15.4 C
Bruxelas
Sexta-feira, junho 14, 2024
InstituiçõesNações UnidasCom Gaza à beira, as negociações sobre reféns devem ser retomadas, ouve o Conselho de Segurança

Com Gaza à beira, as negociações sobre reféns devem ser retomadas, ouve o Conselho de Segurança

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Notícias das Nações Unidas
Notícias das Nações Unidashttps://www.un.org
Notícias das Nações Unidas - Histórias criadas pelos serviços de notícias das Nações Unidas.

Tor Wennesland, Coordenador Especial da ONU para o Processo de Paz no Médio Oriente, sublinhou a necessidade de continuar as discussões vitais, que foram apoiadas pelo Egipto, Qatar e pelos Estados Unidos.

"Se as conversações não forem retomadas, temo pelo pior para os civis sitiados e aterrorizados em Rafah, para os reféns mantidos em condições inimagináveis ​​durante mais de 225 dias, e por uma operação humanitária sobrecarregada que permanece à beira do abismo na Faixa de Gaza”, disse ele.

‘Prioridade imediata, salvar vidas’

Mais de 1.2 milhões de palestinos deslocados de outras partes de Gaza estão abrigados em Rafah, com mais de 810,000 deslocados novamente desde que a ofensiva militar israelita começou em 6 de Maio.

“Salvar vidas e responder às necessidades críticas em Rafah e Gaza de forma mais ampla deve continuar a ser a nossa prioridade imediata”, sublinhou Wennesland.

“Ao mesmo tempo, não devemos perder de vista os riscos que estas ameaças imediatas representam para as perspectivas de resolução deste conflito e de paz e estabilidade a longo prazo na região.”

Edem Wosornu, Diretor de Operações do OCHA, informa o Conselho de Segurança.

'Ficando sem palavras'

Também informando aos embaixadores, Edem Wosornu, Diretor de Operações do Escritório da ONU para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA), destacou a terrível situação humanitária em Rafah e em toda a Faixa de Gaza.

"Para ser franco, estamos a ficar sem palavras para descrever o que está a acontecer em Gaza. Descrevemo-lo como uma catástrofe, um pesadelo, como o inferno na terra. É tudo isso e pior”, disse ela, acrescentando que a situação piora a cada dia.

Mais de 35,000 mil pessoas foram mortas e 79,000 mil feridas, segundo o Ministério da Saúde de Gaza.

'Comprometido em ficar e entregar'

A Sra. Wosornu sublinhou que a ONU e os parceiros de ajuda “estão empenhados em permanecer e entregar”.

Ela saudou o envio de ajuda através do cais flutuante criada pelos EUA, acrescentando, no entanto, que devido ao actual encerramento da passagem de Rafah e ao acesso limitado através de Kerem Shalom e Rafah, os humanitários carecem de suprimentos e combustível “para fornecer qualquer nível significativo de apoio”.

O alto funcionário do OCHA reiterou que os civis, as suas casas e as infra-estruturas de que dependem devem ser protegidos e que a passagem rápida e desimpedida da ajuda para e dentro de Gaza deve ser facilitada.

Ela também destacou a necessidade de financiamento suficiente, especialmente para a agência da ONU que ajuda os refugiados palestinos (UNRWA) “o pilar central da nossa operação de ajuda”.

‘Consequências mortais da inação’

No seu briefing, o Sr. Wennesland enfatizou que uma solução duradoura em Gaza requer uma abordagem “fundamentalmente política”.

He destacou a importância do novo governo palestino, que inclui oito ministros de Gaza, e o seu potencial para unificar Gaza e a Cisjordânia política, económica e administrativamente.

Instando a comunidade internacional a apoiar o novo Governo, o alto funcionário da ONU também sublinhou a urgência de estabelecer um quadro político viável para pôr fim ao conflito israelo-palestiniano e alcançar uma solução de dois Estados.

"Dia após dia testemunhamos as consequências mortais da inacção. Agora é o momento de lançar as bases para um futuro melhor para os palestinianos, os israelitas e a região em geral. A ONU continuará a apoiar todos esses esforços”, concluiu.

O Coordenador Especial Tor Wennesland informa o Conselho de Segurança.

Link Fonte

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -