr a mesa bem e lindamente. Esse sentimento não é pecado nem bom. Mas se esse sentimento o impede de ir para o céu, então neste caso você terá que superá-lo.”

Ouranopolitismo: por que precisamos de um novo mandato?

“Esta pergunta me é feita por muitos de meus amigos, que observam com razão que o que escrevo é o Cristianismo mais comum, conforme estabelecido na Bíblia e nos Padres da Igreja. Tentarei explicar minha posição. Na minha opinião, tanta mitologia pseudo-cristã penetrou na visão de mundo de muitos cristãos ortodoxos modernos que se dissermos “apenas cristianismo”, seremos acusados ​​de protestantismo, e a palavra “ortodoxia” nas mentes de um grande número de pessoas significa algo completamente vago e abstrato. Hoje em dia Karpets se autodenomina Ortodoxo (de acordo com a classificação normal, ele é um gnóstico comum), um Tsarebozhnik (de acordo com a classificação tradicional, um pagão), um ateu como Lukashenko, etc. theologumens”, quando todos se consideram no direito de atribuir qualquer significado à palavra “Ortodoxia”. Ao perceber a Igreja operando neste mundo, encontramos o mesmo problema que os Padres do I Concílio Ecumênico enfrentaram ao falar com os Arianos. As mesmas palavras muitas vezes carregam significados mutuamente exclusivos nas mentes de pessoas diferentes. E, ao mesmo tempo, as pessoas não se ofendem com expressões como as que vi recentemente numa faixa na região de Moscovo: “A Igreja sempre serviu a Rússia”. Embora o primeiro mandamento usual do Decálogo proíba servir a qualquer pessoa que não seja Deus.

E acredito que é necessário introduzir um novo termo, com o qual os defensores das “ortodoxias híbridas” não poderiam concordar. — A palavra “uranopolismo” é nova e, portanto, ainda não pode ser mal interpretada. Traça muito claramente uma linha entre o Cristianismo Ortodoxo e o “Cristianismo” patriótico, e separa a fé Ortodoxa do nacionalismo, do cosmopolitismo e do liberalismo. Este termo está ainda mais enraizado nas Escrituras do que o “homousios” niceno. A cidade do céu é mencionada diversas vezes nas Escrituras (Ap 21-22, Hb 11, 10-16; 12.22; 13.14) e por isso a expressão “ouranopolitismo” ou “cidadania celestial” é simplesmente bíblica.

Quanto ao fato de o som desse termo poder causar falsas associações, parece-me que um porco encontrará sujeira. Acho que mesmo outra palavra pode ter uma associação desagradável. E sempre haverá muitas pessoas sem escrúpulos e que não temem a Deus. Você pode chamar essa linha de pensamento em russo de “cidadania celestial”, mas ainda são duas palavras, não uma. No entanto, isso é uma questão de gosto. Não sei qual versão desta palavra vai ficar. Sim, isso também não importa para mim. O principal é que a Igreja mantenha a sua visão sobrenatural do que está acontecendo.

Quanto às associações com a política, é totalmente justificada. O ouranopolitismo é o programa de Cristo para a vida neste mundo. Inclui, entre outras coisas, relações muito específicas com quaisquer formas de governo. Ao contrário da crença popular, estou convencido de que o Cristianismo não é compatível com praticamente nenhuma ideologia mundana existente na sua forma pura, mas ao mesmo tempo tem uma visão completamente clara de todos os processos deste mundo. É esta visão celestial dos processos terrenos que chamo de ouranopolitismo.”

Fonte: padre Daniil Sysoev † 2. Postado por ouranios em 2011, https://uranopolitism.wordpress.com/.

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -