13.5 C
Bruxelas
Segunda-feira, junho 17, 2024
EuropaPrimeira luz verde para novo projeto de lei sobre o impacto das empresas nos direitos humanos...

Primeira luz verde para novo projeto de lei sobre o impacto das empresas nos direitos humanos e no meio ambiente

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Na terça-feira, a Comissão dos Assuntos Jurídicos aprovou um projeto de lei, acordado com os governos da UE, que exige que as empresas mitiguem o seu impacto negativo nos direitos humanos e no ambiente.

deputados do Parlamento Europeu Comissão dos Assuntos Jurídicos adotado com 20 votos a favor, 4 contra e nenhuma abstenção novo, o chamado “due diligence”Regras que obrigam as empresas a aliviar o impacto adverso que as suas atividades têm sobre os direitos humanos e o ambiente, incluindo a escravatura, o trabalho infantil, a exploração laboral, a perda de biodiversidade, a poluição e a destruição do património natural. A exigência de prevenir, acabar ou mitigar os seus efeitos negativos também diz respeito aos parceiros a montante das empresas que trabalham na concepção, fabrico, transporte e fornecimento, e aos parceiros a jusante, incluindo aqueles que lidam com distribuição, transporte e armazenamento.

Escopo e plano de transição

As regras serão aplicadas a EU1 e empresas de países terceiros e empresas-mãe com mais de 1000 funcionários e um volume de negócios superior a 450 milhões de euros e a franquias com um volume de negócios superior a 80 milhões de euros, se pelo menos 22.5 milhões tiverem sido gerados por royalties.

As empresas também terão de integrar a devida diligência nas suas políticas e sistemas de gestão de risco, e adoptar e pôr em prática um plano de transição que torne o seu modelo de negócio compatível com o limite de aquecimento global de 1.5°C sob o Acordo de Paris. O plano de transição deve incluir as metas de mudança climática da empresa com prazo determinado, ações-chave sobre como alcançá-las e uma explicação, incluindo números, de quais investimentos são necessários para implementar o plano.

Responsabilidade civil e finalidades

As empresas serão responsáveis ​​se não cumprirem as suas obrigações de devida diligência e terão de compensar integralmente as suas vítimas. Terão também de adoptar mecanismos de reclamação e envolver-se com indivíduos e comunidades afectados negativamente pelas suas acções.

Os Estados-Membros designarão uma autoridade de supervisão responsável por monitorizar, investigar e impor sanções às empresas que não cumpram. Estes podem incluir objetivos de até 5% do volume de negócios líquido mundial das empresas. As empresas estrangeiras serão obrigadas a designar o seu representante autorizado com base no Estado-Membro em que operam, que comunicará com as autoridades de supervisão sobre o cumprimento da devida diligência em seu nome. A Comissão criará a Rede Europeia de Autoridades de Supervisão para apoiar a cooperação entre organismos de supervisão.

Parâmetros

Após a votação na comissão, o líder do Parlamento Europeu Lara Wolters (S&D, Holanda) disse: “Estou muito satisfeito que uma clara maioria dos membros do Comitê de Assuntos Jurídicos tenha apoiado hoje a Diretiva de Devida Diligência. Já é tempo de esta legislação ser adoptada, para acabar com os abusos empresariais e para dar às empresas clareza sobre o que se espera delas. “Estou ansioso pela votação em plenário e confiante de que será adotado rapidamente.”

Próximos passos

Uma vez formalmente aprovada pelo Parlamento Europeu e pelos Estados-Membros, a directiva entrará em vigor no vigésimo dia seguinte à sua publicação no Jornal Oficial da UE.

Contexto

A Comissão proposta introduzido em 23 de fevereiro de 2022 é consistente com o apelo do Parlamento Europeu de 2021 para legislação de due diligence obrigatória. Complementa outros atos legislativos existentes e futuros neste domínio, como o regulação do desmatamentoregulamentação de minerais de conflito e os votos de projeto de lei que proíbe produtos feitos com trabalho forçado.

  1. ↩︎
- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -