9.3 C
Bruxelas
Sexta-feira, Março 1, 2024
InstituiçõesNações UnidasENTREVISTA: A dolorosa decisão de uma humanitária de deixar sua casa e trabalhar em...

ENTREVISTA: A dolorosa decisão de uma humanitária de deixar sua casa e trabalhar em Gaza |

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Notícias das Nações Unidas
Notícias das Nações Unidashttps://www.un.org
Notícias das Nações Unidas - Histórias criadas pelos serviços de notícias das Nações Unidas.

As UNRWAA Oficial de Armazenagem e Distribuição da Arábia Saudita, Maha Hijazi, foi responsável por garantir alimentos para centenas de milhares de pessoas deslocadas que procuraram refúgio nos seus abrigos.

Missão impossível

“As equipas da UNRWA em Gaza estão a trabalhar arduamente para fornecer todas as necessidades básicas dessas pessoas, e o número um é a segurança e a proteção”, disse ela.

“Estamos a fazer o nosso melhor apesar de todos os desafios, apesar dos recursos limitados, apesar de não haver combustível. Mas estamos no terreno cumprindo uma missão impossível para garantir o que podemos garantir ao nosso povo.”

A Sra. Hijazi também é mãe e esta semana a sua família fugiu para o Egipto porque os seus filhos estarão seguros lá.

Ela falou com Notícias da ONU sobre a dolorosa decisão de deixar Gaza, a sua casa e o seu trabalho.

Esta entrevista foi editada para maior duração e clareza.

Maha Hijazi: Nem os meus filhos nem nenhum dos nossos filhos palestinianos se sentem seguros, seguros e protegidos. Noite e dia inteiros ouvem bombardeios por toda parte e só têm uma pergunta: O que fizemos de errado para merecer esta vida, e vamos morrer hoje ou esta noite?

Todos os dias me perguntavam antes de irmos para a cama: 'Mamãe, vamos morrer esta noite, como nossos vizinhos, como nossos parentes?' Então tive que abraçá-los e prometer que se morrermos, morreremos juntos, então não sentiremos nada. E se você ouvir o bombardeio, estará seguro. O foguete que vai te matar, você não ouvirá seu som. 

Notícias da ONU: Você fugiu de Gaza na segunda-feira para o Egito. Conte-nos sobre a viagem, especialmente porque os humanitários disseram que nenhum lugar é seguro em Gaza.

Maha Hijazi: Sinto raiva por ter de deixar a minha terra natal – deixar a minha casa, o meu apartamento, e também deixar o meu trabalho diário de apoio aos refugiados – mas o que mais poderia fazer pelos meus filhos, porque eles têm dupla nacionalidade. Preciso ter essa chance para que eles durmam e sintam que são parecidos com as outras crianças. Então, não quero perder esta oportunidade apesar de toda a dor que tenho por dentro.

Posso dizer-vos que durante toda a viagem chorei com os meus filhos porque não queremos sair da nossa terra, não queremos sair de Gaza. Mas fomos forçados a fazer isso em busca de segurança e proteção. 

Na verdade, vivi no centro de Gaza, em Deir al Balah, e a travessia é em Rafah, no sul. Muitas pessoas que acabaram de ser evacuadas caminhavam pela rua Salahadin e não tinham para onde ir. Vimo-los e testemunhámos os bombardeamentos durante a nossa viagem até chegarmos à passagem de Rafah, pela qual, aliás, nem todos os palestinianos estão autorizados a passar. Você tem que ter outra nacionalidade ou outro passaporte. Então foi difícil e não vou esquecer esse dia.

Notícias da ONU: Qual foi sua principal tarefa na UNRWA?

Maha Hijazi: Minha principal tarefa durante a emergência, ou durante esta guerra, era ser ponto focal de alimentos na sala central de operações. Assim, fui responsável por garantir os alimentos necessários para as pessoas deslocadas (PDI) dentro dos abrigos da UNRWA. O nosso plano era ter 150,000 deslocados palestinos dentro dos abrigos da UNRWA, número que agora chega a cerca de um milhão. As suas necessidades são muito elevadas e há falta de recursos, por isso estamos a trabalhar arduamente apenas para garantir pelo menos o mínimo para que sobrevivam.

Notícias da ONU: Como funciona a UNRWA e onde pode ajudar os habitantes de Gaza?

Maha Hijazi: As pessoas estão procurando escolas da UNRWA. Eles buscam proteção sob a bandeira da ONU, e então somos responsáveis ​​por fornecer-lhes alimentos e também itens não alimentares, cobertores, colchões, além de água potável e água encanada. 

As equipas da UNRWA em Gaza estão a trabalhar arduamente para satisfazer todas as necessidades básicas dessas pessoas, e o número um é a segurança e a protecção. Apesar disso, não existe lugar seguro em Gaza, o que é verdade e muito correcto. Mas estamos a fazer o nosso melhor, apesar de todos os desafios, apesar dos recursos limitados, apesar de não haver combustível. Mas estamos no terreno cumprindo uma missão impossível para garantir o que podemos garantir ao nosso povo.

Notícias da ONU: A UNRWA estava recebendo combustível quando você estava lá? Que tal comida e água? Você está recebendo os suprimentos necessários?

Maha Hijazi: Nos primeiros dias de escalada, paramos de receber combustível. E depois disso recebemos gotas de combustível apenas para operar nossos veículos. Recentemente, talvez há quatro ou cinco dias, pudemos receber combustível, mas era uma quantidade muito pequena. Lembro-me dos últimos dias em que estive em Gaza, tínhamos os camiões de ajuda na passagem de Rafah, mas não havia combustível nos camiões, por isso os camiões ficaram presos durante dois dias à espera de serem reabastecidos. Os geradores para fornecer energia elétrica, bombeamento de água também, estações de esgoto, tudo precisa de combustível, além das padarias. 

No que diz respeito a alimentos e água, são quantidades muito, muito pequenas e insuficientes para as nossas necessidades, uma vez que o número de deslocados internos está a aumentar dramaticamente. Mas não são apenas as pessoas que estão dentro dos abrigos da UNRWA. Existem centenas de milhares de pessoas fora dos abrigos da UNRWA. Eles estão com fome e não conseguem comida, mesmo nos mercados locais. A minha família não estava num abrigo da UNRWA, mas lembro-me que os meus pais não conseguiam alimentos suficientes no mercado. Nós testemunhamos isso. Fomos aos mercados, mas eles estão vazios. Não encontramos nada para comprar. Temos dinheiro, mas não temos nada para comprar. 

Link Fonte

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -