16.1 C
Bruxelas
Sexta-feira, junho 21, 2024
ReligiãoCristianismoInterpretação da oração “Pai Nosso”

Interpretação da oração “Pai Nosso”

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Autor convidado
Autor convidado
Autor convidado publica artigos de colaboradores de todo o mundo

Compilação por St. Bispo Teófano, o Recluso de Vysha

São Gregório de Nissa:

“Quem me daria asas de pomba?” – disse o salmista Davi (Sl 54:7). Atrevo-me a dizer o mesmo: quem me daria essas asas, para que eu pudesse elevar a minha mente à altura destas palavras, e, saindo da terra, passar pelo ar, alcançar as estrelas e ver toda a sua beleza, mas sem parando e a eles, além de tudo o que é móvel e mutável, para alcançar a natureza constante, o poder imóvel, guiando e sustentando tudo o que existe; tudo isso depende da vontade inefável da Sabedoria de Deus. Afastando-me mentalmente daquilo que é mutável e perverso, poderei pela primeira vez unir-me mentalmente com o Imutável e o Imutável, e com o nome mais próximo, dizendo: Pai!”.

São Cipriano de Cartago:

“Oh, que condescendência para conosco, que abundância de favor e bondade do Senhor, quando Ele nos permite, ao realizar a oração diante da face de Deus, chamar Deus de Pai, e nos chamar de filhos de Deus, apenas como Cristo é o Filho de Deus! Nenhum de nós ousaria usar esse nome em oração se Ele mesmo não nos tivesse permitido orar desta forma.

São Cirilo de Jerusalém:

“Na oração que o Salvador nos ensinou por meio de Seus discípulos, nomeamos Deus Pai com a consciência tranquila, dizendo: “Pai Nosso!”. Quão grande é a humanidade de Deus! Aqueles que se afastaram Dele e chegaram ao limite extremo do mal recebem uma tal comunhão na graça que o chamam de Pai: Pai Nosso!”.

São João Crisóstomo:

“Pai nosso! Oh, que filantropia extraordinária! Que grande honra! Com que palavras devo agradecer ao Remetente destes bens? Veja, amado, o nada da sua natureza e da minha, olhe para a sua origem – nesta terra, poeira, lama, argila, cinzas, porque somos criados a partir da terra e finalmente decaímos na terra. E quando você imaginar isso, maravilhe-se com a riqueza insondável da grande bondade de Deus para conosco, pela qual você é ordenado a chamá-lo de Pai, terreno – Celestial, mortal – Imortal, perecível – Incorruptível, temporal – Eterno, ontem e antes, eras existentes atrás'.

Agostinho:

“Em cada petição, primeiro se busca o favor do peticionário e depois se declara o mérito da petição. Um favor costuma ser solicitado com um elogio a quem é solicitado, que é colocado no início do pedido. Neste sentido, o Senhor também nos ordenou, no início da oração, exclamar: “Pai nosso!”. Nas Escrituras há muitas expressões através das quais o louvor a Deus é expresso, mas não encontramos uma prescrição para que Israel seja chamado de “Pai Nosso!”. Na verdade, os profetas chamavam Deus de Pai dos israelitas, por exemplo: “Eu criei e criei filhos, mas eles se rebelaram contra mim” (Is. 1:2); “Se eu sou pai, onde está a honra para mim?” (Mal. 1:6). Os profetas chamavam Deus assim, aparentemente para expor aos israelitas que eles não queriam ser filhos de Deus porque haviam cometido pecados. Os próprios profetas não ousavam dirigir-se a Deus como Pai, pois ainda se encontravam na posição de escravos, embora estivessem destinados à filiação, como diz o apóstolo: “o herdeiro, enquanto jovem, não se distingue em nada de um escravo” (Gálatas 4:1). Este direito é dado ao novo Israel – aos cristãos; estão destinados a ser filhos de Deus (cf. Jo 1, 12) e receberam o espírito de filiação, por isso exclamam: Aba, Pai!” (Romanos 8:15)”.

Tertuliano:

“O Senhor muitas vezes chamou Deus de nosso Pai, ele até nos ordenou que não chamassemos ninguém na terra de Pai, exceto Aquele que temos no céu (cf. Mateus 23:9). Assim, ao dirigirmos estas palavras em oração, cumprimos o mandamento. Bem-aventurados aqueles que conhecem a Deus, seu Pai. O nome de Deus, o Pai, não foi revelado a ninguém antes – até mesmo ao questionador Moisés foi dito outro nome de Deus, enquanto ele nos é revelado no Filho. O próprio nome Filho já leva ao novo nome de Deus – o nome Pai. Mas Ele também falou diretamente: “Eu vim em nome do Pai” (João 5:43), e novamente: “Pai, glorifica o Teu nome” (João 12:28), e ainda mais claramente: “Eu revelei O teu nome aos homens” (João 17:6)”.

São João Cassiano, o Romano:

“O Pai Nosso pressupõe na pessoa que ora o estado mais exaltado e mais perfeito, que se expressa na contemplação do Deus Único e no amor ardente por Ele, e no qual a nossa mente, permeada por este amor, conversa com Deus em a comunhão mais íntima e com especial sinceridade, como com seu Pai. As palavras da oração sugerem-nos que devemos ansiar diligentemente pela obtenção de tal estado. "Nosso pai!" – se desta forma Deus, o Senhor do universo, com Sua própria boca confessa Seu Pai, então ao mesmo tempo Ele também confessa o seguinte: que fomos completamente elevados de um estado de escravidão para um estado de filhos adotivos de Deus.

São Teofilato, arcebispo. Búlgaro:

“Os discípulos de Cristo competiam com os discípulos de João e queriam aprender a orar. O Salvador não rejeita o desejo deles e os ensina a orar. Pai Nosso, que estás nos céus – repara no poder da oração! Ele imediatamente o eleva ao sublime e, na medida em que você chama Deus de Pai, você se convence a fazer todo esforço para não perder a semelhança do Pai, mas para se assemelhar a Ele. A palavra “Pai” mostra com quais bens você foi honrado ao se tornar filho de Deus”.

São Simeão de Tessalônica:

“Pai nosso! – Porque Ele é o nosso Criador, que nos trouxe do não-ser ao ser, e porque pela graça Ele é nosso Pai através do Filho, por natureza Ele se tornou como nós”.

São Tikhon Zadonsky:

“Das palavras “Pai Nosso!” aprendemos que Deus é o verdadeiro Pai dos cristãos e eles são “filhos de Deus pela fé em Cristo Jesus” (Gálatas 3:26). Portanto, como nosso Pai, devemos invocá-Lo com confiança, como os filhos de pais carnais os invocam e lhes estendem as mãos em todas as necessidades.”

Observação: St. Teófano, o Recluso de Vysha (10 de janeiro de 1815 – 6 de janeiro de 1894) é celebrado em 10 de janeiro (23 de janeiro velho estilo) e no dia 16 de junho (Transferência das relíquias de São Teófano).

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -