24.6 C
Bruxelas
Sexta-feira, julho 19, 2024
ReligiãoAhmadiyyaPerseguição de Ahmadis, no Paquistão; Uma análise detalhada da situação humana internacional...

Perseguição de Ahmadis, no Paquistão; Uma análise detalhada do Relatório Anual dos Escritórios Internacionais de Direitos Humanos de 2023

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Por Thierry Valle CAP Liberdade de Consciência Maio de 2024

No Paquistão, a Comunidade Muçulmana Ahmadiyya, um grupo minoritário, enfrenta há muito tempo discriminação, violência e violações de direitos. O relatório anual inaugural da Balcão Internacional de Direitos Humanos (IHRD), fundado por Hazrat Mirza Masroor Ahmad, o Chefe da Comunidade Ahmadiyya em novembro de 2023, destacou a escalada da perseguição sofrida pelos Ahmadis no Paquistão e em todo o mundo. Este artigo analisa as conclusões do IHRD no seu Relatório Anual 2023, centrando-se na descoberta da discriminação contra os ahmadis e sublinhando a necessidade de ações para abordar os abusos dos direitos humanos que visam a comunidade Ahmadiyya no Paquistão.

Principais conclusões do Relatório Anual de 2023

O relatório do IHRD expõe tendências na perseguição dos Ahmadis no Paquistão ao longo de 2023. Os incidentes de profanação de locais de culto Ahmadiyya aumentaram notavelmente, com características como minaretes e nichos a tornarem-se pontos de discórdia. Apesar dos compromissos e obrigações internacionais relativos à liberdade de religião e crença, as autoridades paquistanesas têm falhado consistentemente na salvaguarda dos direitos dos Ahmadis.

Além disso, o relatório lança luz sobre as violações dos direitos humanos sofridas pelos Ahmadis durante o Eid ul Adha, incluindo agressões e falsas acusações levantadas contra eles. Ataques aos seus locais de culto. Grupos extremistas, como o Tehreek e Labbaik Pakistan (TLP), tornaram a vida mais difícil à comunidade, impedindo os ahmadis de participar nas suas práticas e criando um ambiente de medo e discriminação. O relatório do IHRD sublinha a discriminação enraizada enfrentada pelos Ahmadis no Paquistão. Leis como a Segunda Emenda à Constituição do Paquistão e a Portaria XX visam especificamente os Ahmadis, restringindo severamente a sua liberdade de religião e crença. O relatório apela à revogação destas leis e à implementação de legislação para proteger os direitos dos Ahmadis.

Os ahmadis são frequentemente detidos, processados ​​e encarcerados por causa das suas crenças. As leis anti-Ahmadi são frequentemente utilizadas indevidamente para oprimir membros da comunidade sem motivos. As recusas injustas de fiança e as duras penas de prisão proferidas pelo poder judicial apenas contribuem para a sua perseguição. Em 2023, 133 Ahmadis foram injustamente visados, realçando a necessidade de reformas.

Além disso, a discriminação contra os Ahmadis persiste em sectores como a educação, o emprego e as empresas, conforme detalhado no relatório. Estudantes Ahmadi foram expulsos, agredidos, assediados, sujeitos a perguntas em exames e excluídos de atividades que violam os seus direitos. Os profissionais Ahmadi que trabalham em funções governamentais enfrentam ameaças, intimidação e transferências forçadas devido às suas crenças. Além disso, as empresas pertencentes a Ahmadis foram boicotadas, atacadas e socialmente isoladas por grupos.

O recente relatório, elaborado pelos Defensores Internacionais dos Direitos Humanos (DIDH), lança luz sobre a situação dos Ahmadis no Paquistão, destacando as preocupações levantadas pelas organizações de direitos humanos em todo o mundo. Tanto o Relatório do Departamento de Estado dos EUA de 2022 on Liberdade Religiosa Internacional e o Gabinete do Alto Comissariado para os Direitos Humanos (ACNUDH) expressaram preocupação com o tratamento dispensado aos ahmadis no Paquistão, apelando a medidas para resolver as violações dos direitos humanos.

Apesar de enfrentar críticas e desaprovação, o governo paquistanês ignorou em grande parte os apelos à acção. A ausência de diálogo e de iniciativas políticas impediu o progresso na abordagem da discriminação contra os ahmadis. O relatório sublinha a necessidade de a liderança efetuar mudanças para proteger os direitos dos Ahmadis e promover uma sociedade mais inclusiva e tolerante.

O Relatório Anual de 2023 do Gabinete Internacional de Direitos Humanos lança luz sobre os obstáculos encontrados pela Comunidade Ahmadiyya no Paquistão, revelando um padrão recorrente de perseguição. Destaca casos de discriminação, obstáculos legais e abusos generalizados dos direitos humanos enfrentados pelos Ahmadis em vários aspectos das suas vidas. As preocupações e apelos da comunidade à acção sublinham a necessidade de resolver esta questão.

Esforços para enfrentar a perseguição aos Ahmadis no Paquistão, colaboração entre as partes interessadas e envolvimento da comunidade.

O governo do Paquistão deve demonstrar um compromisso de defender os princípios dos direitos humanos, participando em discussões e implementando medidas para abolir leis discriminatórias e proteger os direitos dos Ahmadis. A comunidade global deve continuar a exercer pressão sobre o Paquistão para que cumpra as suas responsabilidades ao abrigo dos acordos de direitos humanos e responsabilizá-los por quaisquer falhas na salvaguarda da Comunidade Ahmadiyya.

As conclusões do relatório do IHRD servem como um lembrete das ações necessárias para abordar os abusos dos direitos humanos contra os ahmadis no Paquistão. É essencial que as recomendações e percepções descritas neste relatório sejam levadas a sério, levando a ações que garantam a segurança e o bem-estar da Comunidade Ahmadia dentro e fora do Paquistão.

Faça o download do relatório completo

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -