17.7 C
Bruxelas
Domingo, junho 16, 2024
Direitos humanosONU institui Dia Internacional de Reflexão pelo Genocídio de Srebrenica

ONU institui Dia Internacional de Reflexão pelo Genocídio de Srebrenica

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Notícias das Nações Unidas
Notícias das Nações Unidashttps://www.un.org
Notícias das Nações Unidas - Histórias criadas pelos serviços de notícias das Nações Unidas.

Adotando uma resolução com o mesmo título, a Assembleia também solicitou ao Secretário-Geral que estabelecesse um programa de divulgação sobre o genocídio de Srebrenica em preparação para o 30º aniversário no próximo ano.

Além disso condenou qualquer negação do genocídio de Srebrenica como um acontecimento histórico e apelou aos Estados-Membros para que preservassem os factos estabelecidos, nomeadamente através dos seus sistemas educativos, para prevenir a negação e a distorção, e qualquer ocorrência de genocídio no futuro.

O texto, patrocinado pela Alemanha e pelo Ruanda, foi adoptado por um voto registrado de 84 nações a favor, 19 contra e 68 abstenções.

O massacre em Srebrenica

O massacre em Srebrenica marcou um dos capítulos mais sombrios da guerra que eclodiu após a dissolução da antiga Jugoslávia.

Em Julho de 1995, o exército sérvio-bósnio invadiu Srebrenica, que anteriormente era declarada uma área segura pelo Conselho de Segurança, e assassinou brutalmente milhares de homens e adolescentes e expulsou 20,000 mil pessoas da cidade.

Uma unidade pequena e levemente armada de forças de manutenção da paz holandesas sob a bandeira da ONU não conseguiu resistir à força sérvia da Bósnia.

Os assassinatos brutais de muçulmanos bósnios em Srebrenica pelo exército da Republika Srpska foram reconhecido como um ato de genocídio pelo Tribunal Internacional de Justiça (ICJ), bem como o Tribunal Penal Internacional para a ex-Iugoslávia (TPIJ).

Firmemente contra a negação

Volker Türk, Alto Comissário da ONU para os Direitos Humanos, saudou a resolução como “mais reconhecimento” das vítimas e sobreviventes e da sua busca por justiça, verdade e garantias de não recorrência.  

“A resolução é tanto mais importante tendo em conta o revisionismo persistente, a negação do genocídio de Srebrenica e o discurso de ódio por parte de líderes políticos de alto nível na Bósnia e Herzegovina, bem como nos países vizinhos”, disse ele em um afirmação.

Ele também destacou a responsabilidade dos líderes políticos da região de se envolverem num diálogo construtivo para construir sociedades pacíficas “onde as pessoas possam viver com segurança e liberdade, sem discriminação ou medo de conflito e violência”.

Alemanha: Para homenagear as vítimas

Apresentando o projeto de resolução, Antje Leendertse, Embaixadora e Representante Permanente da Alemanha à ONU, disse que a iniciativa visa homenagear as vítimas e apoiar os sobreviventes, “que continuam a conviver com as cicatrizes daquele momento fatídico”.

O texto segue o modelo da resolução da Assembleia Geral que designou o dia 7 de Abril como o Dia Internacional de Reflexão sobre o Genocídio de 1994 contra os Tutsis no Ruanda.

“Também sublinha o papel dos tribunais internacionais na luta contra a impunidade e na garantia da responsabilização pelo genocídio, e contém linguagem contra a negação do genocídio e a glorificação dos perpetradores”, acrescentou.

Ela também se manifestou contra “falsas alegações”, afirmando que a resolução “não é dirigida contra ninguém”.

“Não contra a Sérvia, um membro valioso desta Organização. Se for o caso, é dirigido contra os perpetradores do genocídio”, acrescentou o Embaixador Leendertse.

“Convido, portanto, todos a julgarem o texto pelos seus méritos e a apoiarem o nosso apelo para comemorar e refletir sobre o que aconteceu em Srebrenica há quase trinta anos.”

Sérvia: uma caixa de Pandora

Presidente Aleksandar Vučić da Sérvia discursando na Assembleia Geral sobre o projeto de resolução.

Presidente sérvio Aleksandar Vučić rotulou o texto de “altamente politizado”, dizendo que “abriria uma caixa de Pandora”.

O projecto de resolução “foi ocultado” pelos seus autores, disse ele, acrescentando que carecia de um processo inclusivo em comparação com “a resolução para o Ruanda”, que foi preparada de “forma muito transparente”.

Ele relembrou as discussões sobre a questão no Conselho de Segurança em março.

“Quando quisemos discutir o bombardeamento da Sérvia em 1999, disseram-nos 'não olhem para o passado, olhem para o futuro – aconteceu há 25 anos'. Dois dias depois, descobrimos que eles estavam preparando esse tipo de resolução relativa a acontecimentos até quatro anos antes [de 1999]”, disse ele.

“Quando têm algumas necessidades – necessidades políticas, podem ir fundo no passado. Quando alguém está se referindo ao passado, nesse caso os fatos – eles não importam.”

Com veredictos e condenações já proferidos através do processo judicial, a resolução apenas aprofundaria as divisões e conduziria à instabilidade, acrescentou o Presidente Vučić.

“Não se trata de reconciliação, não se trata de memórias, isto é algo que apenas abrirá uma velha ferida e criará um caos político completo. Não só na nossa região, mas até aqui, neste salão”, argumentou.

Link Fonte

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -