21.2 C
Bruxelas
Domingo, julho 14, 2024
ReligiãoBahaiDez mulheres prisioneiras iranianas emitem declaração enquanto #OurStoryIsOne marca um ano

Dez mulheres prisioneiras iranianas emitem declaração enquanto #OurStoryIsOne marca um ano

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Central de notícias
Central de notíciashttps://europeantimes.news
The European Times Notícias visa cobrir notícias importantes para aumentar a conscientização dos cidadãos em toda a Europa geográfica.

GENEBRA — 18 de junho de 2024 — Em um movimento afirmação, 10 mulheres iranianas presas na prisão de Evin, em Teerã, homenagearam 10 mulheres bahá'ís iranianas presas quatro décadas antes, na prisão de Adel Abad, em Shiraz. A declaração ecoa a #NossaHistóriaÉUma campanha, lançada há um ano em homenagem às 10 mulheres bahá'ís, que acabaram por ser todas executadas na noite de 18 de Junho de 1983.

Escrito a partir da ala feminina da Prisão de Evin, a declaração diz: “Depois de anos de prisão ao lado de mulheres bahá'ís, testemunhando as pressões e injustiças implacáveis ​​que suportam pelas suas crenças, e ouvindo as suas histórias através de gerações, reconhecemos inequivocamente que 'a nossa história é um.'"

O ganhador do Prêmio Nobel da Paz Narges Mohammadi, que permanece atrás das grades na prisão de Evin, é um dos signatários, junto com outros nove: Mahboubeh Rezayi, Hasti Amiri, Samaneh Asghari, Sakineh Parvaneh, Maryam Yahyaei, Nahid Taghavi, Anisha Assadollahi, Sepideh Gholian e Golrokh Iraee.

Chamando a execução das 10 mulheres – a mais jovem das quais tinha 17 anos e que foi enforcada uma de cada vez, enquanto as outras foram forçadas a assistir – “uma das histórias mais chocantes que ouvimos”, Mohammadi e os seus co-signatários também lamentou a execução de “quase 300 dos nossos compatriotas bahá'ís” nos anos após a Revolução Islâmica de 1979.

“O nosso silêncio face a esta opressão contra um grupo da sociedade cuja mera existência como cidadãos bahá'ís foi criminalizada tornou estes crimes menos onerosos para o regime e abriu caminho à sua repetição e intensificação”, afirma o comunicado. “As diferenças nas opiniões ou crenças políticas nunca foram, não são e não serão uma barreira para apoiar a justiça.”

“Apoiamos os nossos compatriotas bahá’ís até ao fim do sofrimento que lhes foi imposto”, conclui a declaração, assinando: “Ala das Mulheres, Prisão de Evin, Irão, #OurStoryIsOne”.

“Há quarenta e um anos, 10 mulheres bahá'ís inocentes foram executadas na calada da noite, e o governo iraniano tentou enterrar os seus nomes e histórias da história”, disse Simin Fahandej, Representante da Comunidade Internacional Bahá'í junto ao Nações Unidas em Genebra. “Mas este ato implacável deu origem a um movimento dedicado à unidade e tornou estas mulheres símbolos globais de um compromisso inabalável com o que é justo, com a verdade de cada um e com o princípio da igualdade, mesmo ao custo das suas vidas. A declaração das 10 mulheres iranianas presas é um exemplo dos milhões, não só no Irão mas em todo o mundo, que passaram a ver a história destas mulheres como se fosse sua, como parte das histórias de todas as mulheres iranianas, na verdade de todas as mulheres iranianas. mulheres em todo o mundo, na sua luta pela justiça e pela igualdade entre mulheres e homens.”

E à medida que a campanha atinge a marca de um ano, os temas subjacentes à campanha ressoam e continuam vivos, com muitos, tanto no Irão como a nível mundial, continuando a apoiar as ideias que a campanha trouxe, incluindo a unidade na diversidade e a igualdade de género.

A campanha atingiu milhões de pessoas dentro do Irão e em todas as partes do mundo – com centenas de declarações públicas de apoio de diversos grupos étnicos e religiosos.

O aniversário de um ano de #OurStoryIsOne também foi marcado pelo lançamento de um novo documentário importante da Iran International, uma importante emissora de televisão. O filme, a ser transmitido diversas vezes entre 18 e 20 de junho, intitulado “As mulheres que disseram não"(provocação 1provocação 2), conta a história das 10 mulheres executadas por meio de entrevistas, material de arquivo e imagens reconstruídas.

Isto segue um documentário lançado no ano passado pela Rádio Farda, intitulado “Antes do nascer do sol”, também sobre as 10 mulheres bahá'ís que foram enforcadas pouco antes do amanhecer.

As comunidades bahá'ís em todo o mundo também têm realizado eventos comemorativos especiais, desde concertos a exposições em galerias, apresentando algumas das milhares de contribuições artísticas feitas por membros do público para a campanha #OurStoryIsOne durante o ano passado.

“A resposta esmagadora à campanha Our Story Is One mostra a profunda ressonância global com o sacrifício das 10 mulheres em Shiraz e com os temas da unidade e igualdade de género”, disse a Sra. “As extraordinárias contribuições artísticas e o apoio global de tantas formas diversas mostraram o poder da ação coletiva na transformação de uma história trágica numa história de esperança, inspiração e ação unida para moldar o nosso destino coletivo. “A nossa história é uma só” é a mensagem que homenageia as 10 mulheres bahá'ís que foram executadas há mais de 40 anos, em silêncio. Hoje, as suas histórias tornaram-se símbolos de um esforço colectivo em prol da igualdade, da justiça e da verdade, que acabará por prevalecer.”

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -