13 C
Bruxelas
Sábado, Maio 25, 2024
ReligiãoCristianismoCircular do Santo Sínodo da Hierarquia da Igreja de...

Circular do Santo Sínodo da Hierarquia da Igreja da Grécia sobre o Casamento

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Autor convidado
Autor convidado
Autor convidado publica artigos de colaboradores de todo o mundo

Prot. 373

No. 204

Atenas, 29 de janeiro de 2024

ECÍCLIOS 3 0 8 5

Aos cristãos da Igreja da Grécia

Nascido no Senhor, amado,

Como foram informados, há poucos dias, ou seja, no dia 23 de janeiro de 2024, a Hierarquia da Igreja da Grécia, que é a autoridade suprema da nossa Igreja, estudou a questão que surgiu nos nossos dias, nomeadamente o estabelecimento do “casamento civil” de homossexuais, com todas as consequências que isso traz para o direito da família.

A Hierarquia discutiu este assunto com bastante responsabilidade e sobriedade, provando mais uma vez a sua unidade, e depois decidiu por unanimidade as coisas necessárias que foram anunciadas.

Uma das decisões que ela tomou foi informar a sua congregação que deseja ouvir as suas decisões e posições.

Neste contexto, a Hierarquia apela a todos vocês para articular a verdade sobre este sério assunto.

1. O trabalho da Igreja ao longo dos séculos é bilateral, ou seja, teológico, ao professar a sua fé revelada por Cristo e vivida pelos seus santos, e pastoral, ao pregar e conduzir as pessoas ao Cristo vivo. Este seu trabalho pode ser visto nas Sagradas Escrituras e nas decisões dos Sínodos Ecumênicos e Locais, que estabelecem as condições para a fé Ortodoxa e as regras sagradas e definem os limites dentro dos quais todos os seus membros, clérigos, monges e leigos, devem observar. Desta forma, a Igreja pastoreia, ou seja, cura as doenças espirituais das pessoas para que os cristãos vivam em comunhão com Cristo e com os seus irmãos, se libertem do egoísmo e desenvolvam a filantropia e a filantropia, ou seja, o amor egoísta, egoísta para se tornar amor altruísta.

2. Deus ama todas as pessoas, justas e injustas, boas e más, santos e pecadores, assim como a Igreja. Afinal, a Igreja é um hospital espiritual que cura as pessoas sem excluir ninguém, como mostra a parábola do Bom Samaritano que Cristo contou (Lucas I', 3037). Hospitais e médicos fazem o mesmo com doenças físicas. Quando os médicos operam as pessoas, ninguém pode afirmar que não têm amor.

Mas as pessoas reagem de forma diferente a este amor pela Igreja; alguns querem, outros não. O sol envia seus raios para toda a criação, mas alguns acendem e outros queimam, e isso depende da natureza de quem recebe os raios solares. Assim, a Igreja ama todos os seus filhos batizados e todas as pessoas que são criações de Deus, jovens e velhos, solteiros e casados, clérigos, monges e leigos, cultos e iletrados, príncipes e pobres, heterossexuais e homossexuais, e pratica o seu amor filantrópicamente, é basta, claro, que eles próprios o queiram e vivam realmente na Igreja.

3. A teologia da Igreja a respeito do matrimónio deriva da Bíblia Sagrada, do ensinamento dos Padres da Igreja e da disposição do Sacramento do Matrimónio. No livro de Gênesis está escrito: “27. E Deus criou o homem à Sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher ele os criou. 28. E Deus os abençoou, dizendo-lhes: frutificai e multiplicai-vos, enchei a terra e possuí-a e dominai sobre os peixes do mar (e sobre os animais), sobre as aves do céu (e sobre todo o gado, sobre toda a terra) e sobre todos os animais que rastejam pela terra” (Gênesis, 1, 27-28). Isto significa que “a dualidade das duas naturezas e a sua complementaridade mútua não são invenções sociais, mas fornecidas por Deus”; “a santidade da união do homem e da mulher refere-se à relação entre Cristo e a Igreja”; “O casamento cristão não é apenas um acordo de coabitação, mas um sagrado Sacramento através do qual o homem e a mulher recebem a graça de Deus para continuarem na sua deificação”; “pai e mãe são elementos constitutivos da infância e da vida madura”.

Toda a teologia do matrimónio se vê claramente na sequência do mistério do matrimónio, nos ritos e nas bênçãos. Neste mistério é proclamada a união do homem e da mulher em Cristo Jesus, com as condições necessárias. Os resultados do Matrimônio em Cristo são a criação de um bom casamento e de uma boa família, o nascimento dos filhos, como fruto do amor dos dois cônjuges, o homem e a mulher, e a sua relação com a vida da Igreja. A falta de filhos, sem culpa dos cônjuges, não destrói o casamento em Cristo.

A família cristã tradicional é composta por pai, mãe e filhos, e nesta família os filhos crescem conhecendo a maternidade e a paternidade, que serão elementos essenciais no seu futuro desenvolvimento.

Por outro lado, como se vê no “Trebnik” da Igreja, há uma clara ligação entre os Mistérios do Batismo, da Unção, do Matrimônio, da Confissão e da Sagrada Comunhão do Corpo e Sangue de Cristo. Qualquer ruptura nesta relação cria problemas eclesiásticos.

É por isso que somos batizados e ungidos para participar do Corpo e Sangue de Cristo. A cerimônia de casamento acontece para que os cônjuges e familiares possam participar do Mistério da Eucaristia e do Corpo e Sangue de Cristo. Qualquer ruptura nesta conexão dos mistérios é uma apostasia.

A Igreja baseia-se nesta tradição que foi dada por Deus aos santos e não pode aceitar qualquer outra forma de casamento, muito menos o chamado “casamento homossexual”.

4. Num estado de direito, o estado com as suas instituições tem o poder de elaborar projetos de lei e aprovar leis para que haja unidade, paz e amor na sociedade.

No entanto, a Igreja é uma instituição antiga, tem tradições centenárias, participou em todas as provações do povo em todos os tempos, desempenhou um papel decisivo na sua liberdade, como se viu na história, a mais antiga e a mais recente, e todos deveriam dar-lhe o devido respeito, respeito. Afinal, todos os governantes, com exceção de alguns, são membros dela por poder e bênção. A Igreja não apoia nem se opõe, mas governa segundo Deus e pastoreia sobre todos. Portanto, tem um motivo especial para ser respeitado.

Sobre o tema do chamado “casamento político dos homossexuais”, o Santo Sínodo não só não pode ficar calado, mas deve falar por amor e misericórdia para com todos. É por isso que a hierarquia da Igreja da Grécia na sua recente decisão, de forma unânime e unificadora, pelas razões que defendeu, anunciou que “se opõe completa e categoricamente ao projeto de lei proposto”.

E esta decisão clara baseia-se no facto de que “os iniciadores do projeto de lei e aqueles que concordam com ele promovem a abolição da paternidade e da maternidade e a sua transformação em parentalidade neutra, o desaparecimento dos papéis de ambos os sexos dentro da família e do lugar acima dela, a proteção dos interesses das futuras crianças e das escolhas sexuais dos adultos homossexuais'.

Além disso, o estabelecimento da “adoção de crianças” condena as futuras crianças a crescerem sem pai ou mãe num ambiente de confusão de papéis parentais, deixando uma janela aberta para a chamada “gravidez de aluguer” que proporcionará incentivos à exploração de mulheres vulneráveis. e mudando a instituição sagrada da família.

A Igreja, que deve expressar a vontade de Deus e orientar ortodoxamente os seus membros, não pode aceitar tudo isto, porque caso contrário trairá a sua missão. E fá-lo não só por amor aos seus membros, mas também por amor ao próprio Estado e às suas instituições, para que contribuam para a sociedade e contribuam para a sua unidade.

Aceitamos, é claro, os direitos das pessoas se elas se moverem dentro dos limites permitidos, combinados com os seus deveres, mas a legalização de um “direito” absoluto a ser praticamente deificado desafia a própria sociedade.

5. A Igreja está interessada na família, que é a célula da Igreja, da sociedade e da nação. O Estado também deve apoiar isso, pois na atual Constituição entende-se que “a família como base de manutenção e promoção da nação, assim como o casamento, a maternidade e a infância estão sob a proteção do Estado” (artigo 21.º). ).

De acordo com a Carta Estatutária da Igreja Grega, que é uma lei estatal (590/1977), “A Igreja Grega coopera depois do Estado, em questões de interesse comum, tais como… a promoção da instituição do casamento e da família” (No. .2).

Apelamos, portanto, ao Estado para que lide com o problema demográfico que se transforma numa bomba prestes a explodir e é o principal problema nacional do nosso tempo, cuja solução é prejudicada pelo projecto de lei que está prestes a ser aprovado, e apelamos é apoiar as famílias numerosas que muito oferecem à sociedade e à nação.

Tudo isto a hierarquia da Igreja Grega anuncia a todos os seus membros, com um sentido de responsabilidade pastoral e de amor, porque não só o chamado “casamento homossexual” é um enfraquecimento do casamento cristão e da instituição da família grega tradicional , que muda seu padrão, mas também porque a homossexualidade é condenada por toda a tradição da igreja, a começar pelo apóstolo Paulo (Rm 1, 2432), e trata do arrependimento, que é uma mudança de estilo de vida.

É claro que existe o princípio básico de que, embora a Igreja condene todo pecado por alienar o homem da Luz e do amor de Deus, ao mesmo tempo ela ama todo pecador porque ele também tem a “imagem de Deus” e pode alcançar a “semelhança”. . se ele cooperar com a graça de Deus.

O Santo Sínodo dirige esta palavra responsável a vós, cristãos bem-aventurados, aos seus membros e a todos os que esperam a sua palavra, porque a Igreja «fala a verdade com amor» (Ef 4, 15) e «ama com a verdade». (2 João 1, 1).

† JEROMEN de Atenas, Presidente

† Serafins de Karistias e Skyros

† Eustácio de Monemvasia e Esparta

† Aleixo de Nicéia †

Crisóstomo de Nicópolis e Preveza

† Teóclito de Jerisos, Agios Yoros e Ardamerios

† Teóclito de Marconia e Comotina Panteleimon

† Jorge de Kitrusi e Katerina

† Máximo de Ioannina

† Ellasson de Charito

† Anfilóquio de Tiro, Amorgos e as Ilhas

† Nicéforo de Gortyn e Megalópolis

† Damasceno da Etólia e Acarnânia

Secretário geral:

arquim. Ioannis Karamouzis

Fonte:SUA PARTICIPAÇÃO FAZ A DIFERENÇA

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -