12.3 C
Bruxelas
Monday, May 20, 2024
InstituiçõesNações UnidasResumo das notícias do mundo: Consternação do chefe dos direitos humanos com a lei anti-LGBT de Uganda, Haiti ...

Notícias do mundo em resumo: Consternação dos chefes de direitos humanos com a lei anti-LGBT de Uganda, atualização sobre o Haiti, ajuda ao Sudão, alerta de execuções no Egito

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Notícias das Nações Unidas
Notícias das Nações Unidashttps://www.un.org
Notícias das Nações Unidas - Histórias criadas pelos serviços de notícias das Nações Unidas.

Numa declaração, Volker Türk instou as autoridades de Kampala a revogá-la na sua totalidade, juntamente com outra legislação discriminatória aprovada por maioria parlamentar.

“Há relatos de que cerca de 600 pessoas foram sujeitas a violações e abusos dos direitos humanos com base na sua orientação sexual ou identidade de género real ou imputada” desde que foi promulgada em Maio passado, disse Türk.

“Deve ser revogado na sua totalidade ou infelizmente este número só aumentará.”

Ele apelou aos políticos para que defendam os direitos e a dignidade de todos, independentemente da orientação sexual ou identidade de género.

“A criminalização e a aplicação da pena de morte às relações consensuais entre pessoas do mesmo sexo são contrárias às obrigações do tratado internacional de direitos humanos do Uganda.”

Direitos constitucionais

Salientou que mesmo a própria Constituição do Uganda exige tratamento igual e não-discriminação.

“É crucial que as autoridades também revoguem a Secção 145 da Lei do Código Penal, que também impõe sanções penais para relações sexuais consensuais entre pessoas do mesmo sexo”, acrescentou, juntamente com a consagração da orientação sexual e da identidade de género “como motivos proibidos de discriminação”.

Türk disse que é necessário haver “um ambiente propício para todos os defensores dos direitos humanos – incluindo os defensores dos direitos LGBTQ – realizarem o seu trabalho legítimo de direitos humanos”, incluindo permitir-lhes trabalhar abertamente, sem discriminação, e exercer os seus direitos à liberdade de expressão, associação e reunião pacífica.

Cuidados de saúde no Haiti sob ataque de gangues armadas

Hospitais na capital do Haiti estão sob ataque crescente por gangues armados, com alguns sendo saqueados em meio à turbulência em curso, o escritório de coordenação humanitária da ONU, OCHA, informou na quarta-feira.

Uma equipe móvel de saúde apoiada pelo UNFPA visita um local para pessoas deslocadas perto da capital do Haiti, Porto Príncipe.

Duas unidades de saúde em Porto Príncipe foram forçadas a fechar, enquanto outras duas permanecem fechadas apesar dos planos de reabertura, após terem sido fechadas devido ao aumento da violência.

Apenas o Hospital Universitário La Paix permanece operacional na área da capital, e tem estado sob pressão significativa devido à crescente procura pelos seus serviços.

O Hospital Delmas 18 e o centro de saúde Saint Martin foram saqueados nos dias 26 e 27 de março.

A OPAS, a Organização Pan-Americana da Saúde administrada pela ONU, está a fornecer-lhe bens essenciais, como medicamentos, combustível e assistência logística, para ajudar a manter os serviços em funcionamento.

Farmácias invadidas

De acordo com a OCHA, grupos armados também atacaram e invadiram cerca de 10 farmácias na capital do Haiti, dificultando gravemente o acesso público aos medicamentos.

O aumento da violência também afectou o trabalho dos locais de serviços de VIH e tuberculose. Local UNAIDS os serviços estão a colaborar com o Ministério da Saúde do Haiti, sendo dada prioridade aos testes de VIH.

No meio de um vácuo político, os poderosos gangues do Haiti lançaram ataques coordenados contra vários alvos desde Fevereiro, incluindo esquadras de polícia, prisões, aeroportos e portos marítimos, resultando na demissão do primeiro-ministro Ariel Henry há três semanas.

Embora esteja em vigor o estado de emergência, ainda não foi estabelecido um governo de transição.

Na terça-feira, o Programa Alimentar Mundial (PAM) distribuiu refeições quentes a mais de 28,000 mil pessoas na capital e, na semana passada, a agência de saúde das Nações Unidas (OMS), a agência da criança (UNICEF) e parceiros locais realizaram quase 600 consultas em locais de deslocados.

ONU no Sudão e Sudão do Sul unem-se para fazer entregas de ajuda cruciais

Respondendo às necessidades críticas dos civis afetados pela guerra em curso no Sudão, a Organização Mundial da Saúde (OMS) equipes nacionais lá e no vizinho Sudão do Sul se uniram para entregar suprimentos ao Nilo Azul e às montanhas Nuba.

A crise em curso impediu significativamente a capacidade do escritório da OMS no Sudão de aceder e fornecer suprimentos médicos de emergência essenciais às duas regiões, afirmou a OMS num comunicado divulgado na quarta-feira.

Ao aproveitar a experiência logística do escritório do Sudão do Sul e os recursos disponíveis, foram pré-posicionados kits de saúde de emergência a partir dos arsenais existentes em áreas ao longo da fronteira entre o Sudão e o Sudão do Sul, garantindo uma assistência atempada e eficaz às pessoas mais necessitadas.

Compromisso com a colaboração

O esforço conjunto é uma prova do compromisso de ambos os escritórios com a colaboração transfronteiriça, e espera-se que os suprimentos de saúde de emergência interagências sirvam aproximadamente 830,000 mil pessoas nas áreas afetadas pelo conflito do Nilo Azul e das Montanhas Nuba durante os próximos três meses.

A remessa é a segunda que a OMS no Sudão do Sul consegue entregar através da fronteira desde o início do conflito brutal entre militares rivais há quase um ano.

O envio dos suprimentos faz parte dos esforços contínuos de ajuda da OMS em apoio ao povo sudanês, disse a agência.  

Egito deve suspender as execuções, pedem especialistas em direitos humanos da ONU

Um grupo de especialistas independentes em direitos humanos da ONU expressou na quarta-feira grande preocupação depois que sentenças de morte foram proferidas a sete pessoas pelo mais alto tribunal do Egito em janeiro, no longo ano da chamada “Brigada Helwan” de combate ao terrorismo. casas.

As suas execuções constituiriam assassinatos arbitrários que violam o direito à vida devido a julgamentos injustos e outras violações dos direitos humanos, afirmaram num comunicado.

Supostos membros da Brigada Helwan foram acusados ​​de atacar as forças de segurança na sequência do golpe militar contra o antigo Presidente democraticamente eleito, Mohamed Morsi, há mais de 10 anos.

Siga o direito internacional

“A pena capital só poderá ser executada após um processo legal que garanta todas as salvaguardas requeridos pelo direito internacional dos direitos humanos”, o Conselho de Direitos Humanos- especialistas nomeados disseram.

Os casos alegadamente envolveram graves violações do direito internacional, incluindo desaparecimentos forçados e detenção em regime de incomunicabilidade, tortura e confissões forçadas, recusa de acesso a advogados e visitas familiares, prisão preventiva prolongada, confinamento solitário e julgamentos em massa perante tribunais especiais contra o terrorismo que não atender aos padrões de julgamento justo.

“O Egito também não conseguiu investigar e remediar de forma independente e eficaz estas alegadas violações, conforme exigido pela lei internacional e egípcia”, afirmaram.

As sentenças de morte ainda violar direito internacional porque se baseiam em condenações por crimes terroristas vagos e excessivamente amplos, acrescentaram os especialistas.

Existe também um risco real de que as execuções, na prática, possam constituir tortura proibida ou tratamento cruel, desumano e degradante.

“Instamos o Egipto a suspender estas execuções, a investigar de forma independente as alegadas violações dos direitos humanos e a rever os processos judiciais à luz das obrigações internacionais do Egipto”, afirmaram.

Os relatores e outros especialistas em direitos da ONU são independentes de qualquer governo, não são funcionários da ONU e não recebem salário pelo seu trabalho.

Link Fonte

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -