6.3 C
Bruxelas
Segunda-feira, abril 22, 2024
Direitos humanosNotícias do mundo em resumo: Ataques da Ucrânia em Donetsk, custo do terremoto no Afeganistão, 'para sempre...

Notícias do mundo em resumo: Ataques na Ucrânia em Donetsk, custos do terremoto no Afeganistão, 'produtos químicos para sempre' despejados nos EUA, benefícios da educação multilíngue

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Notícias das Nações Unidas
Notícias das Nações Unidashttps://www.un.org
Notícias das Nações Unidas - Histórias criadas pelos serviços de notícias das Nações Unidas.

Informando jornalistas em Nova York, o porta-voz Stéphane Dujarric citou o escritório de assuntos humanitários da ONU, OCHA, que afirmou que os danos ocorreram depois que uma estação de filtragem de água foi atingida.

A cidade tinha uma população pré-guerra de 220,000 mil pessoas, agora reduzida para 90,000 mil. 

Os ataques também causaram vítimas civis e danos às infra-estruturas civis em ambos os lados das linhas da frente, segundo tanto o Governo ucraniano como as autoridades instaladas pela Rússia no território ocupado a leste de Kramatorsk. 

“Na resposta humanitária, as organizações de ajuda prestaram imediatamente assistência, incluindo materiais de reparação de emergência, às comunidades do lado ucraniano da linha da frente”, disse Dujarric.

Ajuda a Kurakhove

E os humanitários prestaram ajuda à cidade de Kurakhove, na linha da frente, que foi afectada por 10 anos de hostilidades, após a anexação inicial de território pela Rússia em 2014.

A ajuda consistiu em 13 toneladas de suprimentos médicos e de higiene, inclusive para pessoas com deficiência, e outros suprimentos para apoiar civis cujo acesso aos serviços básicos está gravemente perturbado, acrescentou o porta-voz.

Afeganistão: São necessários mais de 400 milhões de dólares para a recuperação pós-terremoto

Serão necessários surpreendentes 402.9 milhões de dólares para apoiar os esforços de recuperação e reconstrução no oeste do Afeganistão após os terramotos devastadores do ano passado, de acordo com um relatório apoiado pela ONU publicado na quarta-feira.

Mais de 1,500 pessoas morreram e 2,600 ficaram feridas na série de terremotos que atingiram a província de Herat nos dias 7, 11 e 15 de outubro de 2023.

As pessoas que vivem na província de Herat, no Afeganistão, estão a aceitar a devastação causada pelo terramoto em propriedades.

O relatório de Avaliação das Necessidades Pós-Desastre (PDNA) – publicado pela ONU em conjunto com o Banco Mundial, a União Europeia e o Banco Asiático de Desenvolvimento – pesquisou nove distritos, abrangendo cerca de 2.2 milhões de pessoas.

Destaca a escala do desastre, que causou danos físicos diretos de até 217 milhões de dólares e perdas que atingiram quase 80 milhões de dólares.

A habitação foi o sector mais gravemente afectado e representa 41% do total das necessidades de recuperação, ou 164.4 milhões de dólares. Quase 50,000 casas foram danificadas nos terremotos, sendo 13,516 completamente destruídas. 

A educação seguiu em segundo lugar, e o relatório observou que 180,000 mil estudantes e 4,390 professores enfrentam atualmente interrupções. Entretanto, o sector agrícola, que representa a maioria dos empregos e rendimentos nas zonas afectadas, sofreu reveses consideráveis. 

A avaliação revelou que mais de 275,000 mil pessoas foram afetadas, incluindo mulheres grávidas, crianças e pessoas com deficiências graves.

Os terramotos atingiram comunidades vulneráveis ​​com resiliência limitada para lidar com múltiplos choques. Herat está entre as províncias que acolhem o maior número de afegãos que foram deslocados internamente devido a conflitos e secas, resultando em graves impactos no acesso a serviços, terras e abrigo, que só pioraram.

O relatório sublinhou a necessidade de fazer a transição da ajuda humanitária imediata para a recuperação a longo prazo, dando prioridade a estratégias para construir resiliência comunitária, restauração de serviços, habitação segura contra terramotos, protecção social e acesso a serviços básicos.

Empresas dos EUA descartam 'produtos químicos para sempre' impunemente, dizem especialistas da ONU

Nos Estados Unidos, as empresas químicas DuPont e Chemours estão a despejar tóxicos, os chamados “produtos químicos para sempre”, no ambiente local, ignorando completamente os direitos e o bem-estar dos residentes ao longo do baixo rio Cape Fear, na Carolina do Norte.

Isso é de acordo com um grupo de nove especialistas independentes em direitos humanos da ONU, que divulgou um comunicado na quarta-feira alertando sobre os efeitos perigosos dos produtos químicos, comumente chamados de PFAs, ou substâncias polifluoroalquílicas, e disse que membros das comunidades afetadas teriam sido negados o acesso a produtos limpos e seguros água durante décadas.

Os PFAs vêm de produtos como xampus, esmaltes e revestimentos sintéticos de carpetes ou tecidos. 

Eles são conhecidos como produtos químicos para sempre porque não se degradam facilmente na natureza e podem causar danos durante décadas, até séculos.

Embora as empresas estejam conscientes do impacto tóxico dos PFAs, continuam a descarregá-los, disseram os especialistas.

Também alertaram sobre as exportações de PFA e resíduos perigosos dos Países Baixos para os Estados Unidos, numa aparente violação do direito internacional.

Inadequado e insuficiente

Os especialistas disseram que as medidas de fiscalização e remediação foram inadequadas nos casos em que foram tomadas medidas legais contra as duas empresas. 

“Os reguladores da saúde e do ambiente nos Estados Unidos não cumpriram o seu dever de protecção contra abusos dos direitos humanos relacionados com as empresas, incluindo fornecer ao público – particularmente às comunidades afectadas na Carolina do Norte – o tipo e a quantidade de informações necessárias para prevenir danos e procurar reparação”, disseram os especialistas. 

ONU Conselho de Direitos Humanosperitos independentes nomeados levantaram estas preocupações junto do Governo dos EUA, que ainda não respondeu.

Os Relatores Especiais e outros especialistas trabalham de forma voluntária e não recebem salário, servindo inteiramente a título individual. 

Educação multilíngue, uma ferramenta útil para enfrentar a crise de aprendizagem

Finalmente, quarta-feira é Dia Internacional da Língua Maternae agência de educação, ciência e cultura UNESCO apela a todos os países para que prossigam uma política de educação multilingue. 

Isto porque é fundamental para combater a atual crise global de aprendizagem, tendo produzido resultados positivos no passado. 

De acordo com um estudo recente da agência, é mais provável que as crianças comecem a ler mais cedo quando são ensinadas na sua língua materna durante os primeiros anos escolares.

Lições da África

A prova pode ser encontrada em toda a África. O continente tem a maior diversidade linguística do mundo, mas apenas uma em cada cinco crianças aprende a sua língua materna.

Para mudar esta situação, Moçambique expandiu a aprendizagem bilingue para um quarto das suas escolas e as crianças já apresentam um desempenho cerca de 15 por cento melhor em leitura básica e matemática, afirmou a UNESCO.

Embora as pessoas comuniquem em mais de 6,700 línguas em todo o mundo, 40% delas estão ameaçadas de extinção a longo prazo, devido à diminuição do número de falantes.

Link Fonte

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -