12.5 C
Bruxelas
Thursday, May 30, 2024
NotíciasArménia e Irão: uma aliança questionável

Arménia e Irão: uma aliança questionável

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Por Eric Gozlan 18/04/2024

Fonte: https://www.geopolitiqueetaction.com/post/l-arm%C3%A9nie-et-l-iran-une-alliance-qui-pose-questions

Poucos dias depois do ataque do Irão a Israel, muitos países condenaram o ataque fracassado a civis israelitas.

A Arménia, que sempre teve relações muito boas com Teerão, votou sem surpresa a favor da resolução da ONU de 27 de Outubro de 2023. Uma resolução que apela a um cessar-fogo imediato em Gaza, que nem sequer menciona o grupo terrorista Hamas.

No dia 11 de outubro, o jornal Norharatch, o principal meio de comunicação franco-armênio da Europa, publicou algumas frases que até os mais anti-israelenses podem aplaudir:

“Em Israel, aqui estava um exército tão poderoso e glorificado que, depois de sair vitorioso de várias guerras israelo-árabes, governou e impôs as suas leis com impunidade sobre todos os países do Médio Oriente. Israel ignorou as resoluções do Conselho de Segurança da ONU, ignorou o apelo dos países ocidentais para uma resolução do conflito israelo-palestiniano”.

“Existem semelhanças entre os crimes de guerra do exército azeri, os actos criminosos do Hamas contra civis e o bombardeamento indiscriminado dos israelitas nos bairros densamente povoados de Gaza, onde as vítimas e os feridos chegam aos milhares. Em retaliação, os israelitas punem os palestinianos, mas as suas ações e as dos azeris ficam impunes. E a comunidade internacional permanece desesperadamente silenciosa sobre o assunto.”

Em 16 de abril de 2024, o Embaixador iraniano, Sr. Sobhani, indicou, sem chocar ninguém, numa conferência de imprensa em Yerevan, que:

“A nossa preocupação é que a Arménia e o Cáucaso [Sul] não se tornem uma arena de rivalidade geopolítica e que o desenvolvimento das relações externas da Arménia não se faça à custa de outros países. E as autoridades arménias informaram-nos que a diversificação da política externa do seu país não é dirigida contra as relações entre a Arménia e o Irão.”

Para deixar as coisas claras, o embaixador iraniano declarou descaradamente: “Eles querem submeter o povo arménio à influência da sua falsa política e desacreditar o Irão na opinião pública arménia. Aconselho-os a pôr fim a esta hipocrisia e a não tentarem envolver a Arménia nos seus conflitos geopolíticos.

Eles sabem aqui que o regime sionista é um dos principais factores de instabilidade no Sul do Cáucaso e que durante a guerra de Nagorno-Karabakh, soldados arménios foram mortos por armas israelitas.

É também claro para todos que um dos factores de instabilidade no Sul do Cáucaso é o regime israelita. Este regime, além de tentar desenvolver o militarismo na região, também tenta criar tensões entre os países da região e o Irão. Acredito que os povos da região são tão cautelosos que nunca confrontarão um país com medidas como as tomadas pelo regime sionista.”

Em 6 de março de 2024, o Ministro da Defesa armênio, Suren Papikian, discutiu a cooperação militar armênio-iraniana e a segurança no sul do Cáucaso com seu homólogo iraniano, Mohammad Reza Ashtiani, durante uma visita oficial a Teerã. Numerosas fontes indicam que o exército arménio está equipado com as melhores armas iranianas, incluindo os drones suicidas Shahed-131 e Shahed-136, também utilizados pelo exército russo na sua guerra contra a Ucrânia.

Esta estreita ligação entre a Arménia e o Irão pode explicar as declarações feitas pelo Ministro dos Negócios Estrangeiros arménio que, após o ataque de Teerão a Israel, comentou que a escalada das tensões no Médio Oriente é uma fonte de grande preocupação, depois de o Irão ter levado a cabo o que descreveu como um ataque retaliatório contra Israel no fim de semana.

As relações entre Israel e o Azerbaijão remontam à década de 1990: Israel foi um dos primeiros países a reconhecer a independência do Azerbaijão em 1991. Em 1993, Jerusalém abriu uma embaixada em Baku.

Em 30 de maio de 2023, o presidente israelense Itzhak Herzog disse após uma reunião com seu homólogo do Azerbaijão em Baku: “O Azerbaijão é um país muçulmano de maioria xiita, mas existe amor e carinho entre as nossas nações”.

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -