11 C
Bruxelas
Sábado, junho 15, 2024
Escolha dos editoresA emissora nacional italiana discrimina o corpo docente universitário estrangeiro, Lettori, em...

A emissora nacional italiana coloca a discriminação contra o pessoal docente universitário estrangeiro, Lettori, no centro das atenções

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Henrique Rodgers
Henrique Rodgers
Henry Rodgers ensina inglês na Universidade “La Sapienza”, em Roma, e publicou extensamente sobre a questão da discriminação.

No fim-de-semana passado, a Rai 3, um canal de televisão do serviço nacional de radiodifusão italiano, transmitiu um programa sobre o incumprimento por parte da Itália das suas obrigações como membro da União Europeia. O grau de adesão de um Estado-Membro a estas obrigações é medido pelo número de processos de infração instaurados contra ele pela Comissão Europeia por supostas violações dos compromissos do Tratado. Amplamente considerado como um dos Estados mais pró-europeus, as estatísticas comparativas dos processos por infracção instaurados pela Comissão contra os Estados-Membros ao longo do tempo mostram que a Itália tem um historial marcadamente fraco no respeito da legislação da UE.

Não é de surpreender que a discriminação contra “Lettori”, o corpo docente estrangeiro nas universidades italianas, tenha sido abordada no Rai 3 programa. A discriminação representa a violação mais antiga da paridade de tratamento prevista no Tratado na história da UE. Além disso, é digno de nota que, no passado mês de Julho, a Comissão tomou a decisão de submeter mais um processo por infracção contra a Itália ao Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE). Uma série de artigos em The European Times traça a história jurídica dos Lettori e sua campanha contra a discriminação que sofreram desde o primeiro dos Decisões Allué em 1989, à decisão do Colégio de Comissários para encaminhar o último processo por infração contra a Itália ao TJUE em julho do ano passado.

John Gilbert é Coordenador Nacional Lettori do FLC CGII, o maior sindicato da Itália. Entrevistado pela Rai 3 na Universidade de Florença, onde leciona, ele descreveu brevemente os antecedentes do caso de discriminação sob análise. Na linha de litígio que vai desde a decisão Allué de 1989 até ao processo de infração pendente contra a Itália, os Lettori ganharam 4 processos perante o TJUE sobre a questão da paridade de tratamento com os seus colegas italianos. Esta estatística provavelmente chocou o público da Rai, dada a percepção geral de que as sentenças do TJUE são finais e definitivas. A duração do litígio significou que muitos Lettori se reformaram sem nunca terem trabalhado nas condições não discriminatórias a que a disposição de paridade de tratamento do Tratado lhes confere. Além disso, a discriminação é também, na verdade, uma discriminação baseada no género: 80% dos 1,500 Lettori que lecionam ou lecionaram antes da reforma nas universidades italianas são mulheres, sublinhou o Sr. Gilbert.

O facto de o FLC CGIL, o maior sindicato do país, ter apelado à Comissão Europeia para que processasse a Itália pelo tratamento discriminatório dado aos Lettori não nacionais foi obviamente um ponto persuasivo para uma audiência de telespectadores italianos. O Sr. Gilbert referiu-se às sete representações recentes ao Comissário para Emprego e Direitos Sociais, Nicolas Schmit, em favor do Lettori. Além destas representações, e juntamente com Asso.CEL.L, queixoso oficial no processo de infracção da Comissão contra Itália, a FLC CGIL realizou uma investigação nacional Censo de Lettori, que documentou, para satisfação da comissão, a prevalência da discriminação contra Lettori nas universidades italianas e teve influência na abertura do presente processo por infracção.

A cobertura do caso Lettori pela RAI, a emissora oficial nacional, dá continuidade ao recente interesse demonstrado pelo caso Lettori pela mídia italiana. O de um dia Greve FLC CGIL O mês de junho de 2023 nos campi de toda a Itália foi bem coberto pela simpática mídia local italiana, com cobertura televisiva dos protestos em Florença. Pádua e Sássari. A emissora nacional foi particularmente simpática ao caso Lettori, sublinhando as suas altas qualificações e o papel docente fundamental que os Lettori desempenham nas universidades italianas. Sendo um programa investigativo de assuntos atuais, as conclusões tiradas terão peso na opinião pública. Em particular, a Rai 3 foi contundente ao afirmar que uma discriminação que poderia eventualmente resultar na imposição de pesadas multas à Itália deveria ter sido autorizada a continuar durante décadas, desafiando as sentenças do TJUE.

Até ao momento, não foi fixada qualquer data para a audiência do processo da Comissão contra a Itália, enumerado no Registo do TJUE como processo C-519/23. Para além do interesse óbvio demonstrado em Itália, o caso está a ser acompanhado de perto em toda a Europa, especialmente por estudiosos do direito da UE. Isto porque a história do caso e as questões em jogo estão no cerne da eficácia dos processos por infracção como meio de fazer cumprir o direito da UE. Para uma melhor compreensão destas questões indubitavelmente complexas e das suas importantes implicações para a administração da justiça da UE, é instrutivo recordar a decisão de execução de 2006 do TJUE em Processo C-119/04. Foi pela não implementação desta decisão que a Comissão aceitou o processo por infracção que está agora pendente no Tribunal.

No processo C-119/04, a Comissão recomendou a imposição de multas diárias de 309.750€ sobre a Itália pela sua contínua discriminação contra Lettori. A Itália promulgou uma lei de última hora em Março de 2004, cujas disposições o TJUE considerou que poderiam remediar a discriminação. Na ausência de provas nos depoimentos sobre se esta lei foi devidamente implementada, o Tribunal recusou-se a multar a Itália. O facto de a Comissão ter iniciado processos por infracção subsequentes mostra claramente que considera que as disposições da lei de Março de 2004 nunca foram posteriormente correctamente implementadas.  

O caso Lettori suscita então uma série de considerações importantes em relação à condução dos processos por infração: 

 1. As disposições do Tratado relativas aos processos por infracção: O Tratado de Roma conferiu poderes à Comissão para instaurar processos de infracção contra os Estados-Membros por alegada violação das obrigações do Tratado. Mais tarde, uma disposição do Tratado de Maastricht autorizou ainda mais a Comissão a instaurar processos de execução pela não execução de decisões por infração e deu ao TJUE o poder de impor multas por incumprimento. Claramente, então os procedimentos de execução foram introduzidos para encerrar. O caso Lettori mostra que eles não conseguiram fazê-lo.

2. Evidência: No processo C-119/04, os juízes observaram claramente que não havia provas dos Lettori nos depoimentos da Comissão que contrariassem as alegações da Itália de que a lei de Março de 2004 tinha sido correctamente implementada. Se estas provas tivessem sido disponibilizadas ao Tribunal, o caso teria obviamente tido um resultado muito diferente. São necessárias salvaguardas para garantir que os queixosos, em cujo nome a Comissão instaura processos por infração, possam verificar e responder às provas dos depoimentos dos Estados-Membros.

 3.O requisito de confidencialidade. Embora os processos por infracção sejam instaurados em nome dos queixosos, estes não são tecnicamente parte no processo e os intercâmbios entre a Comissão e o Estado-Membro permanecem confidenciais. Para ser justo com a Comissão, esta reuniu ampla documentação dos queixosos da Lettori ao longo do presente processo. Contudo, ao abrigo das disposições actuais, os queixosos permanecem no escuro quanto à resposta de um Estado-Membro às suas alegações. Na Universidade “La Sapienza” de Roma, por exemplo, a Comissão foi informada de que um contrato considerado discriminatório num contexto Decisão de 2001 do TJUE permanece em vigor até hoje. Lettori, no serviço há décadas, pode receber o mesmo salário que os colegas contratados anos após as decisões Allué, desafiando o mesmo julgamento de 2001. O acesso aos contra-argumentos de um Estado-Membro em situações como estas seria instrutivo e útil para os queixosos.

 4. Legislação retrospetiva dos Estados-Membros para interpretar as decisões do TJUE

Na sequência da decisão no processo C-119/04 e da aceitação do Tribunal de que os termos da lei italiana de Março de 2004 poderiam remediar a discriminação, os tribunais italianos locais concederam sistematicamente aos demandantes de Lettori acordos ininterruptos para reconstruções de carreira a partir da data do primeiro emprego. Mas, em Dezembro de 2010, a Itália promulgou a Lei Gelmini, uma lei que pretendia fornecer uma interpretação autêntica da lei de Março de 2004 e, por implicação, da decisão correspondente do TJUE.

Gelmini limita a reconstrução total da carreira devida a Lettori ao ano de 1995 – um limite prescrito em nenhum lugar na decisão do TJUE, ou na lei de março de 2004. Em desacordo com as decisões do judiciário italiano local, também está em desacordo com decisões recentes de algumas universidades italianas, como Milão e Tor Vergata, que concederam aos seus Lettori reconstruções ininterruptas de carreira.   

O ponto em jogo aqui é óbvio e não precisa ser excessivamente elaborado. O facto de um Estado-Membro poder ser autorizado a interpretar retrospectivamente a legislação sobre a qual o TJUE já se pronunciou, e em seu próprio benefício, abriria um precedente com implicações muito graves para o Estado de direito na UE.

Kurt Rollin é representante da Asso.CEL.L para o aposentado Lettori. Comentando o programa Rai 3 e o caso pendente do TJUE contra a Itália, o Sr. Rollin disse:

“A intransigência do Estado italiano atraiu os Lettori para um atoleiro jurídico durante mais de quatro décadas. Apesar do recurso a todos os meios disponíveis para reparação, a Itália, com aparente impunidade, reteve o nosso direito consagrado no Tratado à paridade de tratamento. É encorajador que a RAI, a emissora nacional de Itália, e o FLC CGIL, o maior sindicato italiano, tenham se manifestado tão claramente a favor dos Lettori não nacionais. Esperançosamente, o processo de infração pendente perante o TJUE proporcionará uma justiça atrasada para a nossa categoria.”

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -