15.2 C
Bruxelas
Thursday, May 30, 2024
Direitos humanosLíderes da ONU pedem mais ações para acabar com o racismo e a discriminação

Líderes da ONU pedem mais ações para acabar com o racismo e a discriminação

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Notícias das Nações Unidas
Notícias das Nações Unidashttps://www.un.org
Notícias das Nações Unidas - Histórias criadas pelos serviços de notícias das Nações Unidas.

Secretário-Geral da ONU, António Guterres celebrou as conquistas e contribuições de pessoas de ascendência africana de todo o mundo, ao discursar no fórum através de mensagens de vídeo, mas também reconheceu a discriminação racial existente e as desigualdades que os negros continuam a enfrentar. 

He dito a criação do Fórum Permanente mostra a dedicação da comunidade internacional para resolver estas injustiças. Ainda assim, precisa de ser apoiada por mudanças significativas para as pessoas de ascendência africana em todo o mundo.

"Agora devemos aproveitar esse impulso para impulsionar mudanças significativas – garantindo que as pessoas de ascendência africana desfrutem da realização plena e equitativa dos seus direitos humanos; intensificando os esforços para eliminar o racismo e a discriminação – inclusive através de reparações; e tomando medidas para a plena inclusão das pessoas de ascendência africana na sociedade como cidadãos iguais”, disse Guterres. 

‘Formidável poder de convocação’

Vice-Alta Comissária para os Direitos Humanos, Nada Al-Nashif elogiou o fórum pelo seu “formidável poder de convocação”, reunindo-se para uma terceira sessão de alto nível menos de dois anos depois de se tornar operacional.

Ela elogiou os 70 eventos paralelos planejados do fórum com foco na justiça climática, educação, saúde e muito mais para pessoas de ascendência africana, dizendo que isso mostra um “esforço notável, amplificando o alcance e o impacto do nosso compromisso coletivo. "

A Sra. Al-Nashif instou os Estados-Membros a participarem nas discussões e a agirem de acordo com as recomendações delas derivadas. 

“Só então poderemos garantir que todos os direitos civis, políticos, económicos, sociais e culturais das pessoas de ascendência africana pode ser plenamente realizado sem discriminação ou preconceito”, disse ela.

Década deve se estender

A Sra. Al-Nashif disse que o Alto Comissário da ONU para os Direitos Humanos, Volker Türk, apoia a extensão da Década Internacional para pessoas de ascendência africana – um momento proclamado pela Assembleia Geral em 2015 para focar no reconhecimento, na justiça e no desenvolvimento. 

Durante o Fórum Permanente, a conversa será centrada nas limitações e expectativas de realização da solicitada segunda década internacional. 

“Aguardamos com expectativa o resultado das discussões desta sessão; e acompanharemos as discussões intergovernamentais em relação à Década Internacional ao longo deste ano”, disse a Sra. Al-Nashif.

Todos os relatórios do Fórum Permanente serão apresentados à 57ª sessão da ONU Conselho de Direitos Humanos em Setembro, bem como a nova sessão da Assembleia Geral da ONU, que começa nesse mês.

Uma luta pela mudança

A Alta Comissária Adjunta disse que seu escritório continua procurando maneiras de garantir “a participação significativa, inclusiva e segura das pessoas de ascendência africana na vida pública é essencial na luta contra o racismo sistémico. "

Link Fonte

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -