13.5 C
Bruxelas
Sábado, Maio 25, 2024
EuropaOrganizações religiosas que tornam o mundo melhor através do trabalho social e humanitário

Organizações religiosas que tornam o mundo melhor através do trabalho social e humanitário

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Willy Fautre
Willy Fautrehttps://www.hrwf.eu
Willy Fautré, antigo encarregado de missão no Gabinete do Ministério da Educação belga e no Parlamento belga. Ele é o diretor do Human Rights Without Frontiers (HRWF), uma ONG com sede em Bruxelas que fundou em dezembro de 1988. A sua organização defende os direitos humanos em geral, com especial enfoque nas minorias étnicas e religiosas, na liberdade de expressão, nos direitos das mulheres e nas pessoas LGBT. A HRWF é independente de qualquer movimento político e de qualquer religião. Fautré realizou missões de apuramento de factos sobre direitos humanos em mais de 25 países, incluindo em regiões perigosas como o Iraque, a Nicarágua sandinista ou os territórios maoístas do Nepal. Ele é professor em universidades na área de direitos humanos. Publicou muitos artigos em revistas universitárias sobre as relações entre o Estado e as religiões. É membro do Press Club de Bruxelas. É defensor dos direitos humanos na ONU, no Parlamento Europeu e na OSCE.

Uma conferência no Parlamento Europeu para tornar o mundo melhor

As atividades sociais e humanitárias das organizações religiosas ou de crença minoritárias na UE são úteis para os cidadãos e a sociedade europeia, mas são muitas vezes ignoradas pelos líderes políticos e pelos meios de comunicação social.

Willy Fautre Organizações religiosas que tornam o mundo melhor através do trabalho social e humanitário

Esta foi a mensagem enviada por uma ampla gama de oradores com diversas origens religiosas e de crenças no III Cúpula de Fé e Liberdade realizado no Parlamento Europeu, em Bruxelas, em 18 de abril.

No entanto, o trabalho destas organizações minoritárias, com a sua sensibilização para as alterações climáticas ou para as campanhas antidrogas, os seus programas de ajuda aos refugiados e aos sem-abrigo, nos locais de terramotos e outras catástrofes naturais, merece ser destacado, reconhecido e conhecido, a fim de escapar à invisibilidade e, por vezes, à estigmatização infundada.

No âmbito desta conferência, aproveitei o tempo de debate para partilhar alguns pontos de vista e reflexões a partir de uma perspectiva de direitos humanos que resumirei de forma estruturada a seguir.

Atividades sociais e humanitárias de organizações religiosas ou de crença ignoradas e silenciadas

As numerosas apresentações feitas por porta-vozes de organizações religiosas e filosóficas minoritárias que enriqueceram esta conferência destacaram a importância e o impacto das suas actividades humanitárias, caritativas, educativas e sociais para tornar o mundo um lugar melhor para se viver. Mostraram também que são úteis para os Estados da União Europeia, que não conseguem resolver todos os problemas sociais sozinhos, sem a contribuição deste segmento da sociedade civil.

Porém, praticamente não há vestígios de suas atividades na mídia. Podemos questionar-nos sobre as razões subjacentes a esta situação. O serviço social é uma forma de expressão pública e visível destas organizações. Expressar a fé pessoal através da contribuição para estas atividades não incomoda ninguém. No entanto, fazê-lo em nome de uma entidade religiosa é por vezes percebido pelos movimentos seculares e pelos seus agentes políticos como competitivo com as suas convicções filosóficas e como um perigo potencial do retorno da influência das Igrejas históricas que durante séculos ditaram as suas leis aos Estados. e seus soberanos. Os meios de comunicação também estão permeados por esta cultura de secularização e neutralidade.

À sombra desta desconfiança, as minorias religiosas ou filosóficas são suspeitas por estes mesmos actores, mas também pelas Igrejas dominantes, de utilizarem as suas actividades sociais e humanitárias como uma ferramenta para a autopromoção pública e para atrair novos membros. Por último, mas não menos importante, algumas minorias estiveram durante mais de 25 anos em listas negras dos chamados “cultos” prejudiciais e indesejáveis, que foram elaboradas e endossadas por vários estados da UE e amplamente divulgadas pelos meios de comunicação social. Contudo, no direito internacional, o conceito de “culto” não existe. Além disso, a Igreja Católica deveria lembrar-se que a famosa Madre Teresa na Índia, apesar do seu Prémio Nobel da Paz, foi acusada de querer converter os intocáveis, e outros, ao cristianismo nos seus hospitais católicos e instituições educativas.

O que está aqui em causa é a liberdade de expressão de grupos minoritários religiosos ou filosóficos como entidades colectivas e visíveis, que não escondem a sua identidade no espaço público.

Estas organizações religiosas são vistas como “indesejáveis” em certos países europeus e consideradas uma ameaça à ordem estabelecida e ao pensamento correcto. A reacção é então nos círculos políticos e nos meios de comunicação social manterem silêncio sobre as suas actividades sociais e humanitárias construtivas como se nunca tivessem existido. Ou, através do activismo hostil a estes movimentos, estes são apresentados sob uma luz completamente negativa, como “é proselitismo indevido”, “é para recrutar novos membros entre as vítimas”, etc.

Rumo a sociedades mais inclusivas na União Europeia

A duplicidade de critérios deve ser fundamentalmente evitada no tratamento político e mediático dos intervenientes da sociedade civil, para evitar qualquer tensão prejudicial e hostilidade entre grupos sociais. A segregação que conduz à fragmentação da sociedade e ao separatismo gera ódio e crimes de ódio. A inclusão traz respeito, solidariedade e paz social.

A cobertura das atividades sociais, de caridade, educativas e humanitárias de grupos religiosos e filosóficos deve ser equitativa. A justiça deve ser feita, pelo seu justo valor e sem prejuízo, a quem contribui para o bem-estar dos cidadãos da União Europeia.

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -