6.3 C
Bruxelas
Segunda-feira, abril 22, 2024
Direitos humanosReino Unido instado a acabar com a “ameaça nacional” de violência contra mulheres e meninas

Reino Unido instado a acabar com a “ameaça nacional” de violência contra mulheres e meninas

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Notícias das Nações Unidas
Notícias das Nações Unidashttps://www.un.org
Notícias das Nações Unidas - Histórias criadas pelos serviços de notícias das Nações Unidas.

Concluindo um Visita de 10 dias ao país, a Relatora Especial Reem Alsalem observou que uma mulher é morta por um homem a cada três dias no Reino Unido, e uma em cada quatro mulheres sofrerá alguma forma de violência doméstica durante a sua vida.

"Patriarcado entrincheirado em quase todos os níveis da sociedade, combinado com o aumento da misoginia que permeia o mundo físico e online, está negando a milhares de mulheres e meninas em todo o Reino Unido o direito de viver em segurança, livres do medo e da violência”, disse ela em uma declaração resumindo suas descobertas e observações preliminares.

Liderança e inspiração 

Sra. reconheceu o quadro jurídico robusto para a promoção da igualdade de género, incluindo a Lei da Igualdade de 2010 e outra legislação aplicável em todo o Reino Unido, observando que este quadro é complementado por legislação e políticas importantes nas regiões descentralizadas, referindo-se à Escócia, ao País de Gales e à Irlanda do Norte.

Ela disse que o Reino Unido tem sido líder no fortalecimento do seu quadro jurídico para enfrentar as formas atuais e emergentes de violência contra mulheres e meninas, incluindo o controle coercitivo, a violência facilitada digitalmente e a perseguição, bem como na melhoria do acesso à justiça.

“Muitos países procurarão inspiração no Reino Unido, bem como exemplos de inovação e boas práticas sobre como tornar a vida mais segura para mulheres e raparigas e responsabilização por crimes cometidos contra elas”, acrescentou.

Traduzir política em ação 

No entanto, o Relator Especial observou que uma série de realidades prejudicam a capacidade do Reino Unido de concretizar todo o potencial da sua legislação e políticas sobre a violência contra as mulheres.

Eles incluem a diluição da ligação entre estas políticas e as obrigações internacionais do Reino Unido em matéria de direitos humanos; um discurso e posicionamento críticos gerais sobre os direitos humanos, particularmente em relação aos migrantes, requerentes de asilo e refugiados; e a fragmentação das políticas sobre violência masculina contra mulheres e meninas em áreas descentralizadas e não descentralizadas.

"O Reino Unido pode fazer mais para traduzir em ação o seu reconhecimento político da escala da violência contra mulheres e raparigas”, disse ela, antes de oferecer várias recomendações, como reunir todas as vertentes legislativas e programáticas de intervenção sobre a questão, atualizar e formalizar a responsabilidade pela discriminação e violência contra mulheres e meninas no governo, e ancorá-la em compromissos de direitos humanos. 

Grupos de base em dificuldades 

Alsalem expressou preocupação sobre a forma como as organizações de base e os prestadores de serviços especializados da linha da frente que trabalham com mulheres e raparigas estão a lutar para satisfazer as necessidades dos mais vulneráveis, tanto estrangeiros como nacionais, que passam despercebidos e não são cobertos por prestadores de serviços legais. 

Estes grupos “estão lutando para sobreviver num contexto cada vez mais desafiador de aumento do custo de vida, um aprofundamento da crise imobiliária e uma falta crítica de financiamento", Disse ela.

“A situação das ONG que trabalham na igualdade de género e na violência contra mulheres e raparigas atingiu um ponto de crise e é simplesmente insustentável”, acrescentou, instando as autoridades do Reino Unido a restaurarem o financiamento previsível e adequado às organizações da linha da frente. 

A Sra. Alsalem, Relatora Especial da ONU sobre violência contra mulheres e meninas, foi nomeada pela ONU Conselho de Direitos Humanos em Genebra. 

Os peritos independentes que recebem mandatos do Conselho não são funcionários da ONU e não são remunerados pelo seu trabalho. 

Link Fonte

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -