15.4 C
Bruxelas
Sábado, Maio 18, 2024
Direitos humanosLíderes da ONU galvanizam ações para reparações para pessoas de ascendência africana

Líderes da ONU galvanizam ações para reparações para pessoas de ascendência africana

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Notícias das Nações Unidas
Notícias das Nações Unidashttps://www.un.org
Notícias das Nações Unidas - Histórias criadas pelos serviços de notícias das Nações Unidas.

Especialistas e líderes da ONU trocaram opiniões sobre os melhores caminhos a seguir, centrados no tema deste ano, Uma Década de Reconhecimento, Justiça e Desenvolvimento: Implementação da Década Internacional para Pessoas de Descendência Africana

Embora a década termine em 2024, ainda há muito trabalho a ser feito, disse o presidente da Assembleia Geral, Dennis Francis, ao organismo mundial.

Para galvanizar os esforços baseados na acção, ele anunciou uma reunião centrada na questão da justiça reparatória, que será realizada na segunda-feira, no Dia Internacional em Memória das Vítimas da Escravidão e do Comércio Transatlântico de Escravos, marcado em 25 de março.

As pessoas de ascendência africana enfrentam muitos preconceitos e injustiças através dos legados da escravatura e do colonialismo, desde a brutalidade policial às desigualdades, disse ele, sublinhando que o mundo deve tomar medidas para proteger plenamente os seus direitos humanos.

“O racismo e a discriminação racial são uma violação flagrante dos direitos humanos," ele disse. “É moralmente errado, não tem lugar no nosso mundo e deve, portanto, ser totalmente repudiado.”

Chefe da ONU critica legados “devastadores”

Os resultados do legado da escravatura e do colonialismo são “devastadores”, disse a ONU Secretário-Geral António Guterres em uma afirmação entregue pela Chefe de Gabinete da ONU, Courtenay Rattray.

Apontando para oportunidades roubadas, dignidade negada, direitos violados, vidas ceifadas e vidas destruídas, ele disse que “o racismo é um mal que infecta países e sociedades em todo o mundo”.

Embora o racismo seja “abundante”, tem um impacto diferente nas comunidades.

A ação deve desmantelar as desigualdades

“As pessoas de ascendência africana enfrentam uma história única de racismo sistêmico e institucionalizadoe desafios profundos hoje”, disse o chefe da ONU. “Devemos responder a essa realidade, aprendendo e desenvolvendo a defesa incansável das pessoas de ascendência africana.”

A ação deve mudar isso, disse ele, de governos avançando políticas e outras medidas para eliminar o racismo contra pessoas de ascendência africana para empresas de tecnologia abordando urgentemente o preconceito racial em inteligência artificial.

História violenta

O Chefe de Gabinete, Sr. Rattray, falando em seu próprio nome, lembrou ao órgão mundial que o Dia Internacional é observada anualmente no dia em que a polícia de Sharpeville, na África do Sul, abriu fogo e matou 69 pessoas numa manifestação pacífica contra as “leis de aprovação” do apartheid em 1960.

Desde então, o sistema de apartheid na África do Sul foi desmantelado e as leis e práticas racistas foram abolidas em muitos países.

Hoje, um quadro global para combater o racismo é orientado pela Convenção Internacional sobre a Eliminação da Discriminação Racial, que está agora próximo da ratificação universal.

Manifestantes reúnem-se na Times Square, em Nova Iorque, para exigir justiça e protestar contra o racismo nos Estados Unidos após a morte de George Floyd em maio de 2020, enquanto estava sob custódia policial. (arquivo).

'Comemoração não basta'

No entanto, o Sr. Rattray disse: o racismo está enraizado nas estruturas sociais, nas políticas e nas realidades de milhões de pessoas hoje, violando a dignidade e os direitos das pessoas, ao mesmo tempo que alimentam a discriminação silenciosa na saúde, na habitação, na educação e na vida quotidiana.

“Já é hora de nos libertarmos”, disse ele, pedindo ação.

“A comemoração não basta. Eliminar a discriminação requer ação. "

Isso inclui países e empresas que oferecem justiça reparatória, disse ele.

Também discursaram na Assembleia Geral Ilze Brand Kehris, Secretária-Geral Adjunta para os Direitos Humanos e June Soomer, Presidente designada do Fórum Permanente sobre Pessoas de Descendência Africana.

Para cobertura completa desta e de outras reuniões oficiais da ONU, visite Cobertura de Reuniões da ONU, em InglêsFrancês.

Link Fonte

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -