16.2 C
Bruxelas
Monday, July 15, 2024
ReligiãoCristianismoRÚSSIA: Pesadas penas de prisão para 9 Testemunhas de Jeová no território ocupado...

RÚSSIA: Pesadas penas de prisão para 9 Testemunhas de Jeová no território ocupado da Crimeia

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Willy Fautre
Willy Fautrehttps://www.hrwf.eu
Willy Fautré, antigo encarregado de missão no Gabinete do Ministério da Educação belga e no Parlamento belga. Ele é o diretor do Human Rights Without Frontiers (HRWF), uma ONG com sede em Bruxelas que fundou em dezembro de 1988. A sua organização defende os direitos humanos em geral, com especial enfoque nas minorias étnicas e religiosas, na liberdade de expressão, nos direitos das mulheres e nas pessoas LGBT. A HRWF é independente de qualquer movimento político e de qualquer religião. Fautré realizou missões de apuramento de factos sobre direitos humanos em mais de 25 países, incluindo em regiões perigosas como o Iraque, a Nicarágua sandinista ou os territórios maoístas do Nepal. Ele é professor em universidades na área de direitos humanos. Publicou muitos artigos em revistas universitárias sobre as relações entre o Estado e as religiões. É membro do Press Club de Bruxelas. É defensor dos direitos humanos na ONU, no Parlamento Europeu e na OSCE.

Nove Testemunhas de Jeová que vivem no território ocupado da Crimeia cumprem atualmente pesadas penas de prisão, de 54 a 72 meses, por exercerem o seu direito à liberdade de reunião e de culto em casas particulares:

  • 4 anos 1/2: Vladimir Maladyka (60), Vladimir Sakada (51) e Yevgeniy Zhukov (54)
  • 5 anos e 3 meses: Aleksandr Dubovenko (51) e Aleksandr Litvinyuk (63),
  • 6 anos: Sergey Filatov (51), Artem Gerasimov (39) e Igor Shmidt
  • 6 anos e meio: Viktor Stashevkiy

As libertações não deverão ser esperadas até 2016 em seis casos, 2017 num caso e 2018 em dois casos.

Na Rússia, o governo não só proibiu as entidades jurídicas das Testemunhas, mas também demonstrou claramente a sua intenção de eliminar a sua adoração pacífica.

Uma vez que o proibição de sua religião em abril de 2017, as autoridades realizaram inúmeras incursões às suas reuniões em todo o país, resultando na detenção e encarceramento de dezenas de Testemunhas de Jeová. As mesmas táticas violentas também foram usadas contra as Testemunhas de Jeová na Crimeia.

A primeira operação em massa na Crimeia ocorreu em 15 de novembro de 2018, em Dzhankoy, quando aproximadamente 200 agentes da polícia e das forças especiais invadiram oito casas particulares onde pequenos grupos de Testemunhas se reuniam para ler e discutir a Bíblia.

Pelo menos 35 policiais armados e mascarados entraram à força na casa de Sergey Filatov, onde estava reunido um grupo de seis Testemunhas de Jeová. As Testemunhas ficaram aterrorizadas com esta ação agressiva. Os invasores prenderam um homem de 78 anos contra a parede, forçaram-no a cair no chão, algemaram-no e espancaram-no com tanta força que ele foi levado às pressas para o hospital. Dois outros homens mais velhos ficaram tão traumatizados que foram levados às pressas para o hospital com pressão arterial extremamente alta. Tragicamente, uma jovem cuja casa também foi invadida sofreu um aborto espontâneo.

Após a operação, Sergey Filatov foi acusado criminalmente, nos termos do artigo 282.2(1) do Código Penal Russo, de organizar a atividade de uma “organização extremista”. Em 5 de março de 2020, o tribunal distrital da Crimeia condenou-o a seis anos numa colónia prisional de regime geral.

Nos anos que se seguiram ao ataque de 2018 em Dzhankoy, oficiais das forças especiais continuaram a entrar à força nas casas de Testemunhas de Jeová que eram suspeitas de “actividade extremista” de adoração. A operação mais recente ocorreu em 22 de maio de 2023. Às 6h30 da manhã, mais de dez agentes, cinco dos quais armados, entraram numa casa em Feodosia. Ordenaram que as Testemunhas se deitassem no chão enquanto revistavam a casa por mais de três horas. Um dos homens, Testemunhas, foi detido e levado a Sebastopol para interrogatório.

Em 21 de junho de 2024, 128 Testemunhas de Jeová cumpriam pena de prisão na Rússia e mais 9 na Crimeia ocupada. Todos foram acusados ​​de promover as atividades de uma “organização extremista”. Veja os casos documentados em Banco de dados HRWF de prisioneiros FORB.

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -