19.1 C
Bruxelas
Domingo abril 14, 2024
Tecnologia científicaArqueologiaManuscritos carbonizados após a erupção do Vesúvio lidos por inteligência artificial

Manuscritos carbonizados após a erupção do Vesúvio lidos por inteligência artificial

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Gastão de Persigny
Gastão de Persigny
Gaston de Persigny - Repórter da The European Times Novidades

Os manuscritos têm mais de 2,000 anos e foram severamente danificados após a erupção do vulcão em 79 DC.

Três cientistas conseguiram ler uma pequena parte dos manuscritos carbonizados após a erupção do Vesúvio com a ajuda da inteligência artificial, informou a AFP.

Os manuscritos têm mais de 2,000 anos e foram severamente danificados após a erupção do vulcão em 79 DC. Os papiros de Herculano contêm cerca de 800 pergaminhos carbonizados durante o desastre que destruiu as cidades de Pompéia e Herculano, dizem os organizadores da competição Desafio do Vesúvio – Brent Seals, da Universidade de Kentucky, EUA, e Nat Friedman, fundador da plataforma Github.

Os manuscritos estão guardados no Instituto Francês de Paris e na Biblioteca Nacional de Nápoles. Os organizadores do concurso de leitura digitalizaram quatro pergaminhos e ofereceram um prêmio de um milhão de dólares americanos a quem conseguisse decifrar pelo menos 85% de quatro parágrafos de 140 caracteres.

O trio que venceu o Desafio Vesúvio e um prêmio de US$ 700,000 mil foi Youssef Nader, aluno de doutorado em Berlim, Luc Farriter, aluno e estagiário da SpaceX, e Julian Schilliger, estudante suíço de robótica.

Eles usaram inteligência artificial para separar a tinta do manuscrito carbonizado e identificar letras gregas. Graças a esta técnica, Luke Farriter leu a primeira palavra de um parágrafo – amor-perfeito.

Segundo os organizadores, Nader, Fariter e Schilliger decifraram cerca de cinco por cento de um pergaminho. De acordo com Nat Friedman, este é provavelmente um manuscrito do epicurista Filodemo.

Os papiros foram descobertos no século XIX numa casa de campo.

Segundo alguns historiadores, pertenciam a Lício Calpúrnio Piso Caesonino – pai de Calpúrnia, uma das esposas de Júlio César. Alguns desses textos provavelmente contêm a história de períodos-chave da Antiguidade, disse Robert Fowler, especialista em história antiga e presidente da Sociedade Herculano, à Bloomberg Businessweek.

Foto: Universidade de Kentucky

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -