15.5 C
Bruxelas
Sexta-feira, Maio 17, 2024
EducaçãoNa Noruega estão contando as “bruxas” queimadas na Idade Média

Na Noruega estão contando as “bruxas” queimadas na Idade Média

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

A Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia apresentou os resultados de um estudo que investigou ensaios “mágicos”. Os estudiosos descobriram que julgamentos semelhantes na Noruega só terminaram no século XVIII e centenas de acusados ​​​​foram executados. De acordo com um comunicado da universidade, a “caça às bruxas” foi generalizada na Noruega nos séculos XVI e XVII. De acordo com os dados fornecidos, cerca de 18 pessoas durante esse período foram acusadas de bruxaria e cerca de 16 delas foram condenadas à morte. Muitos desses infelizes foram queimados na fogueira. Os pesquisadores também observam que entre os “feiticeiros” executados há um número significativo de Saami. Por exemplo, das 17 pessoas condenadas à morte em Finnmark durante o período acima mencionado, 750 eram Saami. O material para o estudo dos cientistas tornou-se os registros judiciais sobreviventes daquela época. Seu estudo permitiu revelar alguns detalhes dos processos.

Assim, a equipe da historiadora Ellen Alm estabeleceu a partir dos autos do tribunal que três Sámi foram acusados ​​de bruxaria: Finn-Kristin, Ann Aslaxdatter e Henrik Meraker. O último deles acabou sendo condenado à morte. “Como muitos Saami tinham nomes que soavam noruegueses, pode ter havido ainda mais”, observam os pesquisadores.

Os historiadores identificaram várias razões potenciais pelas quais a terrível perseguição à bruxaria finalmente terminou no século XVIII. Durante os julgamentos de “bruxas” dos séculos XVI e XVII, o uso da tortura para extrair confissões era ilegal e os “criminosos” condenados eram proibidos de testemunhar. Isto significava que uma “bruxa” condenada não poderia revelar os nomes de outras “bruxas”. “Mas não é raro que, em casos de bruxaria, a lei muitas vezes faça vista grossa”, diz a coautora Anne-Sophie Schötner Skaar. – Foi utilizada tortura e “bruxas” condenadas foram forçadas a nomear os seus “cúmplices”. A letra da lei foi interpretada de forma muito diferente e isto levou a muitos julgamentos de “bruxas”. “Mas no final do século XVII, a prática judicial começou a mudar. Alguns juízes tornaram-se mais rígidos, exigiram as provas necessárias e não toleraram mais o uso da tortura.”

No final do século XVII, cada vez mais juízes começaram a seguir a lei, o que tornou difícil levar os casos de bruxaria aos tribunais. “Como você pode provar um suposto crime se não é mais aceitável forçar alguém a confessar?” – esta é a questão colocada pelos investigadores modernos, notando que quando cessou a perseguição à bruxaria, apareceu outro mecanismo de controlo e combate. a religião Saami: missionários apareceram em cena. “Parece que os missionários substituíram o sistema judicial para 'lidar' com a religião Saami e a sua prática”, diz Schötner-Skaar. Há boas evidências disso nos relatos missionários do século XVIII.

“Alguns desses relatos missionários são terríveis de ler. Encontramos descrições de Saami envolvidos em “feitiçaria demoníaca”. Os relatos missionários mostram que a religião Saami ainda era interpretada por alguns como bruxaria e obra do diabo, embora o sistema judicial já não parecesse interessado em prosseguir com isso”, diz ela.

O padre Johan Randulf, autor do Manuscrito de Neroi, escreveu que “os Sami do Sul têm muitos deuses diferentes, mas todos pertencem ao diabo: 'Eu sei que ele, junto com todos os outros [deuses Sami], é o próprio diabo ' – é assim que o sacerdote descreve um dos deuses Saami do Sul, e também descreve yoik, o estilo tradicional de canto Saami, como “a canção de Satanás”.

Foto: Documento do século XVIII contém informações de Margareta Mortendatter Trefault, acusada de bruxaria / Arquivo Digital

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -