18.9 C
Bruxelas
Tuesday, July 16, 2024
Tecnologia científicaArqueologiaO mestre renascentista Raffaello morreu de uma doença causada pelo coronavírus

O mestre renascentista Raffaello morreu de uma doença causada pelo coronavírus

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Estamos começando a esquecer o COVID-19 epidemia à medida que abranda, mas este coronavírus sempre esteve presente na história da humanidade – por exemplo, em 6 de abril de 1520 em Roma, Rafael Sanzio da Urbino morreu de uma doença causada por um coronavírus.

O mito popular afirma que o artista, falecido em 1520 com apenas trinta e sete anos, contraiu sífilis.

Mestre renascentista Raphael morreu de uma doença pulmonar que se assemelha muito à infecção causada pelo coronavírus, informou a AFP em julho de 2020, citando uma pesquisa de um historiador italiano.

O mito popular afirma que o artista, falecido em 1520 com apenas trinta e sete anos, contraiu sífilis.

O mestre foi tratado pelos melhores médicos enviados pelo Papa, mas não sobreviveu. Segundo o pintor italiano George Vasari (1511-1574), Rafael não compartilhava com os médicos suas frequentes visitas noturnas, no frio, às suas amantes.

Na época, em março, as noites eram muito frias e ele provavelmente contraiu pneumonia, segundo a historiadora médica Michele Augusto Riva. Segundo Riva, a doença do mestre renascentista é muito parecida com a inflamação pulmonar que conhecemos hoje como consequência da infecção pelo novo coronavírus.

O artista foi tratado com “sangria”, o que, segundo o especialista, o deixou ainda mais esgotado. Segundo Riva, os médicos da época sabiam dos riscos dessa terapia em doenças infecciosas, mas agiram com base em informações erradas. Acredita-se que a doença do mestre tenha durado quinze dias.

A nova investigação sobre as causas da morte de Raffaello foi concluída no final de fevereiro, antes da pandemia do novo coronavírus atingir o país.

Foi publicado quase meio ano antes do início da epidemia no final de 2020 na revista “Medicina Interna e de Emergência”.

Raphael Sanzio da Urbino é um dos três grandes mestres do Renascimento, junto com Michelangelo e Leonardo. Nasceu em Urbino em 1483. Recebeu grandes encomendas de dois papas – Júlio II e Leão X. Algumas de suas obras estão no Palácio Apostólico do Vaticano, onde pintou três salas, e uma quarta foi concluída por seus alunos baseados em seus esboços.

Outras obras suas estão em igrejas e palácios de Roma. 2020 marcou o 500º aniversário de sua morte, com exposições comemorativas do aniversário canceladas e adiadas devido à pandemia do novo coronavírus.

Eles restauraram Raphael rosto com tecnologia tridimensional

Os restos mortais encontrados em seu túmulo no Panteão pertencem na verdade ao mestre renascentista – uma equipe de uma universidade italiana fez uma reconstrução tridimensional do rosto do famoso artista renascentista Raphael usando um molde de gesso de seu crânio, informou a AFP em 2020, ano que marca 500 anos da morte do criador.

O resultado do experimento prova que os restos mortais encontrados em seu túmulo no Panteão pertencem realmente ao mestre renascentista.

A análise do molde do crânio de Raphael (1483 – 1520), descoberta em 1833, aquando da abertura do túmulo do criador, permitiu a reconstrução em 3D do rosto do artista renascentista, falecido aos 37 anos em Roma e foi sepultado no Panteão.

“Estamos agora certos de que os restos encontrados no Panteão são certamente Raphael's”, disse o professor Mattia Falconi, especialista em biologia molecular da Universidade de Roma Tor Vergata. Durante as escavações ao redor do túmulo do mestre, foram encontrados muitos outros restos mortais, provavelmente de seus alunos.

“A reconstrução facial é uma técnica interdisciplinar que se baseia na morfologia do crânio e mostra o rosto no momento da morte”, explicam Cristina Martínez-Labarga, professora de antropologia e Raul Carbon, professor de design gráfico, modelagem tridimensional e projeto virtual.

“O seu trabalho permite pela primeira vez confirmar que os restos encontrados no túmulo do Panteão pertencem a Raffaello”, disse o Departamento de Biologia da Universidade de Roma Tor Vergata, onde compararam o resultado da experiência com autorretratos. do artista.

A pesquisa, realizada pelo Centro de Antropologia Molecular para o Estudo do DNA Antigo do Departamento de Biologia da Universidade de Roma em colaboração com a Fundação Vigamus e a Accademia Raffaello, que administra o museu na cidade natal do artista, é a base para estudos futuros sobre os restos mortais para determinar suas outras características baseadas em DNA – cor dos olhos, cor do cabelo e tom de pele.

Ilustração: Autorretrato de Raphael, com aproximadamente 23 anos.

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -