13.9 C
Bruxelas
Wednesday, May 22, 2024
Tecnologia científicaArqueologiaRoma restaurou parcialmente a Basílica de Trajano com o dinheiro de um oligarca russo

Roma restaurou parcialmente a Basílica de Trajano com o dinheiro de um oligarca russo

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Questionado sobre o tema, o curador-chefe do património cultural de Roma, Claudio Parisi Presicce, disse que o financiamento de Usmanov foi acordado antes das sanções ocidentais e que o património antigo de Roma, diz ele, é “universal”.

A imponente colunata da Basílica de Trajano, em Roma, que ocupa uma posição de destaque no fórum do imperador romano a poucos passos do Coliseu, acaba de ser parcialmente restaurada graças a um oligarca russo sob sanções da União Europeia e dos Estados Unidos, informou a AFP.

Enquanto a maioria dos projectos empreendidos em Roma para trazer à luz as antigas ruínas obrigam os turistas a curvar-se, a reconstrução da colunata coríntia de dois andares convida-os a olhar para o céu, a uma altura de mais de 23 metros.

“Se os visitantes não percebem a altura dos monumentos, não entendem o significado da arquitetura”, disse Claudio Parisi Presicce, curador-chefe do patrimônio cultural de Roma, à AFP durante uma visita ao local.

A Basílica de Ulpia, edifício sem vocação religiosa na época, é a peça central do Fórum de Trajano, o maior e último dos fóruns imperiais, em homenagem a Marco Ulpius Trajano, imperador de 98 a 117 DC.

Descoberto no século II, ruiu em grande parte na Idade Média, mas foi trazido à luz por escavações no início do século XIX e na década de 19.

O projeto atual, iniciado em 2021, permitiu identificar três colunas de mármore verde deixadas durante quase um século “num canto”, sem ligação às suas fundações, explica Presicce.

O projeto foi financiado por uma doação de 1.5 milhões de euros feita em 2015 pelo oligarca nascido no Uzbequistão, Alisher Usmanov.

Ele foi sancionado pela União Europeia e pelos EUA após a invasão da Ucrânia pela Rússia no início de 2022, acusado pelo Departamento do Tesouro dos EUA de ser próximo do presidente russo, Vladimir Putin.

No ano passado, a revista Forbes estimou a fortuna do oligarca em US$ 14.4 bilhões.

Eleito o “doador mais generoso” na lista de filantropos ricos do Sunday Times de 2021, tendo doado £ 4.2 bilhões em 20 anos. dólares para caridade, Usmanov é um notável italófilo de cuja generosidade Roma já se beneficiou.

Questionado sobre o tema, Claudio Parisi Presicce respondeu que o financiamento de Usmanov foi acordado antes das sanções ocidentais, e a herança antiga de Roma, segundo ele, é “universal”.

As campanhas militares em grande escala de Trajano, incluindo o virtual extermínio dos Dácios na actual Roménia, permitiram a Roma expandir ainda mais as suas fronteiras.

Suas duas guerras sangrentas contra os Dácios são representadas por um baixo-relevo em espiral na Coluna de Trajano, localizado ao norte da basílica e erguido em celebração às vitórias e ao saque do imperador.

“Trajano construiu um monumento usando os materiais mais preciosos que podiam ser encontrados na época”, Parisi Presicce, referindo-se ao mármore colorido extraído no Egito, na Ásia e na África.

A basílica, que albergava os tribunais civis e criminais e outras estruturas administrativas, é composta por cinco corredores centrais separados por filas de colunas.

Projetado pelo famoso arquiteto Apolodoro de Damasco, possui telhado de telhas de bronze, enquanto a fachada é decorada com estátuas de prisioneiros dácios e afrescos representando as armas das legiões vitoriosas.

Escavações anteriores trouxeram à luz o fórum e os restos da sua basílica, mas embora as enormes colunas de granito que percorrem toda a extensão da basílica tenham sido restauradas e remontadas, a colunata ainda não tinha o seu segundo andar.

Isto já foi feito: foram recriados em resina segmentos do mármore original do friso do entablamento, preservados em armazéns ou museus, bem como partes perdidas com menos detalhe.

Isto permite ao visitante ver a diferença entre os originais e as réplicas – uma prática comum na restauração consciente do património e que ilustra a natureza reversível da intervenção.

As etapas finais do projeto incluem a recriação da escadaria sul da basílica, utilizando lajes de mármore amarelo antigo encontradas no local.

Cerca de 150 projetos arqueológicos estão planeados em Roma até 2027, a maioria dos quais financiados pelos fundos de recuperação pós-pandemia da União Europeia.

Foto: Marcus Ulpius Traianus, busto de mármore, Glyptothek, Munique

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -