21.2 C
Bruxelas
Domingo, julho 14, 2024
ÁfricaCrianças Albinas: Superstições na África

Crianças Albinas: Superstições na África

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Gabriel Carrion López
Gabriel Carrion Lópezhttps://www.amazon.es/s?k=Gabriel+Carrion+Lopez
Gabriel Carrión López: Jumilla, Murcia (ESPANHA), 1962. Escritor, roteirista e cineasta. Atua como jornalista investigativo desde 1985 na imprensa, rádio e televisão. Especialista em seitas e novos movimentos religiosos, publicou dois livros sobre o grupo terrorista ETA. Colabora com a imprensa livre e ministra palestras sobre diversos temas.

Ser uma criança albina em África é como carregar uma lápide permanente nos ombros. Quando nascem, costumam ser, em muitos casos, repudiados, em outros, vendidos a quem os mata e comercializa seus restos mortais. Noutros, o pior, são criados como cães até crescerem e, em tenra idade, são mortos e desmembrados para vender tudo, desde o cabelo até aos órgãos genitais, como afrodisíacos. As crianças albinas em África valem o seu peso em ouro.

Quando Europa fala de evolução, da Agenda 2030, de valores, esquecemos o tratamento que milhões de pessoas em todo o mundo recebem. As mulheres são afastadas da formação académica, sujeitas a casamentos humilhantes e escondidas atrás de roupas mais típicas da Idade Média do que do século XXI. Nós, europeus e americanos, sentimo-nos obrigados a protestar, inventando genocídios inexistentes ou divertimo-nos consolidando crenças que nos impedem de nos aproximarmos da escuridão que reina no caos da África negra. Embalamos os alimentos e deixamos que outros façam o trabalho sujo por nós. Como diria o poeta: deixe que os outros falem do governo do mundo e das suas monarquias, enquanto a manteiga e o pão macio governam os meus dias. Mas há questões que não podem ser ignoradas e a das crianças albinas (amaldiçoadas) de África é uma delas.

Quando um criança albina nasce, ele tem que ser aceito pela família. Caso contrário, a vida deles será muito curta. Essa aceitação é a única maneira que eles têm para sobreviver. Em áreas como a Serra Leoa e os países vizinhos, onde prevalecem as crenças mágicas e a superstição, o reconhecimento pela família significa que tanto a criança como o seu ambiente são considerados atormentados. Ele não é repudiado, mas é destacado.

A zero ou invisíveis, como são chamados no língua suaíli, geralmente são estrangulados ao nascer e até enterrados longe da aldeia para que seus restos mortais descansem em paz. Seus túmulos não são marcados para que não sejam profanados e a família os esqueça. Existe uma crença generalizada entre muitos povos africanos de que são azarações, seres que se sobreviverem trarão azar ao povo. Porém, se eles morrerem, as coisas mudam. Em matéria de abril de 2009, na revista XL Semana, em Espanha, a partir do depoimento de uma dessas crianças, que chegou de barco à costa do Mediterrâneo, chamada Moszy, pode-se ler o seguinte:

… Ele diz que não quer voltar ao seu país porque teme ser morto e devorado num ritual de magia negra. Antes de morrer, seus braços e pernas seriam amputados com facões. Com o sangue deles, os feiticeiros faziam um caldo chamado muti. Com os dedos das mãos amuletos. Com os órgãos genitais, uma poção sexual tão eficaz quanto o Viagra. Cada um de seus ossos vale seu peso em ouro. Cada falange pode ser usada como colar…

Tudo o que foi dito acima é verdade. Quantias significativas de dinheiro são pagas por esses restos mortais. Em 2009, um osso podia custar até 1,500 dólares. Imagine agora. Ao longo dos séculos, os albinos, tal como os judeus, foram exterminados num lento genocídio. Alguns dos primeiros continuam a ser bucha de canhão, outros tentam defender-se do resto do mundo que os condena por tentarem viver em paz. Crenças amaldiçoadas, ideias perversas, acabam por prevalecer num mundo globalizado onde o medo prevalece.

Os números da época são chocantes (2009): só na Tanzânia, 41 pessoas foram raptadas e mortas no último ano. Outros 10 no Burundi. Sete no Mali, nos Camarões… E assim, país após país, o número aumenta impiedosamente.

Salif Keita, um eminente músico albino nascido no Mali, cuja música ainda pode ser ouvida, nasceu em 1949 em Djoliba, na época centro-sudoeste do Sudão francês. Ele é considerado a voz de ouro da África e escapou do assassinato porque era descendente direto do rei Sundiata Keita (1190-1255), que foi o fundador do Império do Mali. Mesmo assim, ele confessa em todas as entrevistas em que o assunto surge, que escapou da morte devido à sua linhagem, mas que foi repudiado pela família e escondido da sociedade por ser considerado um azar na cultura Mandingo. Assegura que os albinos continuam a ser sacrificados hoje e em geral quando em qualquer um dos países onde prevalecem estas crenças miseráveis ​​​​e supersticiosas, estas crianças são raptadas e são feitos sacrifícios com elas para obter melhores resultados nas eleições. Em geral, o próprio Keita confessa que em seu país, ainda hoje, se vão ao hospital, os médicos não costumam tocá-los para o caso de terem azar.

Em 2023, há apenas um ano, no jornal La República (1) podia ler-se uma das suas manchetes: Viver com medo: crianças e adultos albinos em África são mortos por tráfico de órgãos. Já se passaram mais de 24 anos desde a referência do artigo anterior (2009) a este e tudo continua igual. Mas o pior é que não existe legislação que regule esta questão. Da Interpol a Bruxelas e aos diferentes governos ao longo dos anos, ninguém parece ter agido de forma eficaz. Os feiticeiros que levaram a cabo estas práticas foram presos, mas na maioria dos casos tiveram de ser libertados, porque ninguém iria testemunhar contra eles. Europa lava as mãos e esta não é uma questão que pareça interessar ao Tribunal Penal de Haia, mesmo que se trate de um verdadeiro genocídio.

Na introdução do mesmo jornal anterior afirmava-se: Um único osso de uma pessoa albina pode valer cerca de 1,000 euros no mercado negro. Um relatório recente das Nações Unidas afirma que um “conjunto completo” atinge até 60,000 euros. Sabemos exactamente o que significam 1,000 euros ou 60,000 euros no inexistente economia daquela área do mundo. Por que existe um relatório das Nações Unidas datado de 2023 e nada é feito a respeito? Quem compra esses amuletos? Por que tanto o vendedor quanto o comprador não são perseguidos de forma real?

No final, é um mercado nefasto para o tráfico de restos mortais que promove um genocídio que tem sido praticado numa área do mundo há centenas de anos. Mas quem se importa, no final das contas não é suficiente para um reality show televisivo, nem a sua divulgação contribuiria em absolutamente nada para qualquer mídia decente. A sociedade em geral e a nossa, mais a do bem-estar, têm umbigos demais para nos olharmos, enquanto continuamos  lutar" para direitos humanos no mundo. Mas é realmente combatido? Eu me pergunto, ou é apenas propaganda.          

Referência LaRepublica.PE SUA PARTICIPAÇÃO FAZ A DIFERENÇA 

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -