12.1 C
Bruxelas
Monday, July 15, 2024
InstituiçõesNações UnidasGuterres destaca ‘nível único de destruição’ em Gaza antes da cimeira do G7

Guterres destaca ‘nível único de destruição’ em Gaza antes da cimeira do G7

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Notícias das Nações Unidas
Notícias das Nações Unidashttps://www.un.org
Notícias das Nações Unidas - Histórias criadas pelos serviços de notícias das Nações Unidas.

“Em Gaza, estamos profundamente empenhados na ajuda humanitária à população de Gaza, onde UNRWA é a espinha dorsal desse apoio”, disse Guterres aos jornalistas em Genebra. “Enfrentámos uma série de dificuldades e obstáculos que são bem conhecidos, mas nada diminui o nosso compromisso”, acrescentou, no meio de uma longa campanha de desinformação para desacreditar a agência da ONU.

Ataques dificultam esforços de ajuda

Voltando-se para o desafio contínuo de fornecer assistência humanitária vital, especialmente desde o início de Maio, quando os militares israelitas fecharam a vital passagem fronteiriça de Rafah, o chefe da ONU observou que continua “extremamente difícil apoiar a população que está sob fogo; é extremamente difícil apoiar a população quando há tantas restrições à entrada dos bens necessários à ajuda humanitária”.

Solicitado a comentar sobre as conclusões de um relatório publicado no início do dia por um importante Conselho de Direitos HumanosApós a investigação nomeada sobre a guerra de Gaza que considerou o Hamas e Israel culpados de crimes de guerra, o chefe da ONU sublinhou a enorme escala de destruição e morte nos últimos oito meses de hostilidades.

“Testemunhamos…um nível único de destruição e…um nível único de baixas na população palestiniana durante estes meses de guerra que não tem precedente em qualquer outra situação que vivi como Secretário-Geral das Nações Unidas.”

Ampliando a desigualdade

O Secretário-Geral falava à margem do Fórum de Líderes Globais na ONU em Genebra, organizado pela ONU Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD), onde aproveitou a oportunidade antes de se dirigir à Cimeira do G7 em Itália, que começa na quinta-feira, para repetir as suas profundas preocupações sobre a distribuição desigual da riqueza na economia global – e a necessidade de as nações mais ricas apoiarem aqueles que tentam abraçar a industrialização.

“As economias em desenvolvimento e emergentes fora da China têm visto os investimentos em energia limpa estagnados nos mesmos níveis desde 2015 e África acolheu menos de um por cento das instalações de energias renováveis ​​do ano passado, apesar da sua riqueza de recursos e do seu vasto potencial”, disse Guterres.

“Precisamos que as economias avançadas apoiem as economias emergentes e em desenvolvimento e que mostrar solidariedade climática fornecendo o apoio tecnológico e financeiro de que necessitam para reduzir as emissões.

Andar a falar

Deve haver “um compromisso claro do G7 de duplicar o financiamento para adaptação até o próximo ano e colmatando a lacuna de financiamento da adaptação.”

Fazendo eco dessa mensagem, Rebeca Grynspan, Secretária-Geral da agência das Nações Unidas para o Comércio e o Desenvolvimento, UNCTAD, saudou o “ressurgimento da política industrial” em algumas partes do mundo que justificava o “papel vital” do Estado no desenvolvimento e transformação económica.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, dirige-se a jornalistas em Genebra após a abertura do Fórum de Líderes Globais da UNCTAD.

Mas ela advertiu que, para muitos países em desenvolvimento sobrecarregados por dívidas e com espaço fiscal limitado, “esse ressurgimento é um horizonte distante”, tal como o Secretário-Geral da ONU disse aos delegados que as novas barreiras comerciais introduzidas anualmente “quase triplicaram desde 2019, muitas delas impulsionadas pela rivalidade geopolítica, sem qualquer preocupação com o seu impacto nos países em desenvolvimento”.

Esta tendência deve ser evitada para que os países e indivíduos mais vulneráveis ​​do mundo possam usufruir dos benefícios do programa apoiado pela ONU. Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), insistiu Guterres, ao declarar que o mundo “não pode permitir divisões em blocos rivais”.

Somente o cumprimento das metas garantirá a paz e a segurança onde houver “um mercado global e uma economia global em que não haja lugar para a pobreza e a fome. "

O mundo em desenvolvimento no comando

Foram feitos alguns progressos na resolução destes problemas persistentes e, nos 60 anos desde a criação da UNCTAD, “mais de mil milhões de pessoas foram tiradas da pobreza” e o mundo em desenvolvimento “é agora o motor do comércio global e da actividade económica”, observou a Sra. Grynspan.

Mas ela acrescentou que, por enquanto, para alguns, isso pode “dar a ilusão de que o terreno é menos irregular hoje do que era há seis décadas”, para “os pobres, os desconectados, os discriminados, os rurais, mas também as mulheres, e os jovens – o terreno continua irregular, a subida é muito íngreme".

Link Fonte

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -