12.5 C
Bruxelas
Sexta-feira, Maio 24, 2024
Direitos humanosCompanhias aéreas instadas a não facilitar transferências de asilo entre Reino Unido e Ruanda

Companhias aéreas instadas a não facilitar transferências de asilo entre Reino Unido e Ruanda

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Notícias das Nações Unidas
Notícias das Nações Unidashttps://www.un.org
Notícias das Nações Unidas - Histórias criadas pelos serviços de notícias das Nações Unidas.

Há dois anos, Londres anunciou a Parceria para a Migração e o Desenvolvimento Económico (MEDP), agora designada por Parceria de Asilo Reino Unido-Ruanda, que afirmava que os requerentes de asilo no Reino Unido seriam enviados para o Ruanda antes que os seus casos pudessem ser ouvidos.

O sistema nacional de asilo ruandês consideraria então a sua necessidade de protecção internacional. 

Em Novembro de 2023, o Supremo Tribunal do Reino Unido declarou que a política era ilegal devido a questões de segurança no Ruanda. Em resposta, o Reino Unido e o Ruanda criaram a nova lei, declarando o Ruanda um país seguro, entre outras estipulações.

Risco de repulsão 

O primeiro-ministro do Reino Unido, Rishi Sunak, está trabalhando para que o projeto seja aprovado e disse recentemente que o primeiro voo que transporta requerentes de asilo deverá partir dentro de 10 a 12 semanas, por volta de julho, de acordo com relatos da mídia internacional.

No entanto, os Relatores Especiais da ONU avisou que A remoção de requerentes de asilo para o Ruanda, ou para qualquer outro lugar, poderia colocar as companhias aéreas e as autoridades da aviação em risco de repulsao – o regresso forçado de refugiados ou requerentes de asilo para um país onde possam enfrentar perseguição, tortura ou outros danos graves – “o que violaria o direito de não ser sujeito a tortura ou a outros tratamentos cruéis, desumanos ou degradantes”. 

Os especialistas afirmaram que “mesmo que o acordo entre o Reino Unido e o Ruanda e a lei sobre a Segurança do Ruanda sejam aprovados, as companhias aéreas e os reguladores da aviação poderão ser cúmplices na violação dos direitos humanos protegidos internacionalmente e das ordens judiciais, facilitando as remoções para o Ruanda”. 

Acrescentaram que as companhias aéreas deveriam ser responsabilizadas se ajudarem na remoção de requerentes de asilo do Reino Unido.

Os peritos da ONU têm estado em contacto com o Governo do Reino Unido e com os reguladores da aviação nacionais, europeus e internacionais para lhes lembrar das suas responsabilidades, incluindo no âmbito da ONU Princípios Orientadores sobre Empresas e os Direitos Humanos

ONU Conselho de Direitos Humanos nomeia Relatores Especiais para monitorar e relatar situações e questões globais. Servem a título individual, não são funcionários da ONU, são independentes de qualquer governo ou organização e não são remunerados pelo seu trabalho. 

Link Fonte

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -