16.2 C
Bruxelas
Sexta-feira, junho 21, 2024
NotíciasDesejando lanches após uma refeição? Podem ser neurônios em busca de comida, não um...

Desejando lanches após uma refeição? Podem ser neurônios em busca de comida, não um apetite hiperativo

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Central de notícias
Central de notíciashttps://europeantimes.news
The European Times Notícias visa cobrir notícias importantes para aumentar a conscientização dos cidadãos em toda a Europa geográfica.

Pessoas que se pegam remexendo na geladeira em busca de um lanche pouco depois de terem comido uma refeição farta podem ter neurônios hiperativos em busca de comida, e não um apetite hiperativo.

Psicólogos da UCLA descobriram um circuito no cérebro dos ratos que os faz desejar comida e procurá-la, mesmo quando não estão com fome. Quando estimulado, esse aglomerado de células impulsiona os camundongos a procurar alimentos vigorosamente e a preferir alimentos gordurosos e prazerosos, como o chocolate, a alimentos mais saudáveis, como cenouras.

As pessoas possuem os mesmos tipos de células e, se confirmada em humanos, a descoberta poderá oferecer novas formas de compreender os transtornos alimentares.

O relatório, publicado na revista Comunicações da natureza, é o primeiro a encontrar células dedicadas à procura de alimento numa parte do tronco cerebral do rato geralmente associada ao pânico, mas não à alimentação.

“Essa região que estamos estudando é chamada de substância cinzenta periaquedutal (PAG), e fica no tronco cerebral, que é muito antigo na história evolutiva e por isso é funcionalmente semelhante entre humanos e camundongos”, disse o autor correspondente. Avishek Adhikari, um professor associado de psicologia da UCLA. “Embora as nossas descobertas tenham sido uma surpresa, faz sentido que a procura de comida esteja enraizada numa parte tão antiga do cérebro, uma vez que a procura de alimentos é algo que todos os animais precisam de fazer.”

Adhikari estuda como o medo e a ansiedade ajudam os animais a avaliar os riscos e a minimizar a exposição às ameaças, e o seu grupo fez a descoberta enquanto tentava aprender como é que este local específico estava envolvido no medo.

“A ativação de toda a região PAG causa uma resposta dramática de pânico tanto em ratos quanto em humanos. Mas quando estimulamos seletivamente apenas esse agrupamento específico de neurônios PAG chamados células vgat PAG, eles não alteraram o medo e, em vez disso, causaram forrageamento e alimentação”, disse Adhikari.

Os pesquisadores injetaram no cérebro de camundongos um vírus geneticamente modificado para fazer com que as células cerebrais produzissem uma proteína sensível à luz. Quando um laser incide sobre as células através de um implante de fibra óptica, a nova proteína traduz essa luz em atividade elétrica neural nas células. Um microscópio em miniatura, desenvolvido na UCLA e afixado na cabeça do rato, registrou a atividade neural das células.

Quando estimuladas com luz laser, as células vgat PAG dispararam e chutaram o camundongo em busca de grilos vivos e alimentos que não fossem presas, mesmo que ele tivesse acabado de comer uma grande refeição. A estimulação também induziu o rato a seguir objetos em movimento que não eram comida – como bolas de pingue-pongue, embora não tentasse comê-las – e também levou o rato a explorar com confiança tudo em seu recinto.

“Os resultados sugerem que o seguinte comportamento está mais relacionado ao desejo do que à fome”, disse Adhikari. “A fome é aversiva, o que significa que os ratos geralmente evitam sentir fome, se puderem. Mas procuram a activação destas células, sugerindo que o circuito não está a causar fome. Em vez disso, pensamos que este circuito causa o desejo por alimentos altamente gratificantes e com alto teor calórico. Essas células podem fazer com que o rato coma mais alimentos com alto teor calórico, mesmo na ausência de fome”.

Camundongos saciados com células vgat PAG ativadas ansiavam tanto por alimentos gordurosos que estavam dispostos a suportar choques nos pés para obtê-los, algo que ratos cheios normalmente não fariam. Por outro lado, quando os investigadores injetaram um vírus concebido para produzir uma proteína que reduz a atividade das células sob exposição à luz, os ratos procuraram menos alimentos, mesmo que estivessem com muita fome.

“Os ratos apresentam compulsão alimentar na presença de consequências diretas aversivas quando esse circuito está ativo e não procuram comida mesmo que estejam com fome quando ele não está ativo. Este circuito pode contornar as pressões normais da fome de como, o que e quando comer”, disse Fernando Reis, pesquisador de pós-doutorado da UCLA que fez a maioria dos experimentos no artigo e teve a ideia de estudar a alimentação compulsiva. “Estamos fazendo novos experimentos com base nessas descobertas e aprendendo que essas células induzem a ingestão de alimentos gordurosos e açucarados, mas não de vegetais em ratos, sugerindo que esse circuito pode aumentar a ingestão de junk food”.

Assim como os ratos, os humanos também possuem células vgat PAG no tronco cerebral. Pode ser que, se esse circuito estiver hiperativo em uma pessoa, ela se sinta mais recompensada ao comer ou tenha vontade de comer quando não está com fome. Por outro lado, se este circuito não estiver suficientemente ativo, eles poderão ter menos prazer associado à alimentação, contribuindo potencialmente para a anorexia. Se for encontrado em humanos, o circuito de busca de alimentos poderá se tornar o alvo do tratamento para alguns tipos de transtornos alimentares.

A pesquisa foi apoiada pelo Instituto Nacional de Saúde Mental, pela Brain & Behavior Research Foundation e pela National Science Foundation.

Fonte: UCLA

Link Fonte

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -