14.8 C
Bruxelas
Domingo, junho 23, 2024
InstituiçõesNações UnidasResumo das notícias do mundo: Mais ataques na Ucrânia, apelo pelos direitos dos nigerianos presos ...

Resumo das notícias do mundo: Mais ataques na Ucrânia, apelo pelos direitos do cantor nigeriano preso, Dia Internacional contra a Homofobia

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Notícias das Nações Unidas
Notícias das Nações Unidashttps://www.un.org
Notícias das Nações Unidas - Histórias criadas pelos serviços de notícias das Nações Unidas.

“A segurança dos civis, das casas, das escolas e dos hospitais deve ser garantida. Eles não são um alvo”, disse Denise Brown em uma declaração, sublinhando que o direito humanitário internacional deve ser respeitado. 

Brown disse que esses últimos ataques ocorreram um dia depois de ela retornar da região de Kharkiv, no nordeste da Ucrânia, que tem sido alvo de bombardeios implacáveis ​​nos últimos dias. 

“Vi as consequências terríveis dos ataques intensificados das Forças Armadas da Federação Russa contra milhares de pessoas que tiveram de fugir para salvar as suas vidas, deixando para trás tudo o que possuíam”, disse ela.  

“Muitas pessoas idosas temem nunca mais poder voltar.” 

Ela também elogiou os humanitários que estão “trabalhando incansavelmente para apoiar as pessoas em meio a esta tragédia humana”. 

Nigéria instada a libertar músico que enfrenta execução por blasfêmia 

Especialistas independentes em direitos humanos da ONU apelaram na quinta-feira à Nigéria para libertar imediatamente um cantor que foi condenado por blasfémia em 2020. 

O músico muçulmano sufi Yahaya Sharif-Aminu foi condenado à morte por enforcamento por escrever uma música e compartilhá-la no serviço de mensagens sociais WhatsApp. 

“Embora a sua sentença de morte tenha sido anulada por um tribunal de recurso, continuamos profundamente preocupados que o caso do Sr. Sharif-Aminu seja processado novamente com base no mesmo quadro jurídico, a Lei do Código Penal Sharia do Estado de Kano, com sérios riscos de que a morte a sentença será confirmada”, disseram os especialistas dito

Abolir a pena de morte 

Embora o Supremo Tribunal da Nigéria tenha abordado a questão, os especialistas disseram que continuam profundamente preocupados com o facto de o Sr. Sharif-Aminu ter estado na prisão durante demasiado tempo por exercer os seus direitos humanos.  

Todas as pessoas têm direito à liberdade de expressão e à religião ou crença, afirmaram, bem como a participar na vida cultural e no desenvolvimento da sua sociedade através da expressão artística, sem medo de prisão, represálias ou execução. 

Instaram o Supremo Tribunal a considerar o caso do Sr. Sharif-Aminu como uma prioridade e recomendaram que a Nigéria estabeleça uma moratória sobre a pena de morte, com vista à sua abolição total. 

Os três Relatores Especiais que emitiram a declaração foram nomeados pela ONU Conselho de Direitos Humanos, o órgão máximo da Organização em matéria de direitos humanos. Operam a título individual, não são funcionários da ONU e não recebem salário pelo seu trabalho. 

A bandeira do arco-íris balança ao vento no distrito de Castro, em São Francisco. Crédito: Benson Kua

Respeitar os direitos humanos no Dia Internacional contra a Homofobia, Bifobia e Transfobia 

O Secretário-Geral da ONU apelou ao compromisso de construir um mundo de respeito, dignidade e direitos humanos para todos na sua mensagem para assinalar o Dia Internacional Contra a Homofobia, Bifobia e Transfobia, comemorado na sexta-feira.  

António Guterres aplaudiu o trabalho corajoso de activistas lésbicas, gays, bissexuais, transexuais, intersexuais e queer (LGBTIQ+) que lutam para proibir a discriminação e garantir a igualdade perante a lei. 

“No entanto, há um aumento preocupante na direção oposta”, alertou. “Novas leis estão codificando velhas intolerâncias, explorando medos e alimentando o ódio.” 

Ele disse que o tema da comemoração do Dia Internacional deste ano – “Ninguém fica para trás: igualdade, liberdade e justiça para todos” – é um lembrete da obrigação de respeitar os direitos humanos e a dignidade de cada pessoa. 

“Precisamos de ação em todo o mundo para tornar esses direitos uma realidade”, disse o chefe da ONU, apelando ao fim da criminalização das relações entre pessoas do mesmo sexo e da discriminação e das práticas prejudiciais contra as comunidades LGBTIQ+.  

Link Fonte

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -