22.7 C
Bruxelas
Domingo, junho 23, 2024
Direitos humanosProfundas preocupações sobre a detenção “desumana” de habitantes de Gaza pelas autoridades israelitas

Profundas preocupações sobre a detenção “desumana” de habitantes de Gaza pelas autoridades israelitas

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Notícias das Nações Unidas
Notícias das Nações Unidashttps://www.un.org
Notícias das Nações Unidas - Histórias criadas pelos serviços de notícias das Nações Unidas.

Em um artigo do novo relatório sobre a situação em Gaza em Maio de 2024, os autores citaram testemunhos “de médicos e denunciantes” de que detidos feridos foram mantidos num hospital de campanha com “mãos e pés algemados e vendados 24 horas por dia, 7 dias por semana, nas suas camas”.

Medos de reféns

Além disso, em 19 de Maio, 128 das 253 pessoas capturadas durante os ataques terroristas liderados pelo Hamas no sul de Israel, em 7 de Outubro, ainda permaneciam em Gaza, afirmaram os autores do relatório, sublinhando que a tomada de reféns é uma “grave violação dos princípios de Genebra”. Convenções e um crime de guerra”. Mais de 35 dos reféns foram declarados mortos e os que ainda estão vivos provavelmente enfrentam “as condições mais terríveis”, com relatos dos libertados indicando “múltiplos relatos de abuso sexual em cativeiro”. 

Acampamento no deserto

Voltando aos detidos palestinianos, os testemunhos indicaram que os prisioneiros são “alimentado com canudo, com vários casos de detentos tendo seus membros amputados devido ao acorrentamento prolongado”, de acordo com a atualização do Cluster de Proteção Global, que reúne agências da ONU e outras organizações internacionais e não governamentais.

It ecoa preocupações anteriores sobre supostos maus-tratos aos detidos do escritório de direitos humanos da ONU, ACNUDHespecialistas independentes em direitos. O exército israelita negou anteriormente estas alegações.

Acredita-se que pelo menos 27 detidos de Gaza provavelmente morreram enquanto estavam sob custódia em uma base militar israelense, incluindo Sde Teiman, no deserto de Negev, em Israel, enquanto “pelo menos quatro” outros do enclave morreram nas instalações do Serviço Prisional de Israel (IPS) ou porque de alegados espancamentos ou falta de assistência médica.

De olhos vendados e algemados

“Quer sejam detidos em instalações do IPS ou do exército, os detidos enfrentam condições de detenção extremamente duras, incluindo sobrelotação e alguns detidos em instalações semelhantes a jaulas, estar constantemente vendado e algemado, falta de acesso ao banheiro, exposição aos elementos, fornecimento de alimentos e água em quantidades apenas suficientes para sobreviver. "

Mulheres e crianças estão entre as pessoas detidas durante as “detenções em massa” levadas a cabo pelas Forças de Defesa de Israel, sustenta o relatório, acrescentando que muitas famílias “não têm informações sobre os seus entes queridos”, enquanto Israel “não fornece ou recusa informações sobre o paradeiro”. ou o destino de muitos dos detidos…Os rapazes com mais de 14 anos são normalmente detidos com homens adultos. As crianças mais novas são detidas com mulheres e familiares idosos, geralmente por um período mais curto.”

Prisões em massa

O exército israelita afirmou recentemente ter detido 2,300 palestinianos de Gaza durante operações terrestres em Gaza, disseram os autores do relatório, acrescentando que o número verdadeiro era provavelmente muito maior. 

No final de Abril, cerca de 865 detidos eram mantidos como “combatentes ilegais”, uma categoria desconhecida ao abrigo do direito internacional. “Numerosos” outros testemunhos perturbadores indicam que os detidos são sujeitos a “nudez forçada, assédio sexual, ameaças de violação, bem como tortura através de espancamentos severos, ataques de cães, revistas despojadas, afogamento simulado e negação de comida, sono e acesso a casas de banho, entre outras práticas cruéis”. 

De acordo com relatos de detidos libertados e de médicos com acesso aos detidos, o objectivo deste tratamento é obter confissões forçadas e rastrear alegados membros de grupos armados palestinianos.

Link Fonte

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -