15.3 C
Bruxelas
Tuesday, June 18, 2024
Meio AmbienteRecordes quebrados – novo relatório global confirma 2023 mais quente até agora

Recordes quebrados – novo relatório global confirma 2023 mais quente até agora

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Notícias das Nações Unidas
Notícias das Nações Unidashttps://www.un.org
Notícias das Nações Unidas - Histórias criadas pelos serviços de notícias das Nações Unidas.

Um novo relatório global publicado na terça-feira pela Organização Meteorológica Mundial (OMM), uma agência da ONU, mostra que foram mais uma vez quebrados recordes nos níveis de gases com efeito de estufa, temperaturas da superfície, calor e acidificação dos oceanos, aumento do nível do mar, cobertura de gelo e recuo dos glaciares. .

Ondas de calor, inundações, secas, incêndios florestais e ciclones tropicais que se intensificaram rapidamente causaram miséria e caos, alterando a vida quotidiana de milhões de pessoas e infligindo muitos milhares de milhões de dólares em perdas económicas, de acordo com o WMO Relatório sobre o estado do clima global 2023.

"Sirenes estão tocando em todos os principais indicadores… Alguns discos não estão apenas no topo das paradas, eles estão destruindo as paradas. E as mudanças estão se acelerando”, disse a ONU Secretário-Geral António Guterres em uma mensagem de vídeo para o lançamento.

alerta vermelho

Com base em dados de várias agências, o estudo confirmou que 2023 foi o ano mais quente já registado, com a temperatura média global próxima da superfície a 1.45°C acima da linha de base pré-industrial. Foi o período de dez anos mais quente já registado.

Dra Celeste Saulo (centro), Secretária-Geral da Organização Meteorológica Mundial (OMM) no lançamento do relatório sobre o Estado do Clima Global 2023
Notícias da ONU/Anton Uspensky – Dra. Celeste Saulo (centro), Secretária-Geral da Organização Meteorológica Mundial (OMM) no lançamento do relatório sobre o Estado do Clima Global 2023

“O conhecimento científico sobre as alterações climáticas existe há mais de cinco décadas e, ainda assim, perdemos uma geração inteira de oportunidades”, disse a secretária-geral da OMM, Celeste Saulo, apresentando o relatório à mídia em Genebra. Ela apelou a que a resposta às alterações climáticas seja governada pelo “bem-estar das gerações futuras, mas não pelos interesses económicos de curto prazo”.  

“Como secretária-geral da Organização Meteorológica Mundial, estou agora a soar o alerta vermelho sobre o estado do clima global”, enfatizou. 

Mundo em desordem 

No entanto, as alterações climáticas envolvem muito mais do que as temperaturas do ar, explicam os especialistas da OMM. O calor sem precedentes dos oceanos e a subida do nível do mar, o recuo dos glaciares e a perda de gelo marinho na Antártida também fazem parte deste quadro sombrio. 

Num dia normal em 2023, quase um terço da superfície do oceano foi assolado por uma onda de calor marinha, prejudicando ecossistemas vitais e sistemas alimentares, concluiu o relatório. 

Os glaciares observados sofreram a maior perda de gelo já registada – desde 1950 – com derretimento extremo tanto no oeste da América do Norte como na Europa, de acordo com dados preliminares. 

As calotas polares alpinas experimentaram uma estação de derretimento extremo, por exemplo, com aquelas em Suíça perdendo cerca de 10 por cento do seu volume restante nos últimos dois anos. 

A perda de gelo marinho na Antártica foi de longe a mais baixa já registada – um milhão de quilómetros quadrados abaixo do ano recorde anterior – equivalente ao tamanho da França e da Alemanha juntas.

As concentrações observadas dos três principais gases com efeito de estufa – dióxido de carbono, metano e óxido nitroso – atingiram níveis recorde em 2022 e aumentaram continuamente em 2023, mostram dados preliminares. 

Repercussões globais

De acordo com o relatório, os extremos meteorológicos e climáticos são a causa profunda ou os graves factores agravantes que, em 2023, desencadearam deslocações, insegurança alimentar, perda de biodiversidade, problemas de saúde e muito mais.

O relatório, por exemplo, cita números de que o número de pessoas que sofrem de insegurança alimentar aguda em todo o mundo mais do que duplicou, de 149 milhões antes do Covid-19 pandemia para 333 milhões em 2023 em 78 países monitorado pelo Programa Mundial de Alimentos (PAM).

“A crise climática é o desafio definidor que a humanidade enfrenta. Está intimamente ligada à crise da desigualdade – como testemunhado pela crescente insegurança alimentar e deslocamento populacional, e perda de biodiversidade”, disse a Sra. Saulo.

Um vislumbre de esperança

O relatório da OMM não só gera alarme, mas também oferece razões para optimismo. Em 2023, as adições de capacidade renovável aumentaram quase 50 por cento, totalizando 510 gigawatts (GW) – a taxa mais elevada observada em duas décadas. 

O aumento da produção de energia renovável, alimentada principalmente pela radiação solar, pelo vento e pelo ciclo da água, posicionou-a como uma força líder na acção climática para alcançar os objectivos de descarbonização.

Sistemas eficazes de alerta precoce contra múltiplos riscos são cruciais para mitigar o impacto dos desastres. O Avisos antecipados para todos A iniciativa visa garantir a proteção universal através de sistemas de alerta precoce até 2027. 

Desde a adoção do Quadro de Sendai para a Redução do Risco de Desastres, houve um aumento no desenvolvimento e implementação de estratégias locais de redução do risco de desastres.

De 2021 a 2022, os fluxos financeiros globais relacionados com o clima quase duplicaram em comparação com os níveis de 2019-2020, atingindo quase US$ 1.3 trilhão

No entanto, isto equivale a apenas cerca de um por cento do PIB global, sublinhando uma lacuna financeira significativa. Para alcançar os objectivos de uma trajectória de 1.5°C, os investimentos anuais em financiamento climático devem aumentar mais de seis vezes, atingindo quase 9 biliões de dólares até 2030, sendo necessários 10 biliões de dólares adicionais até 2050.

Custo de inação

O custo da inacção é impressionante, alerta o relatório. Entre 2025 e 2100, pode chegar a US$ 1,266 trilhões, representando a diferença nas perdas entre um cenário de manutenção do status quo e uma trajetória de 1.5°C. Observando que este número é provavelmente uma subestimação significativa, os especialistas em meteorologia da ONU apelam a uma acção climática imediata. 

O relatório é lançado antes da reunião ministerial sobre o clima de Copenhaga, onde líderes climáticos e ministros de todo o mundo se reunirão pela primeira vez desde COP28 no Dubai para pressionar por uma ação climática acelerada, incluindo a celebração de um acordo ambicioso sobre financiamento na COP29 em Baku, no final deste ano – para transformar os planos nacionais em ação.

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -