17.4 C
Bruxelas
Tuesday, June 18, 2024
EuropaEspetaculares ataques simultâneos da SWAT a centros de ioga romenos (II): Verificação de fatos...

Espetaculares ataques simultâneos da SWAT a centros de ioga romenos (II): Verificação de fatos da operação em Buthiers, França

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Willy Fautre
Willy Fautrehttps://www.hrwf.eu
Willy Fautré, antigo encarregado de missão no Gabinete do Ministério da Educação belga e no Parlamento belga. Ele é o diretor do Human Rights Without Frontiers (HRWF), uma ONG com sede em Bruxelas que fundou em dezembro de 1988. A sua organização defende os direitos humanos em geral, com especial enfoque nas minorias étnicas e religiosas, na liberdade de expressão, nos direitos das mulheres e nas pessoas LGBT. A HRWF é independente de qualquer movimento político e de qualquer religião. Fautré realizou missões de apuramento de factos sobre direitos humanos em mais de 25 países, incluindo em regiões perigosas como o Iraque, a Nicarágua sandinista ou os territórios maoístas do Nepal. Ele é professor em universidades na área de direitos humanos. Publicou muitos artigos em revistas universitárias sobre as relações entre o Estado e as religiões. É membro do Press Club de Bruxelas. É defensor dos direitos humanos na ONU, no Parlamento Europeu e na OSCE.

Uso desproporcional de forças policiais em busca de… vítimas inexistentes do MISA

No dia 28 de Novembro de 2023, pouco depois das 6 horas da manhã, uma equipa da SWAT composta por cerca de 175 polícias, usando máscaras pretas, capacetes e coletes à prova de balas, invadiu simultaneamente oito casas e apartamentos separados em Paris e arredores, mas também em Nice, brandindo espingardas semiautomáticas.

Centro de retiro espiritual para praticantes de yoga em Buthiers
Centro de retiro espiritual para praticantes de yoga em Buthiers

Estes locais pesquisados ​​estavam a ser utilizados para retiros espirituais por praticantes de yoga ligados à escola de yoga MISA na Roménia. Naquela manhã fatídica, a maioria deles ainda estava na cama e foi acordada por barulhos e gritos muito altos.

O primeiro objectivo das forças policiais era identificar, prender, deter e indiciar suspeitos de “tráfico de seres humanos”, “confinamento forçado” e “abuso de vulnerabilidade”, em gangues organizadas. O segundo objetivo era obter declarações de suas vítimas como elementos de prova.

Em Buthiers (região de Paris), 20 pessoas – 15 mulheres e 5 homens – estavam em retirada no momento do ataque. Incluíam engenheiros, designers, professores, psicólogos, um estudante de psicologia, um filólogo, um sociólogo, um médico, um ator e assim por diante. Eles se formaram em escolas secundárias, faculdades de sociologia, psicologia, eletrônica, matemática, ciências da informação em Bucareste, Cluj Napoca, Chisinau (Moldávia), Buenos Aires (Argentina)…

Human Rights Without Frontiers entrevistou uma das residentes, a Sra. SC (*), uma mulher ortodoxa que pratica Hatha, Tibetano e outras formas de yoga na Roménia há 32 anos. Ela tinha vindo de Iasi para Buthiers no carro do namorado que tinha outras coisas para fazer em Paris. Ambos conheciam aquele centro de retiros onde já tinham passado várias semanas há alguns anos. Era espaçoso, confortável e bem equipado.

MISA FRANCE Buthiers02 Espetaculares ataques simultâneos da SWAT a centros de ioga romenos (II): Verificação dos fatos da operação em Buthiers, França
Espaço residencial para praticantes de ioga em Buthiers

Entrevista

P.: O que aconteceu no centro de retiro espiritual de Buthiers na madrugada de 28 de novembro de 2023?

R.: De repente fui acordado por muito barulho e gritos. Ainda estava escuro lá fora e tudo que eu conseguia ver pela janela eram raios de luz de lanternas. Eu podia ouvir pessoas gritando, correndo e batendo violentamente em objetos pela casa.

No começo eu nem percebi o que estava acontecendo. Achei que uma gangue de vilões tinha invadido a casa e ia nos matar. Pouco depois deste primeiro pensamento assustador, comecei a entender algumas palavras da gritaria e percebi que na verdade se tratava de uma batida policial francesa.

Naquele momento comecei a me perguntar sobre os motivos de uma ação tão brutal e inesperada. Na casa só havia pessoas pacíficas que vieram ao centro de retiro espiritual para se regenerarem através de práticas de relaxamento e caminhadas no maravilhoso ambiente natural.

MISA FRANCE Buthiers03 Espetaculares ataques simultâneos da SWAT a centros de ioga romenos (II): Verificação dos fatos da operação em Buthiers, França

Ignorando as propostas dos convidados de abrir silenciosamente as portas com as chaves da casa, a polícia quebrou as portas de entrada do edifício, bem como várias instalações com aríetes, causando muitos danos.

Vários homens e mulheres foram violentamente imobilizados no chão e algemados com as mãos nas costas, embora não tivessem mostrado qualquer sinal de resistência.

Depois de cerca de três horas, disseram-nos para fazermos rapidamente todas as malas, porque seríamos levados para outro local para interrogatório e não teríamos permissão para retornar ao centro de retiros.

A polícia verificou minuciosamente as coisas que colocávamos na nossa bagagem: roupas, roupa interior, cadernos, etc. Os nossos artigos electrónicos pessoais foram confiscados alegando que eram “evidências”, embora nunca nos tenham sido informados de qualquer acusação. Tivemos que deixar para trás muitos dos nossos pertences pessoais, até medicamentos. Não tínhamos permissão para levar comida ou água conosco, mas consegui ficar com uma garrafa.

P.: Para onde você foi levado e o que aconteceu lá?

R.: Fomos enviados de ônibus para a sede da Academia Nacional de Polícia em Cannes-Ecluse e nos reunimos em uma sala de conferências. Oito horas já haviam se passado desde o início do ataque. Pela primeira vez, uma das polícias contou-nos os motivos da operação e o facto de sermos consideradas possíveis vítimas de tráfico, privação de liberdade e abuso sexual. 

Perguntamos a todos muito surpresos ao ouvir tal explicação. Respondemos que as únicas pessoas que nos privaram da nossa liberdade em França foram a polícia que confiscou os nossos documentos de identidade e telefones pessoais.

A maioria de nós ainda estava em estado de choque emocional, assustado e traumatizado por todos os acontecimentos que haviam acontecido. Pedimos diversas vezes a assistência de um advogado, mas o nosso pedido foi recusado com o fundamento de que o nosso estatuto não nos permitia fazê-lo. Tentaram de várias maneiras fazer-nos “conversar”, incluindo sob pressão para nos manterem trancados até 96 horas (duração legal de uma “garde à vue”, privação de liberdade).

Sem advogado, recusei-me a responder a quaisquer perguntas porque ainda estava sob o choque emocional daquele acontecimento.

MISA FRANCE Buthiers04 Espetaculares ataques simultâneos da SWAT a centros de ioga romenos (II): Verificação dos fatos da operação em Buthiers, França

Também nos foi proposto falar com um representante de uma associação que ajuda vítimas de tráfico e/ou abuso sexual, mas recusei porque não era vítima.

Continuavam a dizer-nos que éramos vítimas e que nos tinham resgatado, mas esta era uma situação kafkaiesca, um verdadeiro diálogo da morte. Não fomos traficados para França, não fomos vítimas do MISA e não precisámos de ser resgatados.

P.: Como você foi finalmente libertado e em que condições?

R.: Depois de cerca de duas ou três horas, eles me devolveram minha identidade, mas não consegui recuperar meus pertences pessoais. Não recebi cópia da lista de bens pessoais confiscados e não assinei nenhum relatório ou declaração. Fui escoltado até o portão do imenso imóvel da Academia Nacional de Polícia e só me mostraram o ponto de ônibus local.

Basicamente fui deixado na rua num país estrangeiro e numa cidade que nem sabia onde ficava. Não tive possibilidade de voltar ao centro do MISA em Buthiers, pois estava isolado. Meu telefone foi confiscado para a investigação, não consegui ligar para ninguém pedindo ajuda e não tinha dinheiro comigo, apenas um cartão de banco com uma pequena quantia.

Depois de passar algumas horas na rua, no frio, um dos meus amigos lembrou-se do número de telefone de um amigo e pediu a alguém na rua que ligasse para essa pessoa pedindo ajuda. Depois de mais algumas horas chegamos àquela pessoa que nos acolheu e nos ajudou a voltar para a Roménia.

P.: Que tal viajar novamente para a França no futuro?

R.: Nunca mais. Cinco meses depois dessa experiência, ainda estou emocionalmente frágil. Quando vejo uma foto da Torre Eiffel em um filme ou quando ouço um barulho repentino e alto, começo a tremer. É como uma síndrome pós-traumática. Levará algum tempo para se livrar dele.

Alguns comentários

Pode-se perguntar com que base foi decidido lançar vários ataques simultâneos da SWAT de tal magnitude – 175 policiais fortemente armados – em centros de yoga em toda a França. Pessoas perigosas, armas e drogas não pareciam ser o que eles poderiam esperar enfrentar se os locais estivessem sob sério escrutínio policial preliminar.

Pode-se perguntar por que foram usados ​​aríetes destrutivos enquanto os residentes ofereciam chaves para abrir com segurança a entrada e outras portas sem qualquer dano.

Pode-se perguntar por que e com que base vários praticantes de ioga foram algemados, embora não tenham oferecido resistência quando foram presos.

Pode-se perguntar por que lhes foi negada a assistência de advogados franceses.

Pode-se perguntar por que razão, mais de cinco meses após a operação, os praticantes de yoga romenos não tiveram mais notícias da polícia francesa ou de um procurador e não recuperaram os seus telefones e outros pertences confiscados.

Pode-se perguntar como é que as autoridades francesas irão avançar com um caso em que seis pessoas foram colocadas em prisão preventiva (várias ainda estavam detidas após cinco meses) e nenhuma queixa foi apresentada por qualquer uma das dezenas de praticantes de yoga interrogados.

(*) Por respeito à privacidade da entrevistada, colocamos apenas as suas iniciais mas temos o seu nome completo e dados de contacto.

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -