9.8 C
Bruxelas
Thursday, June 13, 2024
CulturaUm palimpsesto de realidades e memórias coletivas: as exposições em andamento do Palais...

Um palimpsesto de realidades e memórias coletivas: as exposições contínuas do Palais de Tokyo

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Autor convidado
Autor convidado
Autor convidado publica artigos de colaboradores de todo o mundo

Por Biserka Gramatikova

Uma crise que está aqui e agora, mas que começa algures no passado. Uma crise de identidades, posições e morais – políticas e pessoais. Uma crise de tempo e espaço, cujos fundamentos estão enraizados no século XX. A exposição “Dislocations” no “Palais de Tokyo” reúne o trabalho de 15 artistas de diferentes gerações, com diferentes passados ​​(Afeganistão, França, Iraque, Irão, Líbia, Líbano, Palestina, Myanmar, Síria, Ucrânia). O que os une é a busca criativa pela fronteira entre o presente e o passado. Fragmentos de histórias, resquícios de guerra, uma combinação entre a simplicidade dos materiais e as possibilidades tecnológicas dos tempos modernos.

O projeto foi elaborado em colaboração entre o Palais de Tokyo e a organização sem fins lucrativos Portes ouvertes sur l'art, que divulga o trabalho de artistas no exílio e em busca de liberdade de expressão. A organização ajuda esses autores a colaborar com a cena artística francesa.

Curadores são Marie-Laure Bernadac e Dária de Beauvais.

Artistas: Majd Abdel Hamid, Rada Akbar, Bissane Al Charif, Ali Arkady, Cathryn Boch, Tirdad Hashemi, Fati Khademi, Sara Kontar, Nge Lay, Randa Maddah, May Murad, Armineh Negahdari, Hadi Rahnaward, Maha Yammine, Misha Zavalniy

A história transcontinental de solidariedade política e social atingiu o seu auge nas décadas entre 1960 e 1980. No movimento anti-imperialista, povos inteiros tentam apagar os traumas do passado, construir uma nova identidade e conquistar o seu lugar no mundo. . A exposição “Past Disquiet” é um estudo curatorial arquivo-documental de Kristine Khouri e Rasha Salti – um “museu do exílio” ou um “museu da solidariedade”. Da luta palestina pela liberdade à resistência contra a ditadura de Pinochet no Chile e ao regime do apartheid na África do Sul.

“A Exposição Internacional de Arte para a Palestina”, realizada em Beirute em 1987, é o ponto de partida do atual “Museu da Solidariedade”. Os curadores reúnem materiais documentais da Jordânia, Síria, Marrocos, Egito, Itália, França, Suécia, Alemanha, Polónia, Hungria, África do Sul e Japão para montar o puzzle do ativismo, eventos artísticos únicos, coleções e demonstrações em todo o mundo relacionadas com movimento antiimperialista do século XX.

O peculiar ciclo de exposições do Palais de Tokyo em que o fantasma do colonialismo está presente e em que os traumas do passado encontram o seu reflexo nas tensões e provocações do presente, termina com a exposição SIGNAL de Mohamed Bourouissa. Um tema central da exposição é a restrição do pensamento – controle sobre a linguagem, a música, as formas – e a alienação do meio ambiente. O mundo do artista estende-se desde a sua cidade natal, Blida, na Argélia, passando pela França, onde vive agora, até aos céus de Gaza.

Foto de Biserka Gramatikova. Exposição “Deslocamentos” no “Palais de Tokyo”.

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -