15.5 C
Bruxelas
Sexta-feira, Maio 24, 2024
Escolha dos editores50 especialistas em minorias religiosas exploram em Navarra Desafios e Soluções para...

50 especialistas em minorias religiosas exploram em Navarra Desafios e Soluções para Minorias Religiosas em Espanha

Durante a semana estudaram e discutiram a situação jurídica das minorias religiosas em Espanha

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Central de notícias
Central de notíciashttps://europeantimes.news
The European Times Notícias visa cobrir notícias importantes para aumentar a conscientização dos cidadãos em toda a Europa geográfica.

Durante a semana estudaram e discutiram a situação jurídica das minorias religiosas em Espanha

Cinquenta especialistas europeus em minorias religiosas reúnem-se esta semana em Pamplona numa conferência internacional organizada pela Universidade Pública de Navarra (UPNA) e dedicada à situação jurídica das confissões religiosas sem acordo de cooperação com o Estado.

Minorias religiosas, Administração Pública e Academia

Representantes destas minorias religiosas e da administração e investigadores sobre liberdade de consciência de universidades de sete países (Espanha, França, Itália, Polónia, Portugal, Reino Unido e Roménia) analisou a situação a partir de Quarta-feira, 6 de março, até sexta-feira, 8 de março, no antigo convento de Las Salesas (hoje sede da Região de Pamplona) os principais desafios da inclusão da diversidade religiosa na sociedade, onde “discriminação legislativa significativa” subjacente, de acordo com Alejandro Torres Gutiérrez, professor da UPNA e organizador deste congresso, e que é um dos premiados do “Prêmios de Liberdade Religiosa”para 2020.

"Pensemos, por exemplo, nas dificuldades enfrentadas por muitas das confissões sem acordo de cooperação com o Estado no acesso ao sistema de benefícios fiscais e deduções por doações," disse Professor Alejandro Torres. "Até agora, estas questões têm sido reservadas exclusivamente às religiões com acordo, embora ainda esteja pendente uma reforma “ad hoc” da legislação sobre mecenato. E também vale a pena notar o quão complicado pode ser para eles obter terrenos para construir os seus templos, ou locais adequados para sepultamentos, ou para prestar assistência religiosa aos seus fiéis”..

Em Espanha, o Estado estabeleceu inicialmente acordos com a Santa Sé a favor da Igreja Católica, e posteriormente assinou os de 1992 com as então reconhecidas minorias religiosas Federação das Entidades Religiosas Evangélicas, Federação das Comunidades Israelitas da Espanha e os votos de Comissão Islâmica da Espanha. Em contraste com estas quatro religiões que assinaram um acordo com o Estado, há aquelas que não o fizeram. E dentro destes há diferenças: alguns obtiveram uma declaração de “profundamente enraizado” (notorio arraigo), como o Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (2003) As Testemunhas Cristãs de Jeová (2006), o Federação de Entidades Budistas da Espanha (2007), o Igreja Ortodoxa (2010), e o Fé Bahá'í (2023), e outros carecem desse reconhecimento administrativo adicional, como o Igreja de Scientology, Comunidade Ahmadia, Taoísmo, o Federação Hindu da Espanha e os votos de Fé Sikh.

Participantes do congresso

Congresso sobre minorias religiosas e discriminação legislativa

O congresso internacional intitulado “Estatuto jurídico das minorias religiosas sem acordo de cooperação jurídica” reuniu em Pamplona, ​​entre outras personalidades, Mercedes Murillo Muñoz, Diretor Geral de Liberdade Religiosa da Ministério da Presidência, Justiça e Relações com o Parlamento e Inés Mazarrasa Steinkuhler, Diretor do Fundação Pluralismo e Coexistência, entre outros. Também participaram representantes de minorias religiosas sem acordo de cooperação com o Estado em Espanha: o Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, Testemunhas de Jeová, Federação Budista da Espanha, que o Igreja Ortodoxa Romena, que o Comunidade Bahá'í, Ivan Arjona do Igreja de Scientology, Krishna Kripa Das como presidente o Federação Hindu da Espanha, e também esteve presente o União Taoísta da Espanha.

A conferência foi financiada pela Vice-Reitoria de Investigação, pela I-COMUNITAS Instituto com o professor Sergio García (ambos da UPNA), o Fundação Pluralismo e Coexistência e o Ministério da Ciência e Inovação, através do projeto Estatuto Jurídico das Denominações Religiosas sem Acordo de Cooperação em Espanha, cujos principais investigadores são o já mencionado Alejandro Torres, Professor de Direito Constitucional, e Óscar Celador Angón, Professor de Direito Eclesiástico do Estado da Universidade Carlos III (Madri). Além disso, este encontro científico faz parte do Projeto EUROPIA, que recebeu apoio financeiro da União Europeia e do qual Spasimir Domaradzki, professor da Faculdade de Ciência Política da Universidade de Varsóvia (Polônia), é o investigador principal.

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -