9.4 C
Bruxelas
Domingo abril 21, 2024
CulturaA Religião no Mundo de Hoje – Entendimento Mútuo ou Conflito (seguindo as opiniões...

A Religião no Mundo de Hoje – Entendimento Mútuo ou Conflito (Seguindo as opiniões de Fritjof Schuon e Samuel Huntington, sobre o entendimento mútuo ou conflito entre religiões)

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Autor convidado
Autor convidado
Autor convidado publica artigos de colaboradores de todo o mundo

Por Dr.

Dr. Razie Moafi

INTRODUÇÃO

No mundo moderno, a situação relacionada ao rápido aumento do número de crenças é considerada um grande problema. Este facto, em simbiose com as contradições peculiares exteriormente aparentes relativamente à natureza da fé, mina a compreensão da raiz das crenças religiosas. Esses julgamentos até provocam em algumas pessoas a opinião de que cada nação, com base em suas necessidades, cria uma religião, e o Deus dessa religião, seja fantasia ou realidade, é uma ilusão e uma irrealidade.

A solução para o problema está codificada no monoteísmo. Esta visão atesta que todas as religiões se originam de uma fonte, conforme manifestado na unidade da justiça. Por isso, todos eles, do ponto de vista da intimidade, são um só, mas em sua manifestação externa diferem. Portanto, monoteístas e pensadores-filósofos, incluindo Schuon, formularam os seguintes temas para discussão: “Encontrar formas de determinar os processos de aumento do número de religiões”, “Unidade religiosa” e “Lei Islâmica”.

A tarefa deste artigo é explorar, analisar e explicar as ideias de monoteístas e pensadores-filósofos sob a perspectiva de Schuon e a base mística do “Monoteísmo e Teologia”, bem como fazer uma análise comparativa entre as visões de Schuon e a nova visão de Huntington. teoria “Choque de Civilizações”.

As duas visões subjacentes a este artigo possuem clareza e contêm evidências incontestáveis ​​da profundidade das suas ideias, decorrentes das raízes do mistério da religião, das manifestações sociais e culturais, respeitando a opinião dos numerosos adeptos e opositores das posições defendidas.

  1. SEMÂNTICA DA RELIGIÃO

O termo “religião” vem da palavra latina “religo” e significa unir numa base moral, superando a divisão, a boa fé, os bons costumes e as tradições.

Semelhante ao significado deste conceito, tomado como explicação da cultura da religião, a palavra de raiz grega “religale”, que significa

“fortemente apegado”. Esta palavra tem um significado que se refere ao apego à adoração regular.

O significado comumente aceito da palavra “religião” é “um apego pessoal de alguém que tem uma ideia construída de uma realidade completa”. (Hosseini Shahroudi 135:2004)

Em farsi, o significado e significado da palavra “religo” significa “humildade, obediência, seguimento, emulação, resignação e retribuição”.

Ao longo dos tempos, os pensadores do mundo ocidental definiram “religo” como um termo que significa “prestar homenagem a Deus” e hoje em dia esta definição está a ser questionada. Na sua interpretação primária na forma de “religioso” teve um forte impacto sobre aqueles que compreendem o seu significado. (Javadi Amoli 93:1994)

Para Javadi Amoli, o significado terminológico do termo “religião” é “uma coleção de pontos de vista, morais, leis e regras, regulamentos que servem para governar e educar as sociedades humanas”. (Javadi Amoli 93:1994)

Os adeptos das tradições patriarcais usam a palavra “religião”, relacionando o seu significado com “evidência sincera de influência educacional no comportamento e nos modos de uma pessoa ou grupo de pessoas”. Eles não negam, mas também não aceitam esta definição como correta, argumentando: “Se esta definição estiver correta, então o comunismo e o liberalismo podem ser chamados de 'religião'. A palavra é formulada pela mente racional e pelo conhecimento do homem, mas para que seja devidamente compreendida do ponto de vista semântico, os pensadores patriarcais dirigem uma reflexão sobre o seu conteúdo semântico, ao qual deve ser adicionado o seu significado de seu Divino origem. (Malekian, Mostafa “Racionalidade e Espiritualidade”, Teerã, Publicações Contemporâneas 52:2006)

Nasr diz: “A religião é uma crença pela qual a ordem geral do ser de uma pessoa é colocada em união com Deus, e ao mesmo tempo se manifesta na ordem geral da sociedade” – “No Islã – Omat” ou habitantes do Paraíso . (Nasr 164:2001)

2. COMPONENTES CONSTITUINTES BÁSICOS PARA A UNIDADE DAS RELIGIÕES

2. 1. APRESENTAÇÃO DA TEORIA DA UNIDADE DAS RELIGIÕES

Os adeptos das tradições patriarcais aceitam os pontos de vista de Schuon em

“Teoria da Unidade das Religiões” para mainstream e legítimo.

O Dr. Nasr está convencido de que os proponentes acima não deveriam debater a questão de qual religião é “melhor” devido ao facto de todas as principais religiões monoteístas terem uma origem comum. Do ponto de vista da aplicação e da ação em períodos históricos específicos, surgem questões sobre a existência de oportunidades para a imitação espiritual prática. (Nasr 120:2003) Ele enfatiza que toda religião é uma Revelação Divina, mas ao mesmo tempo – é também “especial” e, portanto, explica o autor, a verdade absoluta e os meios para alcançar sua essência estão nas entranhas por si só religião. Em relação às necessidades espirituais do povo, enfatiza as particularidades da verdade. (Nasr 14:2003)

Do ponto de vista de Schuon, o pluralismo religioso, incluindo a união com o Altíssimo, pode ser aceite como a base e o modo de pensar mais importantes. De acordo com os pluralistas da lei islâmica, as diferentes religiões distinguem-se pela diversidade no culto e nas orações, mas estas diferenças não desempenham um papel especial na essência geral da unidade. As religiões e os seus adeptos estão em busca e conhecimento da verdade última. Eles chamam o processo por nomes diferentes, mas na verdade o objetivo de toda religião é conduzir o homem à verdade permanente, indestrutível e eterna. O homem na sua manifestação terrena não é eterno, mas transitório.

Friedrich Schleiermacher (1768-1834), Frittjof Schuon – continuação e seguidor de sua teoria, e seus alunos estão unidos em torno da tese de que na base de todas as religiões existe uma “Unidade Divina”. (Sadeghi, Hadi, “Introdução à Nova Teologia”, Teerã, Publicações “Taha” 2003, 77:1998)

A multiplicidade de religiões manifesta-se como resultado da diversidade de emoções e da sua aplicação prática.

Segundo Legenhausen, a experiência religiosa “oculta” está contida na essência de todas as religiões. (Legenhausen 8:2005)

William Chittick tem uma interpretação particular dos pontos de vista de Schuon. Ele acredita que a unidade das religiões deriva do respeito pelo sentido de direito, obrigação moral e santidade manifestado no Islão, emprestado do Sufismo. (Chittiq 70:2003)

Os adeptos das tradições patriarcais professam a verdade do Deus único que une todas as religiões. Eles acreditam que todas as religiões têm origem divina e são mensageiras do alto, aparecendo como uma porta para Deus, através da qual se transformam em um caminho para Deus. Portanto, são todas a Lei Divina manifestada, cujo brilho conduz à verdade absoluta.

Os adeptos das tradições patriarcais prestam especial atenção às religiões que não se originam da linhagem abraâmica. Eles exploram a essência das origens do taoísmo, do confucionismo, do hinduísmo e da religião dos peles vermelhas. (Avoni 6:2003)

Os comentadores dos adeptos das tradições patriarcais pertencentes à escola da “Razão Eterna” não se referem às particularidades de uma determinada religião, mas recorrem tanto à rica herança do Islão, para além da sua profundidade metafísica, como ao Hinduísmo e aos ricos herança da metafísica das religiões ocidentais e de outras crenças. (Nasr 39:2007) Os defensores da ideia da Unidade Divina acreditam que a essência de todas as religiões é a mesma. Eles têm uma única mensagem, mas a definem de maneira diferente. Eles estão convencidos do testemunho de que todas as religiões se originam de uma fonte – como uma pérola, cujo núcleo é um alicerce, e seu exterior tem características diferentes. Tal é a manifestação externa das religiões, com uma abordagem distintamente delicada e individual que determina as suas diferenças. (Nasr, Gênesis 559).

Segundo a visão de Schuon, o topo da pirâmide representa estruturalmente a ideia do estado de ser, unido coletivamente através da unidade da origem divina. À medida que nos afastamos do ápice, surge uma distância, que aumenta proporcionalmente, revelando as diferenças. As religiões, do ponto de vista da sua essência e conteúdo sagrado, são percebidas como a verdade original e única, mas através da sua manifestação externa, nenhuma delas tem autoridade absoluta.

Vista através dos olhos dos adeptos das tradições patriarcais, qualquer religião monoteísta é universal e deve ser considerada como tal. É necessário levar em conta que cada uma dessas religiões tem sua peculiaridade, o que não deve limitar o direito de existência de outras religiões.

2. 2. A UNIDADE DIVINA DAS RELIGIÕES DO PONTO DE VISTA DE SCHWON

Do ponto de vista dos adeptos das tradições patriarcais, todas as religiões inicialmente carregam uma unidade interior oculta. Schuon mencionou pela primeira vez a unidade divina das religiões. Outra interpretação das ideias de Schuon confirma a sua crença de que as religiões não contêm mais do que uma verdade. São apenas as condições históricas e sociais que fazem com que a religião e as tradições assumam diferentes formas e interpretações. A sua multiplicidade deve-se aos processos históricos e não ao seu conteúdo. Todas as religiões aos olhos de Deus representam a manifestação da verdade absoluta. Schuon refere-se à opinião da unidade divina das religiões, definindo a sua essência como parte de uma única religião, de uma única tradição, que não obteve sabedoria da sua multiplicidade. Influenciado pelo Sufismo e pelo misticismo islâmico, a sua visão da unidade Divina enfatizou a existência de uma relação entre as religiões. Esta visão não rejeita a possibilidade de análise a respeito das diferenças entre as religiões, sendo até aconselhável comentar a questão da fonte da Revelação que contém a verdade absoluta. A verdade hierarquicamente estruturada serve como início das manifestações das ordens civilizacionais associadas às religiões. Com base nisso, Schuon argumentou: a religião não contém mais de uma verdade e essência. (Escola 22:1976)

O Exoterismo e o Esoterismo como caminhos das religiões, incluindo a lei e a doutrina islâmicas (“exo” – caminho exterior; “eso” – caminho interior), representam visões da unidade das religiões referentes ao único Deus. Os dois caminhos, tendo funções complementares, também devem ser vistos como diferentes entre si. Segundo Schuon, o caminho externo forma a tradição, e o caminho interno determina seu sentido e significado, apresentando sua verdadeira essência. O que une todas as religiões é a “unidade divina”, cuja manifestação exterior não contém a integridade da verdade, mas a própria verdade na sua essência é uma manifestação da unidade. A autenticidade de todas as religiões em sua essência contém unidade e unidade, e esta é a verdade indiscutível… A semelhança de cada religião com a verdade universal pode ser representada como uma forma geométrica com um núcleo comum – um ponto, um círculo, uma cruz ou um quadrado. A diferença está enraizada no distanciamento entre eles com base na localização, parentesco temporal e aparência. (Escola 61:1987)

Schuon aceita como verdadeira religião aquela que tem um caráter educativo e um mandato claramente expresso. É necessário também conter um valor espiritual, cuja mensagem não tenha origem filosófica, mas divina, sacrificial e de bênção. Ele sabe e aceita que toda religião traz Revelação e conhecimento infinito da Vontade Divina. (Schuon 20:1976) Schuon articula o misticismo islâmico referindo-se à unidade entre os estados de 'admiração', 'amor' e 'sabedoria' contidos tanto no Judaísmo como no Cristianismo. Ele coloca em posição de completa supremacia as três principais religiões – Judaísmo, Cristianismo e Islamismo, que se originam da linhagem abraâmica. As reivindicações de superioridade de cada religião são relativas devido às diferenças que contêm. A realidade, à luz do metafísico, conduz a uma clareza distinta dos fatores externos que moldam as religiões. Somente a sua essência interior leva ao julgamento óbvio da união com Deus. (Escola 25:1976)

3. A BASE DE UMA “TEOLOGIA DA IMORTALIDADE” DO PONTO DE VISTA DE SCHWON

“Teologia da Imortalidade” é um ensinamento antropológico unido por uma visão tradicional comum de pensadores de vanguarda – filósofos, como René Genome, Coomaraswamy, Schuon, Burkhart, etc. à verdade primordial são a base das tradições teológicas de todas as religiões, do Budismo à Cabala, através da metafísica tradicional do Cristianismo ou do Islão. Esses postulados, tendo significado prático, representam o estado mais elevado da existência humana.

Esta visão testemunha uma unidade na base de todas as religiões, cujas tradições, localização e distâncias temporais não alteram a consistência da sabedoria. Cada religião percebe a verdade eterna à sua maneira. Apesar das suas diferenças, as religiões chegam a uma compreensão unificada da natureza da Verdade Eterna ao investigá-la. Os adeptos das tradições professam uma opinião unida sobre a questão da manifestação externa e interna das religiões, baseada na sabedoria da imortalidade, tendo reconhecido a verdade histórica.

Nasr, um dos pesquisadores proeminentes, acreditava que uma “Teologia da Imortalidade” poderia ser a chave para uma compreensão completa das religiões, levando em conta as diferenças entre elas. A multiplicidade das religiões baseia-se em ambigüidades e diferenças nas manifestações do Sacramento. (Nasr 106:2003)

Nasr considera necessário que qualquer pesquisador que aceite e siga uma “teoria da imortalidade” seja totalmente devotado e dedicado de mente e alma ao Sacramento. Esta é a garantia completa da verdadeira penetração do entendimento. Na prática, isto não é aceitável para todos os investigadores, exceto cristãos devotos, budistas e muçulmanos. No mundo especulativo, a inequívoca completa dificilmente é possível. (Nasr 122:2003)

Na visão de Schuon e dos seus seguidores, a “ideia da imortalidade” é considerada universal, marcando a sua manifestação máxima no Islão. O objetivo do universalismo é unir as tradições e ritos de todas as religiões. Desde o início, Schuon considerou o Islão como o único meio para um fim, ou seja, “Teologia da Imortalidade”, “Razão Eterna” ou

“Imortalidade da Religião.” Em seus estudos ele coloca a “Religião Imortal” acima das leis sagradas, sem restrições de enquadramentos.

Nos últimos anos de sua vida, Schuon emigrou para a América. Em sua teoria do universalismo também aparecem novas ideias sobre ritos, que são chamados de “Culto” em inglês. Esta palavra difere do significado da palavra “Seita”. “Seita” significa um pequeno grupo que professa uma religião diferente da corrente principal, com ideias e ritos particulares. Ela se distanciou dos adeptos da religião dominante. Os representantes do “culto” são um pequeno grupo de adeptos de religiões não difundidas e com ideias fanáticas. (Oxford, 2010)

Interpretando as bases da “Teologia da Imortalidade das Religiões”, podemos distinguir três aspectos:

a. Todas as religiões monoteístas baseiam-se na unidade de Deus;

b. Manifestação externa e essência interna das religiões;

c. Manifestação de unidade e sabedoria em todas as religiões. (Legenhausen 242:2003)

4. A UNIDADE DIVINA E A APARENTE PLURALIDADE DAS RELIGIÕES

O ensinamento de Schuon, com a sua atitude tolerante para com as diferenças de fé, não impõe as suas reivindicações e argumentos aos crentes devotos nos princípios da sua própria religião. (Schuon, 1981, p. 8) Os adeptos do seu ensinamento percebem a neutralidade como uma forma de tolerância e, sendo justos e indiferentes, aceitam as diferenças de fé de outras comunidades. A essência de

o ensino é fundamentalmente semelhante às manifestações do Sufismo. No entanto, existem diferenças na aparência externa da lei islâmica e do sufismo. Portanto, Schuon e os defensores de seu ensino aderem à tese da existência de diferenças entre religião e fé. A característica importante nas diferenças surge da natureza da manifestação, no que diz respeito à manifestação externa e interna. Todos os fiéis declaram a sua fé, através de fatores externos, o que não deve levar a uma interpretação das aparências, mas deve estar relacionado com a essência das crenças dos místicos na religião. A manifestação externa da “Lei Islâmica” é uma coleção de conceitos, sabedoria e ações para o louvor de Deus, afetando a visão de mundo e a cultura da sociedade, e a manifestação mística carrega a verdadeira essência da religião. Esta formulação relativa à manifestação externa e interna leva sem dúvida a conclusões de contradições mútuas entre crenças e religiões, mas para chegar à ideia de unidade entre religiões é necessário dirigir a atenção para a essência das crenças básicas.

Martin Lings escreve: “Os crentes de diferentes religiões são como pessoas no sopé de uma montanha. Subindo, eles chegam ao topo.” (“Khojat”, livro #7 p. 42-43, 2002) Aqueles que alcançaram o topo sem viajar até ele são os místicos – sábios que estão na base das religiões para as quais a unidade já foi alcançada, uma consequência da união com Deus .

Para Schuon, é perigosa a imposição de uma certa visão limitante sobre a fé (Schoon p. 4, 1984), por outro lado, a confiança na verdade de qualquer religião não é um caminho para a salvação. (Schuon p. 121, 1987) Ele acredita que só existe um caminho de salvação para a humanidade; a manifestação de numerosas Revelações e tradições é um fato. A vontade de Deus é a base da diversidade que leva à sua unidade primária. As manifestações externas das religiões criam incompatibilidade, e as convicções internas da doutrina – unificam. O objeto do raciocínio de Schuon são as dimensões das manifestações externas e internas da religião. A fonte da verdadeira religião, por um lado, é a manifestação Divina e, por outro, o intuitivo no homem, que é também o centro de toda a existência.

Interpretando as declarações de Schuon, Nasr compartilha sobre a manifesta ansiedade interior de Schuon em relação aos aspectos transcendentais inerentes ao seu ensino, e de outra forma carentes de clareza espiritual. Ele também é de opinião que a manifestação externa das religiões carrega a ideia da unidade Divina, que, de acordo com as diversas religiões, predisposições, ambiente e princípios de seus adeptos, cria a realidade individual. A essência de todos os conhecimentos, costumes, tradições, artes e assentamentos religiosos são as mesmas manifestações em todos os níveis do plano do ser centrado no ser humano. Schuon acredita que existe uma joia escondida em cada religião. Segundo ele, o Islã está se espalhando pelo mundo devido ao seu valor derivado de uma fonte ilimitada. Ele está convencido de que a lei islâmica, do ponto de vista da sua essência e valor, representa um valor imenso, que, manifestado na esfera do humano geral na totalidade das emoções e outros sentimentos, parece relativo. (Schoon 26:1976) Deus cria e manifesta as dimensões e revelações celestiais através das diversas religiões. Em cada tradição, Ele manifesta Seus aspectos para manifestar Seu significado primordial. Portanto, a multiplicidade das religiões é resultado direto da riqueza infinita da existência de Deus.

O Doutor Nasr, nos seus trabalhos científicos, partilha: “A lei islâmica é um modelo para alcançar a harmonia e a unidade na vida humana”. (Nasr 131:2003) Viver de acordo com as leis da lei islâmica, seguindo os princípios externos e internos, isto implica existir e conhecer a verdadeira essência moral da vida. (Nasr 155:2004)

5. ESCLARECENDO A ESSÊNCIA DA UNIDADE ENTRE AS RELIGIÕES

Os adeptos das tradições patriarcais mantêm a tese da existência de uma unidade interna originalmente oculta entre as religiões. Segundo eles, a multiplicidade no espectro visível do ser é uma expressão ostentosa do mundo e da aparência externa da religião. O surgimento da verdade total é o fundamento da unidade. É claro que isto não significa ignorar e minimizar as características individuais e as diferenças entre as religiões. Pode-se dizer: “Essa unidade Divina – fundamento das diversas religiões – não pode ser outra coisa senão a verdadeira essência – única e irrevogável. Também devem ser observadas as diferenças particulares de cada religião, que não devem ser descartadas ou menosprezadas”. (Nasr 23:2007)

Sobre a questão da unidade entre as religiões, Schuon compartilha que a sabedoria original traz sacralidade, não ostentação: primeiro – “Nenhum direito está acima da verdade Divina” (Schuon 8:1991); em segundo lugar, as diferenças entre as tradições causam dúvidas nos crentes hesitantes sobre a realidade da sabedoria eterna. A verdade divina – como primordial e irrevogável – é a única possibilidade que causa admiração e fé em Deus.

6. PRINCIPAIS VISÕES DOS CRIADORES DA TEORIA DO CONFLITO DE CIVILIZAÇÕES

6. 1. APRESENTAÇÃO DA Teoria do Choque de Civilizações Samuel Huntington – pensador e sociólogo americano, criador do conceito “Choque de Civilizações” (professor da Universidade de Harvard e diretor da Organização para Estudos Estratégicos na América) em 1992 apresentou a teoria do “Choque de Civilizações”. Sua ideia foi popularizada na revista “Política Externa”. As reações e o interesse ao seu ponto de vista foram mistos. Alguns demonstram profundo interesse, outros se opõem veementemente ao seu ponto de vista, e outros ainda ficam literalmente surpresos. Mais tarde, a teoria foi formulada num volumoso livro com o mesmo título “O Choque de Civilizações e a Transformação da Ordem Mundial”. (Abed Al Jabri, Muhammad, História do Islã, Teerã, Instituto de Pensamento Islâmico 2018, 71:2006)

Huntington desenvolve a tese sobre a possível aproximação da civilização islâmica com o confucionismo, dando origem a um choque com a civilização ocidental. Ele considera o século XXI como o século do choque entre a civilização ocidental e o islâmico e o confucionismo, alertando os líderes dos países europeus e da América para estarem prontos para o possível conflito. Ele aconselha sobre a necessidade de evitar a reaproximação da civilização islâmica com o confucionismo.

A ideia da teoria leva a recomendações aos estadistas da civilização ocidental para preservar e garantir o seu papel dominante. A teoria de Huntington como um novo projeto que explica as relações mundiais após o colapso da União Soviética no período bipolar do Ocidente, Leste, Norte e Sul apresenta a doutrina dos três mundos para discussão. Difundida de forma inesperada e rápida, recebida com grande atenção, a doutrina reivindica o seu aparecimento oportuno em condições em que o mundo vive um vácuo causado pela falta de um paradigma adequado. (Toffler 9:2007)

Huntington diz: “O mundo ocidental no período da Guerra Fria reconheceu o comunismo como um inimigo herético, chamando-o de 'comunismo herético'. Hoje, os muçulmanos consideram o mundo ocidental como seu inimigo, chamando-o de “Ocidente herético”. Na sua essência, a Doutrina Huntington é um extrato de debates e discussões importantes sobre o descrédito do comunismo nos círculos políticos do Ocidente, bem como dos temas que explicam a restauração da fé no Islão, predeterminando as mudanças. Em resumo: a teoria apresenta a ideia da possibilidade de uma nova guerra fria, como resultado de um choque entre as duas civilizações. (Afsa 68:2000)

A base da doutrina de Huntington baseia-se no facto de que com o fim da guerra fria – um período de conflito ideológico que termina e inicia uma nova era, cuja principal discussão é o tema do choque entre civilizações. Com base em parâmetros culturais, define a existência de sete civilizações: ocidental, confucionista, japonesa, islâmica, indiana, eslavo-ortodoxa, latino-americana e africana. Ele acredita na ideia de transformação das identidades nacionais, focando na possibilidade de repensar as relações estatais com ênfase na ampliação de crenças e tradições culturais. A multiplicidade de factores que predeterminam a mudança contribuirá para o colapso das fronteiras políticas e, por outro lado, serão formadas áreas críticas de interacção entre civilizações. O epicentro destes surtos parece situar-se entre a civilização ocidental, por um lado, e o confucionismo e o islamismo, por outro. (Shojoysand, 2001)

6. 2. O CONFLITO ENTRE AS CIVILIZAÇÕES NA VISÃO DE HUNTINGTON

Nas suas obras, Huntington dá importância tanto a diversas civilizações mundiais como aponta e interpreta um possível conflito entre duas das principais civilizações – a islâmica e a ocidental. Além do conflito mencionado, ele também presta atenção a outro, chamando-o de “conflito intercivilizacional”. Para evitá-lo, o autor apoia-se na ideia da unificação dos Estados com base em valores e crenças comuns. O pesquisador acredita que a unificação dessa base é sólida e outras civilizações reconheceriam o padrão como significativo. (Huntington 249:1999)

Huntington acreditava que a civilização ocidental estava perdendo o seu brilho. No livro “O choque de civilizações e a transformação da ordem mundial” ele apresenta em forma de diagrama o pôr do sol da civilização cristã ocidental do ponto de vista da situação política e do estado espiritual da população. Ele acredita que as forças políticas, económicas e militares, em comparação com outras civilizações, estão em declínio, levando a dificuldades de outra natureza – baixo desenvolvimento económico, população inactiva, desemprego, défice orçamental, moral baixo, redução das poupanças. Como consequência disto, em muitos países ocidentais, entre os quais a América, existe uma ruptura social, em cuja sociedade o crime se manifesta claramente, causando grandes dificuldades. O equilíbrio das civilizações está a mudar gradual e fundamentalmente e, nos próximos anos, a influência do Ocidente diminuirá. Durante 400 anos o prestígio do Ocidente foi indiscutível, mas com o declínio da sua influência, a sua duração poderá ser de mais cem anos. (Huntington 184:2003)

Huntington acredita que a civilização islâmica nos últimos cem anos se desenvolveu, graças ao crescimento da população, ao desenvolvimento económico dos países islâmicos, à influência política, ao surgimento do fundamentalismo islâmico, à revolução islâmica, à actividade dos países do Médio Oriente…, criando um perigo para outras civilizações, dando também uma reflexão sobre a civilização ocidental. Como resultado, a civilização ocidental perdeu gradualmente o seu domínio e o Islão ganhou maior influência. A redistribuição da influência deve ser entendida pelo terceiro mundo como: afastar-se da ordem mundial com as perdas económicas resultantes ou seguir o modo de influência ocidental que existe há muitos séculos. Para que ocorra um equilíbrio no desenvolvimento civilizacional mundial, é necessário que a civilização ocidental repense e mude o rumo das suas ações, que na forma do desejo de preservar o seu papel de liderança – levam ao derramamento de sangue. (Huntington 251:2003)

Segundo Huntington, a civilização mundial avançou numa direcção sob a influência da política de dominação, pelo que, nos últimos anos do novo século, foram observados confrontos e conflitos contínuos. A diferença entre as civilizações leva a uma mudança de consciência, o que por sua vez aumenta a influência das crenças religiosas, sendo um meio de preencher o vazio existente. As razões para o despertar da civilização são o comportamento dúbio do Ocidente, as peculiaridades das diferenças económicas e a identidade cultural dos povos. Os laços cortados entre civilizações foram hoje substituídos pelas fronteiras políticas e ideológicas da era da Guerra Fria. Estas relações são um pré-requisito para o desenvolvimento de crises e derramamento de sangue.

Huntington, apresentando a sua hipótese a respeito do choque com a civilização islâmica, acredita que a atualidade é uma época de mudanças civilizacionais. Apontando para a desintegração do Ocidente e da Ortodoxia, o desenvolvimento das civilizações islâmica, do Leste Asiático, africana e indiana, ele dá motivos para tirar conclusões sobre a ocorrência de um possível conflito entre civilizações. O autor acredita que o confronto em escala global ocorre graças às diferenças da raça humana. Ele acredita que a relação entre diferentes grupos de civilizações é hostil e até hostil, e não há esperança de mudança. O autor tem uma opinião particular sobre a questão da relação entre o Islão e o Cristianismo Ocidental, que, com a sua interacção variável, baseada na rejeição das diferenças, conduz à ofensiva. Isso pode levar a conflitos e conflitos. Huntington acredita que o confronto no futuro será entre o Ocidente e o confucionismo unido ao Islão como um dos maiores e mais significativos factores que moldam o novo mundo. (Mansur, 45:2001)

7. CONCLUSÃO

Este artigo examina a teoria da unidade das religiões, segundo a visão de Schuon, e a teoria do choque de civilizações de Huntington. As seguintes conclusões podem ser feitas: Schuon acredita que todas as religiões se originam de uma única fonte, como uma pérola, cujo núcleo é a base e o exterior de uma característica diferente. Tal é a manifestação externa das religiões, com uma abordagem distintamente delicada e individual, denotando as suas diferenças. Os adeptos da teoria de Schuon professam a verdade de um único Deus que une todas as religiões. Um deles é o filósofo-pesquisador Dr. Nasr. Considera que o legado da ciência pertence à civilização islâmica, contendo também conhecimentos de outras civilizações, buscando a sua gênese como principal fonte de conteúdo. Os princípios dos fundamentos da civilização islâmica são universais e eternos, não pertencendo a uma época específica. Eles podem ser encontrados no domínio da história, ciência e cultura muçulmana, e nas opiniões de filósofos e pensadores islâmicos. E, com base no princípio universal neles codificado, tornam-se uma tradição. (Alâmi 166:2008)

De acordo com as opiniões de Schuon e dos tradicionalistas, a civilização islâmica só pode atingir o seu apogeu quando manifesta a verdade do Islão em todas as esferas da vida humana. Para que a civilização islâmica se desenvolva, é necessário que ocorram duas circunstâncias:

1. Realizar análises críticas para renovação e reforma;

2. Trazer um renascimento islâmico na esfera do pensamento (renascimento das tradições). (Nasr 275:2006)

Deve-se notar que sem realizar determinadas ações, o fracasso é alcançado; é necessário transformar a sociedade com base nas tradições do passado com a expectativa de preservar o papel harmonioso das tradições. (Legenhausen 263:2003)

A teoria de Schuon é, em muitos casos, de natureza cautelosa, alertando o mundo ocidental para as inevitáveis ​​crises e tensões que se seguirão. Essa visão também é acompanhada de muita incerteza. O propósito de todas as religiões é argumentar apontando para a verdade universal, apesar das muitas diferenças que existem. É por esta razão que a teoria de Schuon é acompanhada de incerteza. A importância da religião do ponto de vista dos adeptos da tradição é o fundamento, a base do culto e do serviço. Os postulados e a essência das religiões monoteístas, bem como dos adeptos das tradições, podem servir de base para a superação de ideias extremistas. A realidade mostra a não aceitação das diferenças nos ensinamentos antagônicos, bem como a não reconciliação com a verdade das religiões. (Mohammadi 336:1995)

Os adeptos das tradições aceitam a hipótese preliminar com base na qual criam a teoria da unidade Divina. A hipótese unifica o conhecimento da manifestação da unidade Divina, apontando o caminho para a unificação através da verdade universal.

Todas as ideias merecem atenção pela verdade nelas contidas. A aceitação da ideia de multiplicidade de religiões é modernista e contrária à hipótese acima. A ideia de multiplicidade é incompatível, sendo um obstáculo ao ensino islâmico, devido à manifestação da sua diversidade cultural ao serviço de todas as pessoas. Enquanto esta for a causa das diferenças entre as religiões (Islão e outras tradições), causará convulsões culturais. (Legenhausen 246:2003) A ambiguidade nesta hipótese decorre da manifestação externa e interna das religiões. Cada religião na sua qualidade representa um todo – “indivisível”, cujas partes são inseparáveis ​​umas das outras, e a apresentação dos constituintes individuais seria incorreta. Segundo Schuon, a divisão entre manifestação externa e interna foi ditada pelo desenvolvimento do Islã. A sua popularidade e influência devem-se ao enorme valor da lei islâmica, enquanto a hipótese como um todo coloca sérios obstáculos. Por outro lado, a semelhança das religiões com o Islão, do ponto de vista da sua essência, não significa de forma alguma o fim do Islão. Mencionemos os grandes pensadores – teóricos da escola das tradições, como Guénon e Schuon, que abandonaram as suas religiões, aceitando o Islão e até – mudaram de nome.

Na teoria do choque de civilizações, Huntington enumera vários argumentos probatórios. Ele está convencido da existência de diferenças entre civilizações, não apenas como um componente real, mas também como uma base geral, incluindo história, língua, cultura, tradições e especialmente religião. Todos eles diferem entre si pela diferente receptividade e conhecimento do ser, bem como pela relação entre Deus e o homem, indivíduo e grupo, cidadão e estado, pais e filhos, marido e mulher… Essas diferenças têm raízes profundas. e são mais fundamentais do que as ordens ideológicas e políticas.

É claro que as diferenças entre civilizações causadas por guerras e conflitos prolongados e severos, que se tornaram óbvias diferenças existentes, dão origem à opinião de que há um conflito. Por outro lado, as precipitadas mudanças mundiais e o desenvolvimento das relações internacionais são a causa da vigilância civilizacional e da constatação da existência de diferenças entre as civilizações. O aumento das relações intercivilizacionais provoca o desenvolvimento de fenómenos como a imigração, os laços económicos e os investimentos materiais. Pode-se concluir que a teoria de Huntington refere-se mais a uma interação entre cultura e ação social do que a visões místicas.

O método de pesquisa refere-se aos pontos de vista de Schuon, enfatizando seriamente a unidade Divina das religiões formadas com base em sua essência interior. Até agora, a referida tese não recebeu reconhecimento mundial devido à agitação política e militar em várias partes do planeta, impossibilitando a sua implementação em breve.

No mundo das ideias, o reconhecimento e as visões religiosas de Schuon levam à tese da unidade Divina, enquanto no mundo da ação se descobrem ambigüidades e a impossibilidade de concretizar sua doutrina. Na realidade, ele pinta um quadro idealista de ideias semelhantes entre as pessoas. Huntington em sua teoria, baseada em fenômenos econômicos, sociais e culturais, apresenta uma visão realista da realidade no campo dos casos civilizatórios. A base de seus julgamentos é formada pela prática histórica e pela análise humana. As visões religiosas de Schuon tornaram-se o principal conceito idealista de unidade internacional.

A teoria de Huntington, baseada em fenómenos económicos, sociais e culturais, é considerada importante e fundamental, apresentando uma das muitas causas dos actuais choques civilizacionais.

A direcção da modernização, bem como as mudanças económicas e sociais, criam condições para a separação das identidades existentes e uma mudança na sua localização. Um estado de bifurcação está sendo descoberto no mundo ocidental. Por um lado, o Ocidente está no auge do seu poder e, por outro, há um declínio de influência causado pela resistência à sua hegemonia, com culturas diferentes do Ocidente a regressarem gradualmente às suas próprias identidades.

Este fenómeno interessante está a aumentar a sua influência, encontrando a forte e poderosa resistência do Ocidente contra outras potências não ocidentais, crescendo constantemente com a sua autoridade e confiança.

Outras características estão a aprofundar as diferenças interculturais em comparação com as diferenças económicas e políticas. Este é um pré-requisito para a resolução de problemas mais difíceis e para a reconciliação intercivilizacional.

No encontro de civilizações manifesta-se um caso básico relativo ao desejo de domínio identitário. Esta não é uma circunstância que possa ser facilmente modelada devido às diferenças na fenomenologia nacional. É muito mais difícil ser meio cristão ou meio muçulmano, porque a religião é uma força mais poderosa do que a identidade nacional, distinguindo cada pessoa uma da outra.

LITERATURA

Em persa:

1. Avoni, Golamreza Hard Javidan. SABEDORIA ETERNA. para Pesquisa e Desenvolvimento das Ciências Humanas, 2003.

2. Alamy, Seyed Alireza. ENCONTRANDO CAMINHOS PARA A CIVILIZAÇÃO E A CIVILIZAÇÃO ISLÂMICA DO PONTO DE VISTA DE SEYED HOSSAIN NASR. // História

e Civilização Islâmica, III, não. 6, outono e inverno de 2007.

3. Amoli, Abdullah Javadi. LEI ISLÂMICA NO ESPELHO DO CONHECIMENTO. 2.

Ed. Com: Dr. para publ. “Rajá”, 1994.

4. Afsa, Mohammad Jafar. TEORIA DO CHOQUE DE CIVILIZAÇÕES. //Kusar (cf.

Cultura), agosto de 2000, nº. 41.

5. Legenhausen, Muhammad. POR QUE NÃO SOU TRADICIONALISTA? CRÍTICA SOBRE

AS OPINIÕES E PENSAMENTOS DOS TRADICIONALISTAS / trad. Mansour Nasiri, Khrodname Hamshahri, 2007.

6. Mansur, Ayub. O CONFLITO DE CIVILIZAÇÕES, RECONSTRUÇÃO DO NOVO

ORDEM MUNDIAL / trad. Saleh Wasseli. Assoc. para político. ciências: Shiraz Univ., 2001, I, não. 3.

7. Mohammadi, Majid. CONHECENDO A RELIGIÃO MODERNA. Teerã: Kattre, 1995.

8. Nasr, Seyed Hossein. O ISLÃO E AS DIFICULDADES DO HOMEM MODERNO / trad.

Enshola Rahmati. 2. ed. Teerã: Escritório de Pesquisa. e público. “Suhravardi”, inverno de 2006.

9. Nasr, Seyed Hossein. A NECESSIDADE DE CIÊNCIA SAGRADA / trad. Hassan Miandari. 2. ed. Teerã: Kom, 2003.

10. Nasr, Seyed Hossein. A RELIGIÃO E A ORDEM DA NATUREZA / trad. Enshola Rahmati. Teerã, 2007.

11. Sadri, Ahmad. A REVERSÃO DO SONHO DE HUNTINGTON. Teerã: Serir, 2000.

12. Toffler, Alvin e Toffler, Heidi. GUERRA E ANTI-GUERRA / trad. Mehdi Besharat. Teerã, 1995.

13. Toffler, Alvin e Toffler, Heidi. A NOVA CIVILIZAÇÃO / trad. Mohammad Reza Jafari. Teerã: Simorgh, 1997.

14. Huntington,Samuel. O MUNDO ISLÂMICO DO OESTE, CIVILIZAÇÃO

CONFLITO E RECONSTRUÇÃO DA ORDEM MUNDIAL / trad. Ráfia. Teerã: Inst. para um culto. pesquisa, 1999.

15. Huntington,Samuel. TEORIA DO CHOQUE DE CIVILIZAÇÕES / trad. Mojtaba Amiri Wahid. Teerã: Min. em trabalhos externos e ed. Doutorado, 2003.

16. Chittick, William. INTRODUÇÃO AO SUFISMO E Misticismo Islâmico / trad. Jalil

Parvin. Teerã: Tenho Khomeini na pista. inst. e revolução islâmica.

17. Shahrudi, Morteza Hosseini. DEFINIÇÃO E ORIGEM DA RELIGIÃO. 1.

Ed. Mashad: Aftab Danesh, 2004.

18. Shojoyzand, Alireza. TEORIA DO CHOQUE DE CIVILIZAÇÕES. // Reflexão do pensamento, 2001, nº. 16.

19. Schuon, Fritjof, Sheikh Isa Nur ad-Din Ahmad. A PÉROLA DO PRECIOSO ISLÃO, trad. Mino Khojad. Teerã: Escritório de Pesquisa. e público. “Sorvard”, 2002.

Em Inglês:

20. DICIONÁRIO DO APRENDIZADO AVANÇADO DE OXFORD. 8ª edição. 2010.

21.Schuon, Frithjof. ESOTÉRISMO COMO PRINCÍPIO E COMO CAMINHO / Trad. William Stoddart. Londres: Perennial Books, 1981.

22.Schuon, Frithjof. ISLÃ E A FILOSOFIA PERENE. Confiança Al Tajir, 1976.

23.Schuon, Frithjof. LÓGICA E TRANSCENDÊNCIA / Trad. Peter N. Townsend. Londres: Perennial Books, 1984.

24.Schuon, Frithjof. RAÍZES DA CONDIÇÃO HUMANA. Bloomington, Indiana: World Wisdom Books, 1991.

25.Schuon, Frithjof. PERSPECTIVAS ESPIRITUAIS E FATOS HUMANOS / Trad. P.N. Townsend. Londres: Perennial Books, 1987.

26.Schuon, Frithjof. UNIDADE TRANSCENDENTE DA RELIGIÃO. Wheaton, IL: Editora Teosófica, 1984.

Ilustração: Fig. Um gráfico horizontal-vertical representando a estrutura das religiões, de acordo com os dois princípios (cf. Zulkarnaen. A substância do pensamento de Fritjohf Schuon sobre o ponto das religiões. - In: IOSR Journal of Humanities and Social Science (IOSR- JHSS) Volume 22, Edição 6, Ver. 6 (junho de 2017), e-ISSN: 2279-0837, DOI: 10.9790/0837-2206068792, p. 90 (pp. 87-92).

Observações:

Autores: Dr. Masood Ahmadi Afzadi, Ass.Prof. Religiões Comparadas e Misticismo, Universidade Islâmica Azad, Seção Norte de Teerã, Teerã, Irã, [email protected]; &Dr. Razie Moafi, assistente científico. Universidade Islâmica Azad, Filial Leste de Teerã. Teerã. Irã

Primeira publicação em búlgaro: Ahmadi Afzadi, Masood; MOAFI, Razie. A Religião no Mundo de Hoje – Compreensão Mútua ou Conflito (Seguindo as opiniões de Fritjof Schuon e Samuel Huntington, sobre a compreensão mútua ou conflito entre religiões). – In: Vezni, número 9, Sofia, 2023, pp. 99-113 {traduzido do persa para o búlgaro pelo Dr. Hajar Fiuzi; editor científico da edição búlgara: Prof. Alexandra Kumanova}.

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -