21.2 C
Bruxelas
Domingo, julho 14, 2024
Escolha dos editoresCuidado com a infiltração de jornalistas pró-Putin na bolha Bruxelas-UE 

Cuidado com a infiltração de jornalistas pró-Putin na bolha Bruxelas-UE 

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Willy Fautre
Willy Fautrehttps://www.hrwf.eu
Willy Fautré, antigo encarregado de missão no Gabinete do Ministério da Educação belga e no Parlamento belga. Ele é o diretor do Human Rights Without Frontiers (HRWF), uma ONG com sede em Bruxelas que fundou em dezembro de 1988. A sua organização defende os direitos humanos em geral, com especial enfoque nas minorias étnicas e religiosas, na liberdade de expressão, nos direitos das mulheres e nas pessoas LGBT. A HRWF é independente de qualquer movimento político e de qualquer religião. Fautré realizou missões de apuramento de factos sobre direitos humanos em mais de 25 países, incluindo em regiões perigosas como o Iraque, a Nicarágua sandinista ou os territórios maoístas do Nepal. Ele é professor em universidades na área de direitos humanos. Publicou muitos artigos em revistas universitárias sobre as relações entre o Estado e as religiões. É membro do Press Club de Bruxelas. É defensor dos direitos humanos na ONU, no Parlamento Europeu e na OSCE.

Investigadores da ONG sediada em Bruxelas Human Rights Without Frontiers (HRWF) acaba de descobrir uma tentativa de infiltração de um activista dos meios de comunicação ucranianos pró-Putin na bolha Bruxelas-UE, onde planeia espalhar informações falsas sobre a guerra da Rússia na Ucrânia e prejudicar a imagem da Ucrânia. Seu nome é Nikolay Moiseenko (Moysienko Mykola Viktorovich). 

Ele é jornalista e diretor da agência de informação “Primeiro Canal Cossaco”(ПЕРВЫЙ КОЗАЦКИЙ КАНАЛ) fundada em 2017 e com sede em Kiev. 

Na qualidade de administrador, está inevitavelmente envolvido no processo-crime n.º 22023101110000608, de 21 de julho de 2023, contra o referido meio de comunicação criado em dezembro de 2020 e qualificado pela acusação como grupo criminoso organizado. Outros jornalistas e veículos de comunicação também são citados no caso como parceiros.  

Os objetivos do “Primeiro Canal Cossaco” eram criar, armazenar e divulgar informações, notícias e comunicados de imprensa; fornecer fotos e outros produtos de informação aos meios de comunicação social, às autoridades públicas, bem como a outras entidades jurídicas e particulares na Ucrânia e no estrangeiro, através da distribuição através de uma agência de notícias. Bruxelas foi e é um dos alvos. 

De acordo com a acusação, “de fevereiro de 2014 até o presente, organizações públicas russas e associações ortodoxas pró-russas que operam na Ucrânia e financiadas por organizações não governamentais da Federação Russa, bem como fundações religiosas na Ucrânia, têm conduzido atividades destinadas a prejudicar o estado segurança da Ucrânia na esfera da informação.”

O Tribunal Distrital de Solomyanskyi, em Kiev, está a tratar do caso que ainda se encontra na fase de investigação pré-julgamento. Até hoje já foram emitidas 49 decisões judiciais, a última a que a HRWF teve acesso em 6 de Junho de 2024

As acusações 

O processo criminal inclui acusações de supostas atividades

  • dirigido contra os fundamentos da segurança nacional da Ucrânia,
  • incitar a inimizade religiosa baseada na crença na supremacia da nação russa sobre outras nações,
  • pretendia destruir o Estado ucraniano e todos os seus atributos,
  • apoiando a Igreja Ortodoxa Ucraniana (UOC) “em comunhão com a Igreja Ortodoxa Russa/Patriarcado de Moscovo” (ROC/MP)) que abençoou a agressão armada da Federação Russa à Ucrânia.  
  • realizado em cooperação com o estado agressor e apoiando-o,
  • de alta traição, ou seja, ameaçar intencionalmente a soberania, a integridade territorial e a inviolabilidade, bem como a segurança da informação da Ucrânia, nomeadamente prestando assistência a um Estado estrangeiro na realização de atividades subversivas contra a Ucrânia ao abrigo da lei marcial.

Várias pessoas estão a ser investigadas “por desacreditar a Ucrânia, minar a confiança na sociedade patriótica ucraniana e devolver a Ucrânia à zona de influência religiosa, cultural e política da Rússia”.

De acordo com a decisão judicial de 6 de junho de 2024, o “Primeiro Canal Cossaco” utilizou entidades empresariais oficialmente registadas relacionadas com a esfera mediática. Um deles, segundo a acusação, “é sistematicamente usado para publicar informações distorcidas e também é duplicado em outros recursos controlados pela UOC e pela ROC, inclusive nos canais federais russos”. 

De acordo com o parecer pericial n.º 23309/23-36/23310/23-61 do Instituto de Investigação Científica de Perícia Forense de Kiev do Ministério da Justiça da Ucrânia, de 2 de fevereiro de 2024, as informações contidas nas publicações do “Primeiro Cossaco Canal” que visa “humilhar a honra e a dignidade do clero e dos crentes da Igreja Ortodoxa da Ucrânia (OCU)”. A Igreja é independente de Moscou, foi estabelecida sob a jurisdição eclesiástica do Patriarcado Ecumênico de Constantinopla em 15 de dezembro de 2018 e recebeu autocefalia em 5 de janeiro de 2019. 

A opinião do especialista também sublinhou que o “Primeiro Canal Cossaco” também visava “criar hostilidade contra a OCU e os representantes do Patriarcado Ecuménico, bem como ajudar a Federação Russa em actividades subversivas contra a Ucrânia nas esferas da informação e religiosa”.  

A acusação também denuncia as seguintes posições: 

  • a negação de que a Rússia tenha minado a barragem da central hidroeléctrica de Kakhovka 
  • declarações negando que a agressão armada da Rússia contra a Ucrânia tenha começado em 2014 e apresentando-a como um conflito interno 
  • a justificação da agressão armada em grande escala da Rússia contra a Ucrânia em 2022, alegando que foi causada pelas ações ilegais de certas figuras religiosas da Igreja Ortodoxa da Ucrânia (OCU), independente de Moscovo. 

Sanções da UE contra meios de propaganda 

Para contrariar a propaganda russa, a UE suspendeu as atividades de radiodifusão e as licenças de vários meios de desinformação apoiados pelo Kremlin:  

  • Sputnik e subsidiárias, incluindo Sputnik Árabe  
  • Russia Today e subsidiárias, incluindo Russia Today English, Russia Today UK, Russia Today Germany, Russia Today France, Russia Today Spanish, Russia Today Arabic  
  • Rossiya RTR / RTR Planeta  
  • Rossiya 24 / Rússia 24  
  • Rússia 1  
  • Centro de TV Internacional  
  • NTV/NTV Mir  
  • TV REN  
  • Canal Pervyi  
  • Revisão Oriental  
  • Canal de TV de Tsargrado  
  • Novo Outlook Oriental  
  • Katehon  
  • Canal de TV Spas  

See Sanções da UE contra a Rússia explicadas  

Conclusão 

É necessária vigilância na bolha da UE em Bruxelas, uma vez que vários deputados do Parlamento Europeu e os seus funcionários foram recentemente acusados ​​de cumplicidade com o regime de Putin e de agirem como agentes de influência. 

Jornalistas, meios de comunicação e as instituições religiosas são outros canais também utilizados indevidamente pela propaganda russa. 

Em 18 de dezembro de 2023, o Conselho da União Europeia impôs medidas restritivas ao canal de televisão Tsargrad (Царьград ТВ) pertencente e financiado pelo chamado “oligarca ortodoxo” Konstantin Malofeev, como parte do 12º Pacote de Sanções. Naquela ocasião, o Canal de TV SPAS da Igreja Ortodoxa Russa também foi submetido a sanções da UE. 

No início deste ano, Human Rights Without Frontiers também identificou jornalistas moldavos e uma associação de mídia da Moldávia prejudicar em Bruxelas a imagem do actual Presidente moldavo pró-UE, Maia Sandu.  

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -