15.4 C
Bruxelas
Wednesday, May 29, 2024
InternacionaisTurismo sóbrio – a ascensão das viagens sem ressaca

Turismo sóbrio – a ascensão das viagens sem ressaca

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Parece quase paradoxal, mas é a Grã-Bretanha com empresas como a We Love Lucid (“Adoramos uma mente clara”) que é considerada líder de um fenómeno que está a ganhar força e adeptos – o turismo sóbrio, ou dry trip.

Porque – se continuarmos com os termos importados – normalmente associamos os turistas britânicos a frequentar bares, a saltar pelas varandas e a pessoas levadas a um estado de desamparo por causa da bebida, a percorrer as ruas dos resorts do sul da Europa – de Sunny Beach à Costa del Sol.

E talvez por causa disso, os jovens residentes da Grã-Bretanha mostram cada vez menos interesse no álcool e no turismo alcoolizado.

A Geração Z do país está se tornando a mais sóbria da Ilha e, de acordo com uma pesquisa YouGov, quase 40% dos jovens de 18 a 24 anos não bebem álcool. Associamos os britânicos a isto, mas as coisas estão a mudar gradualmente.

A tendência é complementada por inquéritos no estrangeiro, onde a Gallup descobriu em 2023 que 52% das pessoas na faixa etária dos 18 aos 34 anos nos EUA acreditam que o consumo moderado de álcool é prejudicial à saúde.

Para efeito de comparação, 39% das pessoas com idades entre 35 e 54 anos e apenas 29% das pessoas com mais de 55 anos pensam assim.

Além disso, as atitudes mudam rapidamente – 5 anos antes, apenas 34 por cento dos mais jovens consideravam o consumo moderado de álcool uma coisa má.

E mais algumas estatísticas áridas – do último relatório da StudentUniverse, que trata das atitudes dos mais jovens em relação às viagens. Para isso, foram entrevistados 4,000 estudantes dos EUA, Reino Unido, Canadá e Austrália com idades entre 18 e 25 anos.

Uma impressionante percentagem de 83% afirma que consideraria passar férias no estrangeiro sem qualquer bebida alcoólica – dado que este é o grupo onde, até recentemente, “viajar” era sinónimo de “festa” e “discoteca”.

Entre os principais motivos para gostar de viajar sóbrios, os estudantes citam a probabilidade de se envolverem em situações perigosas caso bebam, a preferência por gastar dinheiro com outras coisas e o desejo de não fazer besteira no dia seguinte. De acordo com cada vez mais pessoas, pode ser divertido sem álcool.

“Não é mais tão amplamente aceito que você precisa beber álcool para se divertir. As pessoas estão a começar a desafiar essa narrativa, por isso há um aumento na procura de bebidas não alcoólicas, eventos e entretenimento”, afirma Lauren Burnison, fundadora da We Love Lucid, citada pela “Euronews”. A própria Lauren parou de beber anos atrás.

De acordo com a empresa norte-americana Expedia, que apoia plataformas de pesquisa de bilhetes e hotéis, “viagens sóbrias” estão entre as tendências mais quentes para 2024.

“Os turistas de hoje estão mais interessados ​​em criar memórias do que em tentar lembrar o que fizeram – mais de 40% dizem que provavelmente reservarão uma viagem de desintoxicação”, segundo a empresa, que também estudou as atitudes dos viajantes.

A ideia também pode ser descrita assim – as pessoas preferem ver o nascer do sol porque acordam cedo para uma excursão ou caminhada, e não porque estão voltando para casa.

“A mentalidade de “só se vive uma vez, beberei tudo o que vejo” está sendo substituída pela ideia de que nosso tempo livre é valioso”, comentou Rhiannon Jones, analista da consultoria Kantar.

Ainda há muita lógica nisso – sem exagerar no álcool, o turista pode aproveitar muito mais as férias – conhecer mais lugares, em vez de dormir até meio-dia e sofrer de ressaca o dia todo, descansar melhor – e fisicamente, tanto mentalmente e emocionalmente, e pagar menos por não frequentar bares e pubs.

Além disso, a viagem em si é fisicamente exigente – especialmente se for uma longa viagem ou longos voos transoceânicos. O álcool, mesmo em pequenas quantidades, só pode prejudicar a recuperação e a adaptação.

Também há benefícios psicológicos em não beber durante uma viagem.

O álcool atua como um depressor e sem ele as pessoas têm maior probabilidade de aproveitar as férias, disse Victoria Waters, cofundadora da Dry Atlas, que oferece bebidas alternativas, à BBC.

Ou seja, grandes e regulares quantidades de álcool podem causar ansiedade e sintomas depressivos, que é a última coisa que uma pessoa deseja nas férias.

Do ponto de vista empresarial, a tendência leva ao aumento da oferta de mocktails – cocktails sem álcool, e ao aparecimento de todo o tipo de cervejas e vinhos sem álcool, que podem ser encontrados em cada vez mais hotéis, restaurantes e mesmo em cruzeiros.

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -